Pré-eclâmpsia: o que é, sintomas, riscos e tratamento

Gravidez e maternidade Saúde
16 de Agosto, 2023
Pré-eclâmpsia: o que é, sintomas, riscos e tratamento

A pré-eclâmpsia é uma das principais causas de morte materna no mundo todo, segundo a Universidade Federal de São Paulo – UNIFESP. A condição, que afeta de 5 a 10% das grávidas, costuma dar os primeiros sinais a partir da 20º semana de gestação e está relacionada à pressão alta, acima de 140/90 mmHg, ou até 6 meses após o parto. A seguir, entenda os riscos, sintomas e formas de tratamento. 

Veja também: Enxaqueca aumenta risco de pré-eclâmpsia na gravidez

O que é pré-eclâmpsia?

Segundo a médica Mariana Cocuzza, ginecologista e obstetra que integra o corpo clínico do Hospital Albert Einstein, Sírio Libanês e Pro Matre, a pré-eclâmpsia acontece quando a mulher apresenta hipertensão após 20 semanas de gestação e tende a acontecer com mais frequência durante o 3º trimestre.

Por outro lado, a pré-eclâmpsia também envolve a presença de proteína na urina (proteinúria), o que significa que os rins não estão funcionando corretamente

No estágio avançado, a doença pode causar AVC (acidente vascular cerebral) e também pode resultar em restrição do crescimento fetal, o que pode evoluir para parto prematuro e até morte fetal.

Causas da pré-eclâmpsia

Até o momento, as causas da pré-eclâmpsia são desconhecidas. No entanto, a doença pode ter relação com a formação de novos vasos sanguíneos, ainda no início da gestação. Esses vasos são responsáveis pelo oxigênio e envio de nutrientes da mãe para o bebê. Porém, na pré-eclâmpsia, os vasos não se desenvolvem como deveriam, resultando em problemas de circulação e aumento da pressão arterial. 

Embora não existam causas claras, sabe-se que ela é mais comum nos seguintes casos: 

  • Gestantes de primeira viagem;
  • Histórico de hipertensão arterial ou doenças vasculares;
  • Diabetes (desenvolvida na gestação ou não);
  • Idade inferior a 17 anos ou superior a 35;
  • Histórico de pré-eclâmpsia ou eclâmpsia na família;
  • Obesidade;
  • Distúrbios de coagulação;
  • Gravidez múltipla.

Sintomas 

Os sinais de pré-eclâmpsia podem apresentar diferenças, de acordo com o grau de comprometimento. Confira:

Pré-eclâmpsia leve 

  • Inchaço excessivo; 
  • Retenção de líquido acima do normal, acarretando aumento de peso repentino;
  • Pressão arterial alta, entre 140 x 90 e 160 x 110 mmHg;
  • Dor de cabeça.

Pré-eclâmpsia grave

  • Pressão arterial superior a 160 x 110 mmHg;
  • Convulsões;
  • Pouca urina;
  • Dores no estômago;
  • Inchaço;
  • Visão comprometida (turva ou embaçada).

Porém, a Dra. Mariana faz um alerta: “Em muitos casos, a doença pode se apresentar sem sintomas, por isso é fundamental seguir o pré-natal.”

Mas e a eclâmpsia? O que é?

A eclâmpsia se trata de um estágio depois da pré-eclâmpsia, indicando uma forma mais grave da doença que envolve convulsões graves e crises epilépticas que podem ser generalizadas, colocando a vida da mãe e do bebê em risco.

Vale lembrar que os dois quadros estão associados a riscos como insuficiência hepática, coagulação sanguínea, insuficiência renal, parto prematuro e restrição de crescimento fetal. Por isso, a pré-eclâmpsia e a eclâmpsia devem ser acompanhadas de perto por um médico ginecologista, já que implica em uma gravidez de risco.

Tratamento de pré-eclâmpsia: como é feito? 

Em primeiro lugar, a mulher com suspeita de pré-eclâmpsia deve ser levada para uma unidade de pronto atendimento médico. Os sintomas seguidos de exames laboratoriais complementam o diagnóstico, avaliando principalmente a perda de proteína na urina, que é denominada “proteinúria”.

Com relação ao tratamento, a médica ginecologista aponta que as medidas de intervenção podem ir desde repouso, dieta hipossódica — quando se limita o consumo de sal –, medicações anti-hipertensivas e, se necessário, internação hospitalar para controle clínico materno e fetal.

Fonte: Mariana Cocuzza, médica Ginecologista e Obstetra, parte do corpo clínico dos hospitais Albert Einstein, Sírio Libanês e Pro Matre.

Manual MSD

 

Sobre o autor

Tayna Farias
Jornalista e repórter da Vitat. Especialista em gravidez e maternidade

Leia também:

montagem com as fotos de Wagner
Saúde

Ele já fez mais de 100 doações de sangue e plaquetas: “dar um pouco da minha saúde para quem precisa”

Conheça a história de Wagner Hirata, que tem as doações de sangue e plaquetas como um de seus propósitos de vida

neuralgia do trigêmeo
Saúde

Neuralgia do trigêmeo: doença que provoca uma das piores dores do mundo

Sintomas de doença são dores muito fortes e rápidas em apenas um lado do rosto, causando sensação de choque ou de um golpe muito forte

Reynaldo Gianecchini
Saúde

Reynaldo Gianecchini revela diagnóstico de doença autoimune

A síndrome de Guillain Barré causa fraqueza e dificuldades para mover os braços e as pernas