São Paulo decreta estado de emergência para dengue

Saúde
05 de Março, 2024
São Paulo decreta estado de emergência para dengue

O governo de São Paulo decretou estado de emergência para o surto de dengue. A decisão anunciada nesta manhã (5/3), foi tomada pelo Centro de Operações de Emergências (COE), grupo coordenado pela Secretaria Estadual da Saúde, e acontece no momento em que o estado atingiu 311 casos para cada grupo de 100 mil habitantes nos últimos dias, registrando 31 mortes confirmadas pela doença. Além disso, outros 122 óbitos estão em investigação. 

A Organização Mundial da Saúde – OMS, define que a incidência de 300 casos por 100 mil habitantes indica um quadro epidêmico, indicando a necessidade de registrar estado de emergência. 

Com a declaração, o estado de São Paulo receberá mais recursos do Ministério da Saúde para combater a doença sem a necessidade de licitações, além de atrair mais visibilidade para o tema. Até o momento, Acre, Distrito Federal, Espírito Santo, Goiás, Rio de Janeiro, Santa Catarina e Minas Gerais decretaram situação de emergência para dengue neste ano. 

Estado de emergência: surto de dengue no Brasil 

O número de casos de dengue vem aumentando no Brasil desde 2022. De lá pra cá, a escalada de infecções só cresceu, resultando em 1.904 mortes só em 2023. Na última quinta-feira, o Brasil ultrapassou 1 milhão de casos de dengue nos primeiros meses de 2024.

A previsão do Ministério da Saúde, no entanto, é de que o cenário pode piorar, já que as previsões estimam que o país pode chegar ao recorde de 4,2 milhões de casos em 2024. 

Prevenção 

De acordo com informações do Ministério da Saúde, cerca de 75% dos focos do Aedes aegypti estão dentro dos domicílio. Além disso, o período de chuvas e de calor intenso é propício para a proliferação do mosquito, já que ele se multiplica em espaços úmidos e quentes. 

A prevenção contra o mosquito, no entanto, começa com tarefas simples dentro de casa. É importante prestar muita atenção em recipientes úmidos, afinal, o Aedes aegypti costuma colocar seus ovos nestes locais. Para isso, observe com atenção os quintais, evitando o acúmulo de água em pneus, calhas, vasos, pratos de plantas, caixas d’água descobertas, entre outros.

“O mais importante é compreender que combater o Aedes aegypti é um dever de todos e que começa dentro de casa. Vale ressaltar, ainda, que se houver necessidade de armazenamento de líquidos, deve-se ter o cuidado de não deixar os reservatórios destampados, para evitar que o mosquito coloque ovos dentro deles”, afirma o médico patologista Alex Galoro.

Veja também: Vacinação contra dengue começa em fevereiro. Veja público-alvo

Sintomas

Após a picada pelo Aedes aegypti, os sintomas tendem a surgir nos primeiros dias. Fique atento aos seguintes sinais:

  • Febre;
  • Dor nos olhos;
  • Mal-estar.

Caso os sinais surjam, é necessário buscar orientação médica. E se a doença for confirmada, é preciso seguir as recomendações dos médicos. Além disso, é muito importante não se automedicar. Alguns medicamentos podem potencializar problemas de coagulação causados pela dengue — gerando, assim, chances de sangramentos, queda na pressão e até morte.

Por fim, também é possível realizar testes para confirmar o diagnóstico do vírus, sendo alguns deles o PCR Combo, teste rápido para antígeno e anticorpos (NS1, anticorpos IgC e IgM) e também o PCR.

Sobre o autor

Tayna Farias
Jornalista e repórter da Vitat. Especialista em gravidez e maternidade

Leia também:

dores nos glúteos e problemas na coluna
Saúde

Dores nos glúteos sinalizam problemas na coluna, diz especialista

Pesquisa aponta problemas na coluna como uma das principais causas de afastamento do trabalho

benefícios da banana
Alimentação Bem-estar Saúde

10 benefícios da banana que provavelmente você não conhece (mais receitas)

A banana é amiga do intestino, além de ser eficiente na prevenção de cãibras. Veja outros benefícios da fruta!

perda muscular
Bem-estar Movimento Saúde

Perda muscular compromete a recuperação do paciente  

A sarcopenia, a perda de massa muscular e da força, aumenta o risco de complicações em diversos quadros