Sedentarismo no Brasil: 48,3% de moradores de capitais não se exercitam

Movimento Saúde
06 de Julho, 2023
Livia Yume Tanizaki
Revisado por
Nutricionista • CRN-3 45492
Sedentarismo no Brasil: 48,3% de moradores de capitais não se exercitam

A falta de atividade física é um fator de risco para diversas doenças, como a obesidade, a hipertensão e o diabetes. No Brasil, uma pesquisa mostrou que o sedentarismo não é uma escolha, mas reflexo de problemas sociais que dificulta o movimento.

De acordo com o estudo do Observatório da Atenção Primária da Umane, 48,3% dos brasileiros que moram nas capitais não fazem nenhum tipo de exercício físico. Saiba mais a seguir.

Veja também: Sedentarismo: O que fazer para não ser mais uma vítima

Mulheres são as maiores vítimas do sedentarismo no Brasil

A pesquisa teve base no levantamento da Vigitel (Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico) do Ministério da Saúde de 2021. No recorte de gênero, as mulheres foram as mais afetadas pela falta de movimento — 54,4% contra 42,2% dos homens.

Contudo, ao investigar outros aspectos, como a educação, a incidência é maior entre aqueles que tem menos anos de estudo. Por exemplo, 64,5% dos indivíduos com até oito anos de estudo estão sedentárias.

Em contrapartida, o percentual cai para 47,3% entre pessoas com 9 a 11 anos de escolaridade. Para quem tem acesso à educação formal por 12 anos ou mais, o número despenca: 36,1%.

Ou seja, a falta de recursos à educação pode ser um fator essencial para a conscientização sobre a atividade física. Embora o estudo não explore essa perspectiva, fica subentendido que a educação está relacionada a melhores oportunidades de trabalho e renda.

Como resultado, a ascensão profissional impacta na qualidade de vida e no tempo livre daquele indivíduo, que tem a possibilidade de se cuidar mais.

Idosos precisam se exercitar mais

A maioria das pessoas que convive com o sedentarismo no Brasil é idosa, com 55 anos ou mais. A partir dessa idade até os 64 anos, 56% não realizam nenhum tipo de exercício; dos 65 anos em diante, a inatividade é ainda maior: 63,6%.

Já entre os jovens, a faixa etária mais ativa é dos 18 aos 24 anos, com 35,1% indivíduos sedentários. Entre os jovens adultos, a incidência do sedentarismo é de 43,1%.

As capitais do Brasil que mais sofrem com o sedentarismo 

O estudo ainda detalhou quais capitais brasileiras possuem mais e menos habitantes sedentários. De acordo com o levantamento, as campeãs em falta de atividade física são:

  • Campo Grande (MS): 50,8%
  • Rio Branco (AC): 50,3%
  • Fortaleza (CE): 50,2%
  • Belo Horizonte (MG): 50%

Por fim, as capitais mais ativas são:

  • Florianópolis (SC): 60,7%
  • Vitória (ES): 58,6%
  • Curitiba (PR): 57,3%
  • Aracaju (SE): 56,9%
  • Distrito Federal (DF): 56,7%

Afinal, como incluir a atividade física na rotina?

O hábito de se exercitar pode ser um desafio para muita gente. Falta de tempo, local e cansaço frequente são as principais queixas de quem não consegue fazer uma atividade.

Contudo, qualquer movimento é benéfico para a saúde. Se você acha que precisa frequentar uma academia para começar a se mexer, é hora de rever essa crença.

Segundo as diretrizes Organização Mundial da Saúde, a recomendação é se exercitar pelo 150 a 300 minutos por semana sob intensidade moderada. Por exemplo, uma caminhada mais rápida todos os dias já faz a diferença. Trocar as escadas pelo elevador e andar após o almoço são meios simples de incluir mais exercício na rotina.

Até mesmo pequenas pausas já beneficiam: levante-se com frequência da cadeira ou do sofá e faça pequenas caminhadas dentro de casa ou do trabalho. Se possível, escolha um dia da semana para fazer uma atividade mais longa, como uma aula de dança on-line ou alongamentos.

 

Descubra seu peso ideal. É grátis! Saiba se seu peso atual e sua meta de peso são saudáveis com Tecnonutri.
cm Ex. 163 kg Ex. 78,6

Sobre o autor

Amanda Preto
Jornalista especializada em saúde, bem-estar, movimento e professora de yoga há 10 anos.

Leia também:

montagem com as fotos de Wagner
Saúde

Ele já fez mais de 100 doações de sangue e plaquetas: “dar um pouco da minha saúde para quem precisa”

Conheça a história de Wagner Hirata, que tem as doações de sangue e plaquetas como um de seus propósitos de vida

neuralgia do trigêmeo
Saúde

Neuralgia do trigêmeo: doença que provoca uma das piores dores do mundo

Sintomas de doença são dores muito fortes e rápidas em apenas um lado do rosto, causando sensação de choque ou de um golpe muito forte

Reynaldo Gianecchini
Saúde

Reynaldo Gianecchini revela diagnóstico de doença autoimune

A síndrome de Guillain Barré causa fraqueza e dificuldades para mover os braços e as pernas