Suplemento vitamínico funciona? Estudo aponta controvérsias

Alimentação Bem-estar Saúde
01 de Setembro, 2022
Suplemento vitamínico funciona? Estudo aponta controvérsias

Muito provavelmente você já utilizou algum tipo de suplemento vitamínico para reforçar a imunidade ou suprir alguma falta de nutrientes. Afinal, é muito fácil adquirir esses produtos, pois a prateleira das farmácias sempre tem um arsenal de opções: são vitaminas para o cabelo, para manter os ossos saudáveis, evitar gripes e resfriados… Mas será que o suplemento vitamínico funciona mesmo? Embora muitos profissionais da saúde recomendem o uso de vitaminas em casos específicos — por exemplo, quadros de anemia, imunossupressão e pós-bariátrica — uma revisão científica parece ir na contramão da eficácia dos suplementos.

Veja também: Dicas de uma nutricionista para manter hábitos saudáveis em casa!

É o que sugere o levantamento da U.S Preventive Task Forces (USPSTF), um órgão independente de saúde dos Estados Unidos. No entanto, a ressalva se aplica para alguns tipos de vitaminas e doenças. “A USPSTF desaconselha o uso dos suplementos betacaroteno ou vitamina E para prevenir doenças cardiovasculares ou câncer”, diz um trecho da revisão. Para a entidade, a melhor forma de manter a saúde protegida, sobretudo dessas enfermidades, é a alimentação equilibrada. Todavia, quanto aos demais suplementos vitamínicos, a revisão conclui que “não há evidências contra ou a favor do uso de vitaminas, seja para prevenir um câncer ou doenças do coração”.

Porém, o suplemento vitamínico funciona em outras situações? Infelizmente essa questão ficou aberta no documento, que deixou a decisão de prescrever vitaminas a critério dos médicos. Por outro lado, alertam que o excesso de substâncias pode causar efeitos colaterais. Dessa forma, é importante consultar seu médico para avaliar a necessidade de suplementação e a dosagem segura.

Descubra seu peso ideal. É grátis! Saiba se seu peso atual e sua meta de peso são saudáveis com Tecnonutri.
cm Ex. 163 kg Ex. 78,6

Por que só doenças cardiovasculares e câncer foram o alvo da revisão?

A razão para destacar essas condições é que elas são as principais responsáveis pela mortalidade da população dos Estados Unidos. Além disso, a cultura americana tem o hábito de consumir suplementos vitamínicos por conta própria — lá, esse segmento é muito mais forte do que o do Brasil. Para se ter uma ideia, a indústria de suplementos gera 30 bilhões de dólares por ano apenas nos EUA. Assim, o estudo tem o objetivo de alertar a comunidade médica sobre os riscos da suplementação indevida, principalmente para prevenir as doenças em questão.

Na dúvida se o suplemento vitamínico funciona ou não, aposte na alimentação

Não é apenas uma recomendação do estudo, mas é uma opinião unânime de médicos, nutricionistas, nutrólogos e outros experts da área da saúde. Investir em escolhas saudáveis e na variedade de alimentos (frutas, verduras, grãos, oleaginosas e carnes) é a alternativa mais acessível para ficar longe de doenças e ter autonomia por toda a vida. Para lhe ajudar nessa missão, a Vitat tem o programa Virada Saudável de 30 dias. Nesse período, você terá o apoio de nutricionistas para ter uma alimentação balanceada e sem restrições, e com cardápios que se adaptam ao seu paladar.

Clique aqui para saber mais e conhecer outras linhas de cuidado da Vitat!

Descubra seu peso ideal. É grátis! Saiba se seu peso atual e sua meta de peso são saudáveis com Tecnonutri.
cm Ex. 163 kg Ex. 78,6

Sobre o autor

Amanda Preto
Jornalista especializada em saúde, bem-estar, movimento e professora de yoga há 10 anos.

Leia também:

Lapsos de memória
Bem-estar Equilíbrio Saúde

Lapsos de memória: 8 principais fatores e como evitá-los

Rotina sobrecarregada, estresse e noites maldormidas são algumas das causas

Quando mudar a rotina de skincare
Beleza Bem-estar

Rotina de skincare: quando mudar os produtos? Dermatologista explica

Segundo a dermatologista, apesar da percepção, a pele continua se beneficiando da rotina

Medir a pressão arterial
Saúde

Medir a pressão arterial: veja novas recomendações

Veja novas recomendações da Sociedade Brasileira de Cardiologia