Quem teve dengue pode tomar a vacina? Quando se imunizar?

Saúde
09 de Fevereiro, 2024
Quem teve dengue pode tomar a vacina? Quando se imunizar?

O número de casos de dengue no Brasil teve uma alta expressiva no começo deste ano. A doença apresentou um crescimento de 252% em todo país, o que fez dois estados declararem situação de emergência – Minas Gerais e Acre. A vacina da dengue está disponível para a população com idades entre 4 e 60 anos, com a imunização tendo início no mês de fevereiro. O imunizante, conhecido como Qdenga, é parte da estratégia do Ministério da Saúde para enfrentar a crise crônica da doença. 

A vacina contém vírus vivos atenuados da dengue. Por isso, ela induz respostas imunológicas contra os quatro sorotipos do vírus da dengue. Mas, quem já teve ou está com dengue pode ficar com dúvidas sobre o momento certo de se vacinar, ou até mesmo se deve ou não se imunizar. 

Quem teve dengue pode tomar a vacina? Quando se imunizar?

Segundo o Ministério da Saúde, quem foi diagnosticado com dengue só pode ser vacinado com a primeira dose seis meses após o início dos sintomas. O esquema vacinal da Qdenga é composto por duas doses, com intervalo de 90 dias entre cada uma. Quem for diagnosticado com a doença no intervalo entre as doses deve manter o esquema vacinal, desde que o prazo não seja inferior a 30 dias em relação ao início dos sintomas.

Pode receber o imunizante quem já teve dengue e também quem nunca foi infectado. Porém, a vacina não é aplicada em casos de pessoas que possuam alergia a outros imunizantes,  imunossuprimidos (com imunidade baixa), gestantes ou em período de amamentação e cidadãos que estejam fora da faixa etária dessa fase inicial.

Leia também: Sintomas de dengue: veja os principais e como evitar a transmissão

Por que a vacina da dengue não inclui idosos 60+?

Embora os idosos acima de 60 anos sejam mais vulneráveis à transmissão da dengue, existe uma justificativa para o grupo ficar de fora. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) não autorizou a vacina por falta de dados sobre a eficácia e segurança para essa parcela do grupo de risco.

Por enquanto, apenas idosos abaixo de 60 anos poderão receber a proteção da Qdenga, pelo SUS ou em clínicas privadas — serviço disponível desde o ano passado.

Contudo, a vacina da dengue para idosos e outras faixas etárias não é a única forma de prevenção. Em comunicado oficial, a ministra da Saúde Nísia Trindade informou que o SUS não terá doses suficientes de uma vez para todos. A razão é que a indústria responsável pela produção da Qdenga possui capacidade limitada para atender à grande demanda.

Além do primeiro lote de 1,3 milhão de vacinas, o Ministério da Saúde adquiriu, ao todo, 5,2 milhões de doses. De acordo com a empresa, a previsão é entregá-las ao longo do ano, até dezembro.

A vacina da dengue beneficiará a população de regiões endêmicas, em 521 municípios.

Como se proteger contra a dengue?

O cuidado com a saúde começa dentro de casa e nos ambientes de convivência. Confira as principais medidas:

  • Não deixe água parada em reservatórios, vasos de plantas, calhas, pneus, garras plásticas, entre outros;
  • Substitua água por areia nos pratos dos vasos de plantas;
  • Mantenha caixas d’água e piscinas cobertas;
  • Evite acúmulo de lixo no seu quintal, nos arredores da casa e mantenha lixeiras trancadas;
  • Faça uma revisão semanal de quintais e áreas abertas que podem conter recipientes que acumulam água;
  • Utilize repelentes e telas antimosquito em casa — principalmente se você mora em áreas próximas de matas, parques e outros locais de concentração de insetos;
  • Por fim, vista roupas que diminuam a exposição da pele durante o dia, período em que os mosquitos estão mais ativos.
Dengue
Estou com dengue, e agora? Baixe o app da Vitat e veja dicas de alimentação, alongamentos e outras recomendações para fazer caso esteja com dengue

Sobre o autor

Redação
Todos os textos assinados pela nossa equipe editorial, nutricional e educadores físicos.

Leia também:

5 fatos sobre a obesidade
Saúde

5 fatos sobre a obesidade que você não sabia

Doença não tem relação com estética e requer tratamento contínuo. Veja esses e outros fatos

hair popping
Saúde

Hair popping: nova técnica de puxar o cabelo promete aliviar dores de cabeça. Veja os riscos

O hair popping já reúne 1,7 milhões de visualizações e reproduções que podem oferecer riscos à saúde

close de uma barriga recebendo uma aplicação de Ozempic
Saúde

“Novo Ozempic” promove perda de gordura até 5 vezes mais rápida

Estudo com novo injetável levou a uma queima de gordura corporal até cinco vezes mais rápida do que remédios como o Ozempic