Piodermites: o que são, tipos e tratamento para a doença

14 de janeiro, 2022

Furúnculo, foliculite, celulite bacteriana, erisipela. O que tudo isso tem em comum? Respondemos: tratam-se de piodermites, nome dado para infecções causadas por bactérias e que afetam a pele. Os exemplos citados são os mais comuns, mas existem diversos outros e todos eles merecem bastante atenção. A seguir, aprenda a identificar esses quadros e veja como é possível tratá-los.

Como as piodermites se manifestam?

É importante salientar que os sintomas podem ser diferentes em cada paciente, considerando variáveis como a idade e outras condições de saúde que a pessoa tenha. Contudo, de maneira geral, entre as características mais comuns na região afetada pelas piodermites estão:

  • formação de pus;
  • inflamação;
  • aumento da temperatura da pele;
  • vermelhidão;
  • dor;
  • coceira. 

Quanto mais grave, mais intensos serão os sintomas. E eles também podem variar. Às vezes, por exemplo, não tem pus, mas a vermelhidão é mais intensa e surge uma área endurecida na pele (o que é comum em casos como de erisipela, celulite e abscesso). O paciente ainda pode chegar a ter febre.

Tratamento

Se for uma piodermite leve, o tratamento costuma ser feito com antibiótico oral e medicamentos tópicos locais. Tudo isso será receitado pelo médico após o diagnóstico correto, por isso, ao desconfiar do quadro, procure um dermatologista.

Por outro lado, em casos mais graves, pode ser necessário internação e administração de antibiótico na veia. Quando falamos sobre os tipos mais comuns de piodermites, entre as de maior gravidade que podem demandar esse tratamento estão a celulite e a erisipela. 

Outros tipos

Embora menos comuns, outros tipos de piodermites podem surgir. É o caso, por exemplo, dos abscessos, que se caracterizam como um problema mais intenso de produção de pus pelas bactérias. Eles normalmente aparecem quando uma piodermite não é tratada adequadamente. Assim, aqui é preciso esvaziar o pus, o que é feito muitas vezes por meio de drenagem, pelo médico no hospital.

Já em crianças é mais comum o impetigo, muito visto na região da boca e do nariz, em crostas secas amareladas. Para tratar, pomadas antibióticas costumam ser indicadas.

Leia também: Protetor solar: qual é a quantidade certa para aplicar na pele?

Prevenção contra piodermites

Como as piodermites são causadas por bactérias, a forma de transmissão é, em geral, por contato. Assim, a prevenção passa pela higiene adequada, em especial pela lavagem das mãos: ao tocar em algo que possa estar contaminado ou se tiver contato com um paciente, lave as mãos imediatamente. 

Os especialistas também não recomendam o compartilhamento de objetos pessoais, como roupas, calçados e toalhas, porque pode ocorrer a transmissão de bactérias de uma pessoa para outra. Além disso, faz parte da lista de contraindicações os sabonetes antibacterianos. Embora amplamente disseminados como protetores da pele, eles não contribuem com a prevenção de piodermites.

Por fim, sempre vale reforçar que manter uma saúde adequada é fundamental para se proteger contra as piodermites e outros problemas. E se notar algo estranho na pele, que coça e incomoda, não deixe de ir ao médico!

Fonte: Egon Luiz Rodrigues Daxbacher (CRM 729647 RJ – RQE 15230), coordenador do Departamento de Doenças Infecciosas e Parasitárias da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD).

Sobre o autor

Redação
Redação
Todos os textos assinados pela nossa equipe editorial, nutricional e educadores físicos.