Doença Trofoblástica Gestacional: o que é, sintomas e tratamento

Gravidez e maternidade Saúde
14 de Outubro, 2022
Doença Trofoblástica Gestacional: o que é, sintomas e tratamento

A doença trofoblástica gestacional é uma condição que atinge gestantes e mulheres que deram à luz recentemente. Assim, como o nome sugere, ela atinge a região do trofoblasto, que é a camada de tecido que reveste a placenta do bebê e que nutre o embrião ao longo dos meses de gravidez.

Um dos sintomas mais comuns é o crescimento anormal do trofoblasto, que pode acabar resultando em tumores benignos ou malignos. Dessa maneira, os benignos incluem condições como a mola hidatiforme, ou gravidez molar, enquanto os malignos podem causar o que os médicos chamam de coriocarcinoma.

Leia também: Hilary Swank anuncia gravidez de gêmeos aos 48 anos

Fatores de risco

Não existe uma causa específica para a doença trofoblástica gestacional, uma vez que acontecem ainda na meiose ou mitose do embrião. Mas sabe-se que ela costuma ser mais incidente em gestantes que estão entre a décima e a décima sexta semana de gravidez.

Geralmente, acomete mulheres que estão nos extremos gestacionais, ou seja, abaixo dos 20 anos e acima dos 35 anos de idade. Por fim, gestantes que já tiveram algum tipo de doença trofoblástica possuem de 1% a 2% de terem uma condição similar na segunda vez em que engravidarem.

Sintomas da Doença Trofoblástica Gestacional

O indício mais comum em gestantes com doença trofoblástica gestacional é um crescimento anômalo, que pode ou não ser visível externamente. Porém, outros sintomas também são corriqueiros, incluindo náuseas e vômitos.

Devido às alterações hormonais, muitas mulheres ainda relatam que sentem inchaços, sangramentos, hipertensão arterial, pré-eclâmpsia e, em casos mais graves, a própria eclâmpsia.

Diagnóstico e tratamento

O diagnóstico da doença trofoblástica gestacional é feito ainda no exame de ultrassom, que indica as primeiras suspeitas. Posteriormente, o obstetra pode pedir uma biópsia ou um exame anatomopatológico.

Com os resultados dos exames, o médico irá indicar o tratamento de acordo com o tipo de doença que a paciente tem. Se for a gravidez molar completa, se faz apenas uma aspiração ou curetagem para esvaziar o útero. 

Na gravidez molar parcial ou incompleta, espera-se o óbito do embrião (quando existente) para esvaziar o útero. Já em casos como o coriocarcinoma ou um tumor trofoblástico, é preciso fazer cirurgia de retirada do útero, trompas e até mesmo dos ovários às vezes. Esses últimos podem vir acompanhados de quimioterapia ou radioterapia.

Vale ressaltar que não existem medidas preventivas, uma vez que não se conhece a causa da doença. O mais importante é seguir o tratamento supervisionado com seu médico, que pode levar de seis meses a um ano para ser concluído.

Fonte: Karen Rocha de Pauw, médica ginecologista, obstetra e especialista em reprodução humana. Formada em Medicina na Universidade Federal de Uberlândia, especialista pela AMB e FEBRASGO. 

Sobre o autor

Redação
Todos os textos assinados pela nossa equipe editorial, nutricional e educadores físicos.

Leia também:

mulher se consultando com um médico
Bem-estar Saúde

Preparação para a bariátrica vai além dos exames e envolve mudanças de vida

Antes de entrar no centro cirúrgico, o candidato à cirurgia bariátrica percorre um caminho de preparação que promete mais do que a perda de peso: uma

tempo em frente às telas
Alimentação Bem-estar Equilíbrio Saúde

Maior tempo em frente às telas está associado à piora da dieta de adolescentes

Pesquisa brasileira avaliou dados de 1,2 mil adolescentes e constatou que a maioria gasta mais de 2 horas de tempo em frente as telas

bebê pode comer camarão
Alimentação Bem-estar Gravidez e maternidade

Bebê pode comer camarão? Pediatra explica

Crianças podem ser introduzidos a frutos do mar a partir dos 6 meses de idade, segundo a SBP