Gengiva branca: o que é, causas e tratamento

20 de junho, 2022

Na hora de escovar os dentes, você já olhou no espelho a cor da sua gengiva? Isso porque, em algumas pessoas, pode aparecer uma alteração que deixa a gengiva branca. Mas por que isso acaba acontecendo?

O aspecto esbranquiçado em volta da boca, na verdade, pode ser um sinal de leucoplasia. Assim, trata-se de uma condição na qual placas ou manchas de cor branca se formam, especialmente na região gengival.

Mas elas também podem acometer outras partes do sistema bucal. Por exemplo, a língua, o interior das bochechas e a base da boca. Como característica principal, a leucoplasia costuma ser resistente e difícil de remover por métodos convencionais, como uma raspagem.

Causas da gengiva branca

Estima-se que os causadores mais comuns da gengiva branca sejam os produtos com tabaco, como cigarros, charutos, cachimbos, narguilés e vapes. Além disso, também pode ser encontrado em pessoas que abusam cronicamente no consumo de bebidas alcoólicas e em pacientes que tiveram próteses mal adaptadas. Em situações raras, há a transmissão via viral.

Em sua maioria, os casos de leucoplasia são benignos. Mas a falta de tratamento, com o passar do tempo, pode resultar em situações mais avançadas de câncer de boca ou na língua, junto às placas esbranquiçadas.

Sintomas

O sintoma mais recorrente, como o próprio nome sugere, é a formação das manchas bucais brancas, independentemente da textura e do tamanho. Contudo, algumas pessoas chegam a apresentar lesões avermelhadas, que levam o nome de eritroplasias. Nesses casos, a decorrência do câncer de boca pode ser maior.

Leia também: Como a saúde bucal influencia na saúde emocional

Tratamento para a gengiva branca

Antes de mais nada, é imprescindível consultar um dentista para que ele possa fazer o diagnóstico mais assertivo do que está por trás da gengiva branca, em especial se for um caso avançado. Por isso, uma conversa prévia com questionário dos hábitos do paciente é o primeiro passo para compreender o problema de saúde.

A partir disso, o profissional realizará um exame de biópsia para avaliar a origem mais provável do branqueamento gengival. Apenas depois pode ser indicado um procedimento cirúrgico para remoção, além do uso de medicamentos controlados para aliviar os sintomas.

Também é importante manter uma escovação, ao menos, três vezes ao dia, com uso frequente de fio dental, para deixar a gengiva saudável. Vale ressaltar ainda que deve-se evitar o uso de álcool e produtos com tabaco para que a condição não avance ou volte a ocorrer.

Fonte: Dra Juliana Brasil cirurgiã dentista, especialista em Estomatologia da Clinonco.

Sobre o autor

Redação
Redação
Todos os textos assinados pela nossa equipe editorial, nutricional e educadores físicos.