Sintomas diferentes da menopausa: saiba quais são e como aliviá-los

Saúde
20 de Outubro, 2022
Sintomas diferentes da menopausa: saiba quais são e como aliviá-los

A menopausa, fase que marca a última menstruação e a produção dos hormônios estrogênio e progesterona cai, é sentida de maneiras diferentes por cada mulher. A princípio, os desconfortos mais conhecidos do período são crises intensas de calor (os famosos “fogachos”), queda da libido, ganho de peso, alterações no humor e ressecamento vaginal. No entanto, existem outros sintomas diferentes da menopausa que pouquíssimas mulheres conhecem, pois não os associam ao evento.

Veja também: Teste pode prever cânceres femininos até quatro anos antes

Menopausa é ainda um assunto delicado

Embora seja um processo pelo qual todas as mulheres irão passar, a menopausa ainda é um tabu. Uma pesquisa recente da Essity feita com 2 mil pessoas no Brasil aponta que 69% das mulheres não falam abertamente sobre o assunto. Afinal, consideram a menopausa uma espécie de “deterioração” do corpo.

Tal constatação não é surpresa, já que vivemos em uma sociedade na qual o envelhecimento ainda é visto como uma sentença de exclusão e até mesmo como doença.

Outro dado interessante é sobre a percepção da menopausa no corpo: a maioria das entrevistadas elencou apenas cinco sinais e sintomas que acreditavam pertencer à fase. Contudo, a condição pode envolver dezenas de sintomas, mas que são pouco comentados.

Conheça os sintomas diferentes da menopausa

Uma pesquisa realizada na Grã-Bretanha pela indústria de suplementos Dr. Vegan ouviu 1 mil mulheres para saber o que elas sentiram antes e durante a menopausa. Além dos sintomas típicos, 8% das participantes revelaram ter formigamento na boca.

Aliados ao incômodo, elas também relataram ressecamento bucal e mudanças no paladar, que passou a apresentar um gosto “metálico” ao provar alguns tipos de alimentos. Veja os outros sintomas compartilhados:

  • Problemas na saúde do ouvido: um quinto das mulheres sentiu dores de ouvido e leves alterações na audição, com zumbidos frequentes ao longo da menopausa.
  • Choques elétricos corporais: 15% notaram ondas recorrentes de choques, especialmente na região da testa, antes dos fogachos.
  • Gengivite: 18% sentiram que a gengiva ficou mais sensível e propensa a sangramentos, mesmo com a devida higiene bucal.
  • Mudanças da noção especial: mais de 20% perceberam que a percepção do espaço que ocupam também se modificou, com maior facilidade para se esbarrar em objetos.
  • Alterações no odor: um quarto das mulheres alegaram que o cheiro corporal ficou mais forte.
  • Aumento do escape de urina: provavelmente por conta da atrofia vaginal, quase 20% sofreram episódios de escape de urina.

Saúde mental em xeque

Além dos sintomas diferentes da menopausa, a pesquisa investigou as emoções das participantes, que experimentaram uma série de sentimentos com a chegada da menopausa. Perda da autoestima, da autoconfiança, falta de motivação para trabalhar, depressão severa, ostracismo, sensação de inadequação foram algumas das queixas femininas.

Como conclusão, o estudo alerta para a necessidade de conscientização de empresas, amigos e familiares sobre os efeitos da menopausa.

Afinal, como lidar com os sintomas da menopausa?

Certamente é a pergunta que toda mulher já fez ou irá fazer em um futuro próximo ou distante. Antes de mais nada, é importante lembrar que a menopausa geralmente ocorre a partir dos 45 anos. Em casos raros, ela pode se manifestar antes, condição que a medicina chama de menopausa precoce. Apesar dos inúmeros desafios, felizmente há uma série de recursos que podem amenizar as agruras desse período.

A reposição hormonal é o tratamento mais convencional para reajustar o metabolismo, mas nem todas as mulheres têm indicação para a terapia. Em contrapartida, é possível recorrer a outros meios para driblar os sintomas. Por exemplo:

Fitoterapia: utilizar fórmulas manipuladas a partir de ervas e plantas pode ser benéfico para atenuar as oscilações emocionais e problemas como o calor excessivo.

Exercício físico: é altamente recomendado pelos médicos para aumentar a disposição, estimular a atividade metabólica e fortalecer os ossos e a musculatura.

Terapias com laser e LED: trazem ótimos resultados para mulheres que possuem ressecamento vaginal, pois incentivam a recuperação das funções da mucosa íntima.

Alimentação alinhada: busque suporte profissional para compor um cardápio com alimentos que ajudam a aliviar os inconvenientes da montanha-russa hormonal. Em muitos casos, é necessária a suplementação de alguns nutrientes para prevenir a perda óssea e muscular comuns ao envelhecimento.

Apoio psicológico: essencial para ter mais autoconhecimento e ser menos refém dos transtornos emocionais que podem surgir.

Sobre o autor

Amanda Preto
Jornalista especializada em saúde, bem-estar, movimento e professora de yoga há 10 anos.

Leia também:

Por quanto tempo tomar glutamina
Alimentação Bem-estar Saúde

Por quanto tempo devo tomar glutamina?

Veja recomendações importantes sobre o consumo prolongado

Alimentação e hipertensão
Alimentação Bem-estar Saúde

Alimentação e hipertensão: o que priorizar e o que evitar?

O ideal é utilizar temperos naturais, como ervas e especiarias. Veja outras dicas

check-up ginecológico
Bem-estar Saúde

Check-up ginecológico: quais exames a mulher deve realizar anualmente?

A rotina de exames permite diagnóstico rápido para diversas doenças, ampliando as chances de um tratamento eficaz