Ômicron: Como a cepa da covid-10 pode afetar a saúde mental

5 de janeiro, 2022

O aumento dos casos confirmados com variante ômicron da covid-19 está afetando cada vez mais a saúde mental de parte da população. Isso porque mesmo com o grande números de pessoas vacinadas, o crescimento da doença tem feito muitas pessoas ficarem preocupadas. Assim, a sensação de medo constante e a insegurança logo no início de um novo ano pode levar ao desenvolvimento de ansiedade e outras doenças mentais. 

Francesco Pellegatta, master trainer em hipnoterapia, acredita que neste momento de incertezas é fundamental utilizar a calma e seguir a lógica para encarar esse novo desafio imposto pela pandemia. “Olhando a situação do Brasil, como um todo, podemos logicamente chegar a conclusão de que a nova variante será enfrentada e contida. Isso não  significa que podemos abandonar as medidas básicas de segurança, e principalmente não podemos nos entregar ao pânico”, afirma.

Ansiedade

Uma pesquisa realizada pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) mostrou que durante a pandemia 80% dos brasileiros se tornaram mais ansiosos. Pois quando as medidas de flexibilização estavam bem avançadas e o isolamento parecia algo do passado, o surgimento da variante ômicron, despertou novamente essa sensação negativa em relação ao futuro.  

De acordo com Francesco, a ansiedade funciona como uma ilusão criada pelo cérebro quando focamos em algo negativo.

“Basicamente a ansiedade funciona assim: as pessoas começam a pensar muito no futuro e imaginam que tudo de ruim irá acontecer. Para resolver essa questão é preciso mudar essa mentalidade. Se penso em tudo de negativo que pode acontecer, isso significa que também tenho a capacidade de focar em tudo de positivo que pode acontecer. Balanceando essas duas representações iremos simplesmente resolver a ansiedade. É óbvio que é necessário fazer uma distinção entre a ansiedade que todos experimentamos ao longo da vida e a patológica. Para a ansiedade generalizada, essa simples dica funciona, mas nos casos patológicos não”, ressalta o especialista.

A Programação Neuro-Linguística (PNL) como um importante aliado 

Francesco ressalta que a Programação Neuro-Linguistica, abordagem psicoterapêutica, pode ajudar promovendo uma grande reflexão mental das pessoas. “A Programação Neuro-Linguística (PNL) pode nos auxiliar no autoconhecimento, a controlar nossa mente e pensamentos. Eu vejo o conhecimento próprio de cada um como um trabalho que todos nós iremos precisar fazer diariamente a partir de agora, para o nosso próprio bem estar. É um absurdo pensar que tudo que aconteceu pode ser simplesmente esquecido. Os traumas chegaram, agora precisamos resolvê-los e fortalecer a nossa mente”, diz.

Atenção ao consumo exagerado de notícias sobre ômicron

Para quem está passando por um momento de instabilidade e preocupação com a ômicron e outras variantes, ler e consumir informações todos os dias é algo que pode gerar desconforto. Pois passar horas se informando sobre esse tema pode causar um aumento na ansiedade.

“O ideal seria usar a nossa mente de forma funcional. Escutar as notícias de maneira crítica é a solução para evitar novas ansiedades e possíveis patologias psicológicas conectadas com a pandemia. Por exemplo, neste momento sabemos que a nova variante é sim mais transmissível e ao mesmo tempo é bem mais leve, por isso é inútil focar no que poderia acontecer de ruim, quando podemos confiar na ciência. Ficar atento ao fato de que essa nova variante tem uma taxa de mortalidade bem inferior e pode acabar se tornando algo não tão preocupante”, explica Francesco.

Leia também: Nossa saúde mental não será a mesma com o fim da pandemia

Pensamento positivo para 2022, mesmo com a ômicron e outras variantes

Mesmo com muitas incertezas, a virada do ano é sempre um momento de refletir e pensar no que se deseja para o início de um novo ciclo. Por isso, criar metas, mentalizar sonhos e pensar de maneira positiva podem ajudar a retirar pensamentos negativos que estejam atrapalhando o seu dia a dia. Francesco Pellegatta dá algumas dicas que podem ser muito úteis nesse início de 2022:

“Estabeleça metas, foque no que quer para os próximo ano, isso é fundamental. Mas faça metas alcançáveis e as escreva em um papel. Isto é, coloque em um lugar que você possa ver diariamente, pode ser na porta da geladeira, no carro, na carteira ou bolsa”, reitera.

“Além disso, quando for escolher a meta principal para 2022, questione se essa meta é também o propósito maior para a sua vida. Porque quando é algo compatível com os nossos ideais, elas agregam muito mais na nossa existência”, finaliza.

Fonte: Francesco Pellegatta, master trainer em hipnoterapia e uma das principais referências internacionais em Programação Neurolinguística (PNL).

Sobre o autor

Redação
Redação
Todos os textos assinados pela nossa equipe editorial, nutricional e educadores físicos.