Qualidade de vida: o que fazer para conquistá-la?

Bem-estar Saúde
01 de Novembro, 2023
Qualidade de vida: o que fazer para conquistá-la?

Viver bem e por muitos anos é um objetivo em comum para a maioria das pessoas. Mas nessa jornada, existem diversos pilares que merecem atenção especial, como bem-estar físico, mental, emocional, além de necessidades comuns como saúde e educação. Quando funcionam em harmonia, esses pilares complementam o que chamamos de qualidade de vida. Saiba mais a seguir. 

Veja também: Vida saudável e ativa na terceira idade: como conquistá-la?

O que significa ter qualidade de vida? 

Para a Organização Mundial da Saúde – OMS, o conceito de qualidade de vida indica a harmonia das pessoas no seu contexto de vida, considerando seus valores e cultura em relação aos seus objetivos pessoais e preocupações. 

Na prática, isso significa que os pilares da vida andam bem, em equilíbrio e harmonia. Além disso, a análise é individual. 

“Qualidade de vida, em uma simples análise, é ter equilíbrio e bem-estar em vários aspectos da nossa vida. “É ter saúde física e mental, se sentir realizado na área profissional, ter relacionamentos saudáveis e aproveitar o tempo livre”, complementa a psicóloga Rosângela Casseano.

Pilares

A qualidade de vida não está restrita a uma área em específico. Na verdade, ela é composta por uma série de pilares fundamentais para o bem-estar individual. Veja alguns deles a seguir: 

  • Saúde, que inclui hábitos alimentares saudáveis e exercícios físicos;
  • Equilíbrio emocional, cuidando da nossa mente e controlando o estresse;  
  • Convívio social, estabelecendo boas relações com as pessoas ao nosso redor;
  • Realização pessoal, buscando atividades e hobbies que nos deem prazer. 

Mas além disso, devemos considerar as questões mais básicas, como a garantia e satisfação das necessidades mais elementares da vida humana: alimentação, acesso à água potável, habitação, trabalho, saúde e lazer (MINAYO, et al., 2000).

Como medir a qualidade de vida? 

Uma das formas de medir a qualidade de vida de maneira generalizada é utilizando o IDH – índice de desenvolvimento humano. Com esse dado, específico de cada região, é possível analisar a qualidade e disponibilidade do acesso à educação, renda e saúde. 

No entanto, é importante considerar que esse índice é geral, mas cada pessoa deve avaliar os aspectos da própria vida. De maneira geral, a qualidade de vida é uma questão difícil de ser medida, já que depende de fatores individuais e que podem sofrer oscilações com o tempo. Mas, a principal forma de avaliá-la é através da reflexão sobre como nos sentimos em relação aos diferentes aspectos da nossa vida.

“Diversos fatores podem contribuir para aumentar a qualidade de vida. Nossa área profissional, por exemplo, é importante, pois passamos boa parte do nosso tempo no trabalho. Um ambiente saudável e satisfatório pode impactar positivamente nossa qualidade de vida. Além disso, ter relacionamentos familiares e de amizade saudáveis também é fundamental para nossa felicidade”, afirma a psicóloga Rosângela.

A importância do estilo de vida

Os hábitos que cultivamos ao longo da vida também têm um grande impacto na qualidade de vida. Isso significa que ter uma alimentação equilibrada, praticar exercícios físicos regularmente e dormir bem são exemplos de bons hábitos que podem melhorar significativamente a qualidade de vida. Além disso, é recomendado evitar o consumo excessivo de álcool e tabaco.

Para o médico endocrinologista Yago Fernandes, a atividade física, a alimentação, o sono e a espiritualidade desempenham um papel essencial  para a qualidade de vida:  

“O exercício físico aumenta a liberação de serotonina, então regula o humor e é o melhor antidepressivo. Eles combatem a depressão muito melhor que antidepressivo”. 

Sono e alimentação

A má alimentação pode levar a problemas emocionais graves, perda de memória, dificuldade de se movimentar, como B2, de vitamina D, então a carência nutricional pode ser um fator que que diminui essa qualidade vida. “Rir, ter humor, tentar extrair o humor das pequenas coisas é uma forma de melhorar a expectativa de vida, o riso também aumenta a liberação de dopamina, faz a gente se sentir melhor”.

Por outro lado, o sono é fundamental para a recuperação do organismo. “O sono é onde começa todo o nosso dia. Então um sono um um uma boa noite de sono melhora o nosso dia e isso entra num ciclo vicioso do bem que deixa a gente com mais disposição, com mais energia durante o dia”, complementa o médico. 

Espiritualidade

Segundo a Sociedade Brasileira de Medicina da Família e Comunidade, a espiritualidade se apresenta como um elemento estruturante da experiência humana. 

“A espiritualidade está ligada a manutenção e fortalecimento da saúde física, mental e social, havendo estudos, cada vez mais qualificados nas últimas três a quatro décadas, apontando benefícios diretos como redução de estresse, ansiedade e depressão, uso de substâncias e tentativas de suicídio, além de melhor qualidade de vida e prognóstico psiquiátrico, bem como aumento da expectativa de vida global em até 7 anos adicionais e diminuição do estresse oxidativo, contribuindo para enfrentamento às neoplasias e doenças degenerativas, como o Alzheimer” aponta a instituição. 

Dicas de ouro para ter mais qualidade de vida

  • Tire um tempo para relaxar e cuidar de si mesmo, praticando atividades que nos deem prazer; 
  • Buscar um trabalho motivador e tire períodos de férias anuais;
  • Priorize ao menos 30 minutos de atividade física por dia;
  • Cultive relacionamentos saudáveis e de apoio; 
  • Alimente-se de forma saudável com, no mínimo, 5 refeições por dia;
  • Ao se expor ao sol, use protetor solar;
  • Busque estar em contato com a natureza;
  • Por fim, estabeleça metas e objetivos para se manter motivado.

“Qualidade de vida não é algo que conquistamos de uma vez só. É uma busca, um desafio constante, um equilíbrio entre diferentes aspectos da nossa vida. Se nós nos cuidarmos, prestando atenção em nossa saúde física e mental, e buscarmos satisfação nas diferentes áreas da nossa vida, caminharemos em direção a uma vida com mais qualidade e bem-estar”, complementa a psicóloga.

Fontes:

  • Dr. Yago Fernandes, médico atuante em endocrinologia do Instituto Nutrindo Ideais e especialista em emagrecimento e hipertrofia. 
  • Rosângela Casseano, Psicóloga, Terapeuta Cognitivo Comportamental, CEO da PsicoPass
  • Maiara Souza, CRN 914273, nutricionista do Art Beauty Center (Uberaba/MG).

Referências:

Sobre o autor

Redação
Todos os textos assinados pela nossa equipe editorial, nutricional e educadores físicos.

Leia também:

Ozempic, Wegovy e Mounjaro
Saúde

Ozempic, Wegovy e Mounjaro: endocrinologista explica diferenças

Como as chamadas "canetas emagrecedoras" atuam contra o diabetes e obesidade?

Mulher grávida ao lado de um médico, que está olhando uma prancheta, explicando as doenças mais comuns na gravidez
Gravidez e maternidade Saúde

7 doenças mais comuns na gravidez e como identificá-las

As alterações da gravidez podem enfraquecer o sistema imunológico da mulher, tornando-a mais propensa a doenças e infecções comuns no período

chá de boldo
Alimentação Bem-estar

Chá de boldo: para que serve, benefícios e como fazer

O chá de boldo é utilizado para tratar uma variedade de problemas digestivos, como má digestão, gases, azia, constipação e diarreia