Insolação: Causas, sintomas, diagnóstico e tratamento

16 de dezembro, 2021

O verão está chegando e, com ele, vem a possibilidade de programas ao ar livre, usar roupas mais frescas e ir à praia. No entanto, há quem exagere e acabe sofrendo com consequências da exposição solar excessiva sem proteção. Esse é o caso da insolação, que pode vir acompanhada de vermelhidão, dores de cabeça e até mesmo náuseas.   

Ainda que uma das principais causas da insolação seja a exposição prolongada e sem proteção ao sol, ela também pode ser provocada pelo rápido aumento da temperatura do corpo em algumas situações. Por exemplo: a prática excessiva de atividade física, o uso de muitas roupas e um ambiente com muito calor. Assim, com a reação do corpo à alta temperatura, surgem sintomas indicativos de uma insolação, como é o caso de tontura, queda de pressão, mal-estar e dor de cabeça.

Leia também: Melhores exercícios para fazer na praia durante o verão

Além disso, esse tipo de condição também pode gerar outros riscos à saúde, como queimaduras de 2º e 3º grau, desidratação, vômitos e diarreia.   

E o que devo fazer?

Caso tenha alguns desses sintomas, a recomendação é ir imediatamente ao hospital ou a um posto de saúde mais próximo. Lá, o paciente ficará sob supervisão, além de receber hidratação via oral ou soro na veia. Há, também, a possibilidade de receber medicações para controle de dor e náuseas. 

Para casos leves, há algumas dicas que podem ajudar a aliviar o problema: permanecer em um local arejado e usar ventilador ou ar-condicionado para refrescar; aplicar compressas frias sobre o corpo; usar roupas leves; beber bastante água. Além disso, é importante passar um creme hidratante sobre o corpo e tomar um banho com água fria, para ajudar a regular a temperatura corporal e diminuir os riscos relacionados à insolação.   

Dicas e cuidados para evitar a insolação

Veja abaixo como prevenir a insolação nos dias de verão:

  • Aplique a quantidade ideal de protetor solar e reaplique o produto a cada 3 horas, principalmente após mergulhos, molhar a pele ou em casos de sudorese intensa. A pele precisa estar seca na hora da aplicação para que o protetor não escorra; 
  • Mantenha-se hidratado. Use e abuse de água, sucos naturais e água de coco;
  • Evite exposições prolongadas ao sol e calor, principalmente no horário em que a temperatura tende a estar mais elevada: das 10h às 16h;
  • Use roupas leves e de algodão, para facilitar a transpiração;  
  • Evite fazer exercício físico ou qualquer atividade durante os períodos mais quentes do dia;
  • Vale também ressaltar que crianças e idosos são mais sensíveis ao calor e, por isso, têm mais chances de ter esse tipo de problema. Portanto, os cuidados com eles devem ser redobrados.

Fontes: Regislâine Souza Miquelin, especialista em Dermatologia pela Sociedade Brasileira de Dermatologia e Walter Pinheiro, especialista em Dermatologia pela Sociedade Brasileira de Dermatologia.

Sobre o autor

Redação
Redação
Todos os textos assinados pela nossa equipe editorial, nutricional e educadores físicos.