Exame adenosina deaminase – ADA: o que é e como ele é feito?

16 de maio, 2022

Você já ouviu falar no exame adenosina deaminase, ou ADA? Ele é indicado para doenças bastante específicas ligadas ao pulmão e ao fígado. Mas, serve principalmente para detectar a presença de tuberculose meníngea. Que é considerado um grave e silencioso problema de saúde.

Essa doença ocorre por meio de uma tuberculose não tratada de forma adequada. E que acaba causando uma infecção nas membranas que envolvem o cérebro (as meninges). Contudo, como a detecção dessa atividade interna nem sempre parece ser tão simples, é importante realizar um teste. Capaz de auxiliar na detecção, e é aí que entra o ADA.

Como ele é feito?

No exame adenosina deaminase, o paciente passa por uma análise de soro e de alguns líquidos, como é o caso do líquido pleural (a famosa água no pulmão) e o fluido peritoneal (presente na membrana que protege os órgão do abdômen, como o fígado, e da pélvis).

Assim, a partir da extração desses líquidos, o exame irá apontar a dosagem total de uma enzima que está presente de forma orgânica no corpo. Para saber se ela consegue aumentar a velocidade de reação ou não de duas substâncias importantes na defesa do nosso organismo: a adenosina e a inosina.

Dessa maneira, ao identificar esses dois componentes, o teste analisa se eles estão realmente participando do processo de diferenciação e proliferação dos linfócitos, que são as células naturais de defesa do organismo. 

Na análise, caso os níveis da ADA estejam elevados, isso quer dizer que eles são indicadores indiretos da tuberculose meníngea, ou ainda de alterações na região pericárdica e peritoneal, como hepatites agudas.

Exame adenosina deaminase: quem deve fazer

Na maioria dos casos, o exame adenosina deaminase é recomendado para pessoas com suspeitas de tuberculose meníngea, ou com possíveis problemas de doenças respiratórias. Além disso, hepatites, cirroses, fibroses e sarcoidoses.

Assim, para isso, o paciente deve seguir as orientações médicas apropriadas em relação à periodicidade e necessidade de se realizar esse exame. 

Mas, em relação ao preparo que antecede o exame ADA, não é necessária nenhuma condição prévia. Apenas as indicações de acordo com cada laboratório. Já no caso do jejum, a recomendação varia de acordo com o laboratório, podendo ser de zero a quatro horas.

Os resultados saem, em média, em até dois dias úteis, dependendo mais uma vez do local. Por fim, vale ressaltar que há a possibilidade de saírem falsos-negativos. Por isso, apenas a consulta médica poderá identificar os resultados do exame.

Leia também: FSH: o que é, para que serve e porque fica alto ou baixo

Fonte: Mayara Alves, biomédica e coordenadora técnica do Grupo Sabin Medicina Diagnóstica (Campinas). CRBM1 – 47041

Sobre o autor

Redação
Redação
Todos os textos assinados pela nossa equipe editorial, nutricional e educadores físicos.