Saúde mental no trabalho: um assunto que deve ser discutido

Bem-estar Equilíbrio
05 de Setembro, 2023
Saúde mental no trabalho: um assunto que deve ser discutido

Dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) apontam que no período pré-pandemia (mais especificamente em 2019), cerca de 970 milhões de pessoas ao redor do mundo conviviam com algum tipo de transtorno mental¹. Com o aparecimento do vírus da Covid-19 pouco tempo depois, o cenário piorou: houve um crescimento de aproximadamente 27% nos casos de depressão e ansiedade².

É por isso que nunca foi tão importante falar sobre o assunto, que ainda é rodeado de preconceitos e estigmas – especialmente em ambientes como os corporativos, que tendem a ser mais formais e menos abertos a esse tipo de discussão. Saiba mais a seguir:

Precisamos falar sobre saúde mental no trabalho

A Organização Internacional do Trabalho (OIT) estima que, a cada ano, sejam perdidos 12 bilhões de dias de trabalho devido à depressão e à ansiedade no mundo. Isso custa, em média, quase um trilhão de dólares para a economia mundial³.

Um ambiente pouco saudável, com cargas horárias excessivas, locais insalubres ou perigosos, assédio moral, discriminação e comportamentos negativos, por exemplo, pode contribuir para piorar o bem-estar do indivíduo e levá-lo ao esgotamento (quadro conhecido como burnout)⁴.

Mesmo com todas essas problemáticas, discutir ou divulgar a saúde mental continua sendo um verdadeiro tabu para algumas pessoas. Mas o que fazer para melhorar o convívio dentro do espaço de trabalho e trazer todos para a conversa? A resposta pode envolver iniciativas individuais, coletivas e até corporativas:

1 – O que eu posso fazer a respeito?

Para o médico psiquiatra Dr Felipe Fernandes Lobo, o primeiro passo é conseguir separar as coisas. “Precisamos mudar a maneira como nos vemos no trabalho e como ele faz parte da nossa rotina. E entender que os problemas do trabalho, são do trabalho e nada mais”, explica.

Pode ser difícil no começo, mas praticar o exercício de não deixar os impasses e as questões corporativas tomarem conta de outros momentos da nossa vida pode ser muito importante.

Para isso, vale sempre pedir ajuda. “Você não precisa dar conta de tudo e centralizar todas as tarefas em você. Isso só vai te isolar e sobrecarregar. Tente encontrar meios para expressar da forma certa o que você está sentindo – e abra o diálogo para que outras pessoas também compartilhem suas situações”, indica o profissional.

2 – O que o meu empregador e colegas podem fazer a respeito?

As pessoas ao redor podem ajudar exercendo a chamada escuta empática: o ato de colocar-se no lugar do outro, respeitar o que ele está falando e reconhecer os próprios sentimentos (ou o seu papel) dentro do assunto.

Além disso, proporcionar acolhimento e segurança e repelir quaisquer formas de discriminação e assédio moral é muito importante.

3 – O que a empresa pode fazer a respeito?

A própria OIT possui um manual com diretrizes estratégicas⁵. De acordo com a entidade, o papel das empresas engloba:

  • Prevenir riscos psicossociais: fornecendo um ambiente de trabalho seguro e adequado;
  • Proteger e promover a saúde mental e o bem-estar no trabalho: com canais, campanhas, projetos e treinamentos que falem sobre o assunto e garantam o diálogo;
  • Apoiar colaboradores que estão lidando com possíveis transtornos mentais: permitindo que eles participem e prosperem no trabalho.
Material elaborado em 16/08/2023

Referências:

Leia também:

ator Cauã Reymond segurando um garfo e uma faca e usando um babador
Alimentação Bem-estar

Cauã Reymond mostra jantar saudável com sopa, frango e legumes

Ator compartilhou em suas redes socais o que comeu na noite de Dia dos Namorados (12/06). Confira o jantar de Cauã Reymond

personal ajudando aluno a fazer o exercício crucifixo inclinado na academia
Bem-estar Movimento

Crucifixo inclinado: como fazer corretamente para evitar dores

A posição do banco no crucifixo inclinado faz com que o exercício enfatize bem os músculos do peitoral. Confira o passo a passo

criança nadando na piscina
Bem-estar Movimento

Crianças podem (e devem) fazer natação no inverno!

Prática deve ser contínua mesmo no frio, pois aumenta imunidade e o gasto calórico. Veja os benefícios da natação no inverno para as crianças!