As semelhanças entre a síndrome de burnout e distúrbios do sono

27 de dezembro, 2021

Cansaço excessivo – tanto físico quanto mental, insônia, dificuldade para se concentrar e estresse. Esses sintomas são comuns em dois problemas muito semelhantes: síndrome de burnout e distúrbios do sono, como a apneia do sono. Mas por conta da semelhança, pode haver confusão na identificação das condições.

Síndrome de burnout

A Síndrome de Burnout consiste no esgotamento físico e mental causado pela pressão excessiva no trabalho, acúmulo de funções e responsabilidades. De acordo com a International Stress Management Association (Isma), o problema afeta 30% dos profissionais brasileiros.

“A síndrome de burnout é consequência de uma exaustão emocional que se manifesta com alterações do funcionamento físico e mental, tendo como causa maior o estresse intenso e prolongado no ambiente laboral que, frequentemente, produz sintomas como fadiga, labilidade emocional, irritabilidade, desânimo, alterações no sono, desinteresse e aversão ao trabalho”, explica Fábio Aurélio Costa Leite, psiquiatra com especialização em sono, dor e psiquiatria geriátrica.

Segundo o especialista, é fundamental diferenciar o burnout de alguns transtornos do sono, como a apneia do sono. “Um ponto importante para observar é se o sono atrapalha o trabalho (apneia do sono) ou se o trabalho é que atrapalha o sono (burnout). Em seguida, seguir com uma investigação diagnóstica detalhada para a busca do tratamento adequado”, ressalta o psiquiatra.

Distúrbios do sono

Apesar das semelhanças entre as síndromes, a apneia do sono é um distúrbio relacionado à piora da qualidade de vida e sono, além de problemas de saúde como hipertensão, diabetes e doenças cardiovasculares. Por isso, a apneia deve ser investigada e tratada nos casos moderados e graves. No Brasil, um estudo publicado em 2019 mostrou que o percentual pode chegar a 49,7% da população.

Dessa maneira, alguns sinais que podem indicar a presença do distúrbio são: ronco, cansaço diurno constante, dificuldade de concentração, dores de cabeça matinais, humor depressivo, falta de energia, esquecimento ou hábito constante de acordar para ir ao banheiro.

Leia também: Apneia do sono pode aumentar risco de problemas cardíacos

Uma vez que a apneia do sono é diagnosticada, o tratamento mais comumente indicado é a adoção regular do CPAP (pressão positiva contínua nas vias aéreas).

Fonte: Fábio Aurélio Costa Leite, psiquiatra com especialização em sono, dor e psiquiatria geriátrica.

Sobre o autor

Julia Moraes
Julia Moraes
Jornalista e repórter da Vitat. Especialista em fitness, saúde mental e emocional.