Riscos da creolina em contato com a pele são graves; saiba quais

1 de abril, 2022

Potencialmente perigosa e de ação antibacteriana e desinfetante, a creolina é um produto geralmente utilizado para a limpeza profunda em ambientes veterinários e agropecuários, que possuem maior contato com bactérias e outros agentes infecciosos. Além disso, ela é utilizada como solvente em outros produtos químicos e como veneno de pragas, como ratos. Inclusive, a substância pode ser encontrada em alguns produtos como desodorantes e perfumes em mínimas concentrações. Contudo, os riscos da creolina para a saúde são altos, pois a substância em seu estado “puro” possui alto poder corrosivo. Ou seja, em contato com a pele de pessoas ou animais, pode causar queimaduras graves e outras complicações graves.

Veja também: Conheça as alergias mais comuns e aprenda a cuidar dos sintomas

Riscos da creolina para a pele

No final de março deste ano, um grupo de alunos calouros de uma universidade do Paraná sofreu queimaduras após um banho de creolina dado pelos veteranos. Como resultado, as vítimas sofreram lesões de primeiro e segundo graus, e uma delas desmaiou por ter inalado a substância. Felizmente, ninguém precisou ser internado. Outro caso que ocorreu no início da pandemia foi a notícia falsa que se espalhou sobre a eficácia da creolina como medicamento contra o Covid-19, que gerou repercussão nacional para reforçar os riscos do produto.

Notícias como esta mostram que a falta de noção e conhecimento da população pode custar a vida de um ou mais indivíduos. O manejo irresponsável de agentes químicos como a creolina é capaz de causar a morte, principalmente se houver ingestão do produto. O motivo é que a creolina é uma espécie de ácido que deteriora as mucosas e a pele. Caroline Pereira, médica dermatologista, cita outros riscos da creolina:

  • Náusea, vômitos e desmaio se for inalada.
  • Dependendo do tempo de contato com as vias respiratórias, pode causar problemas no coração, fígado e rins.
  • Queimaduras de diversos graus de acordo com o tempo de contato com a pele.
  • Lesão interna nas mucosas e órgãos se houver ingestão. Em casos graves de intoxicação e queimadura, pode levar à morte.
  • Em contato com os olhos, pode causar lesões na córnea capazes de levar à cegueira.

Como evitar os riscos da substância para a saúde

A princípio, o uso de equipamento de proteção individual (EPIs) é indispensável, sobretudo se o contato com a substância é frequente. No entanto, se a exposição ao componente for acidental, “é recomendado lavar imediatamente a região com soro fisiológico ou água corrente”, recomenda Caroline. Se houver ingestão, vá urgente ao médico e não tome nenhum medicamento por conta própria. Por fim, é importante armazenar produtos químicos e nocivos em locais seguros, longe de animais domésticos e crianças.

Fonte: Caroline Pereira (@dracarolinepereira), médica dermatologista Ministério da Saúde e Fiocruz Bahia.