Jorge Aragão está com câncer raro; o que é o linfoma?

Saúde
17 de Julho, 2023
Jorge Aragão está com câncer raro; o que é o linfoma?

Neste último domingo (17), o cantor Jorge Aragão revelou que está com câncer. A notícia chegou por meio da assessoria do artista, em post no Instagram. De acordo com a nota, o cantor descobriu um linfoma não-Hodgkin ao fazer uma bateria de exames. “O artista iniciará imediatamente seu tratamento e segue confiante”, diz um trecho do texto.

Veja também: Câncer de pulmão aumenta entre mulheres, aponta pesquisa

O que é o câncer do cantor Jorge Aragão?

O linfoma se enquadra em duas classificações: o Hodgkin, mais raro e com maior prevalência em jovens de 15 a 25 anos, com menor escala em adultos de 50 a 60 anos. E o não Hodgkin, igualmente raro e mais frequente em indivíduos com mais de 60 anos, caso de Jorge Aragão.

Apesar da incidência menor, o Instituto Nacional de Câncer (INCA), o número de casos duplicou nos últimos 25 anos — as causas ainda são desconhecidas.

Assim como a leucemia, os linfomas afetam o sistema linfático. No caso do não-Hodgkin, existem três tipos, conforme a célula atingida. O mais comum é o linfoma de células ou linfócitos B, que representa 85% de diagnósticos do não-Hodgkin.

“A boa notícia é o fato de os linfomas terem alto potencial curativo. O diagnóstico precoce é fundamental para alcançar o êxito no processo terapêutico, por isso o esclarecimento à população é essencial”, afirma Mariana Oliveira, oncohematologista da Oncoclínicas São Paulo.

Infelizmente, o êxito do tratamento ainda é um desafio, pois a maioria dos pacientes descobre a condição em estágio avançado.

Sintomas e tratamento

Geralmente, os sintomas são:

  • Dor abdominal.
  • Perda de peso.
  • Fadiga.
  • Coceira no corpo.
  • Febre.
  • Aumento dos gânglios linfáticos (linfonodos ou ínguas, em linguagem popular) nas axilas, na virilha e/ou no pescoço.

Eventualmente, a doença pode acometer órgãos além do sistema linfático. Por exemplo, baço, fígado, medula óssea, estômago, intestino, pele e cérebro.

“As duas categorias – Hodgkin e não-Hodgkin – apresentam outros subtipos específicos, com características clínicas diferentes entre si e prognósticos variáveis. Por isso, o tratamento não segue um padrão, mas usualmente consiste em quimioterapia, radioterapia ou a combinação de ambas as modalidades”, explica Mariana Oliveira.

Em certas situações, terapias alvo-moleculares, que atacam uma molécula da superfície do linfócito doente, podem ser úteis. “Estas proteínas feitas em laboratório atuam como se fosse um ‘míssil teleguiado’ – que reconhece e destrói a célula cancerosa do organismo”, ressalta a médica.

No entanto, dependendo da extensão dos tumores e da eficácia das medicações, pode haver a indicação de transplante de medula óssea.

Com o crescimento gradual de diagnósticos, novas alternativas terapêuticas vêm surgindo para combater os linfomas. Sobretudo para os que não respondem aos tratamentos convencionais.

A especialista fala sobre o autotransplante, tratamento que envolve uma quimioterapia mais intensa seguida pela infusão da medula do próprio paciente. Outra opção é a imunoterapia, que estimula o organismo do paciente a reconhecer e combater as células tumorais.

“De forma bastante simplificada, os imunoterápicos desativam os receptores dos linfócitos. Assim, permite o reconhecimento das células doentes. Isso faz com que o organismo volte a combater o tumor,  sem causar efeitos colaterais comuns a outras medicações”, finaliza Mariana Oliveira.

 

Sobre o autor

Redação
Todos os textos assinados pela nossa equipe editorial, nutricional e educadores físicos.

Leia também:

corrida
Bem-estar Movimento Saúde

Como proteger garganta e ouvidos na corrida durante o inverno

É necessário tomar os devidos cuidados para proteger garganta e ouvidos durante a corrida no inverno. Saiba mais!

5 hábitos saudáveis para enxaqueca
Saúde

5 hábitos saudáveis para enxaqueca

A enxaqueca é uma doença crônica que causa um tipo de dor de cabeça latejante

Mortes por AVC
Saúde

Mortes por AVC podem ser associadas às temperaturas extremas

Mais de meio milhão de pessoas tiveram AVC relacionados às temperaturas extremas – muito calor ou muito frio