Qual é a melhor dieta para a saúde mental?

18 de dezembro, 2019

Especialistas têm estudado cada vez mais os efeitos da dieta para a saúde mental. Muitos deles notaram que quem segue uma dieta ocidental padrão, que inclui alimentos altamente processados ​​e açúcares adicionados, têm maiores riscos de desenvolver ansiedade e depressão.

A dieta pode ajudar na saúde mental?

A psiquiatria nutricional, que alguns chamam de psiconutrição, é um novo campo de estudo que se volta para o efeito da dieta na saúde mental. Assim, um artigo do Proceedings of Nutrition Society revisou o corpo de análises existentes sobre dieta, nutrição e saúde mental.

Desse modo, a pesquisa sugere que quanto mais a pessoa segue uma dieta ocidental, com seus alimentos altamente processados, maior o risco de sofrer de depressão e ansiedade. 

Pesquisadores do Instituto de Psiquiatria do King’s College, em Londres, no Reino Unido, investigaram exatamente como a nutrição pode afetar a saúde mental. Com isso, eles concentraram sua pesquisa nos efeitos da dieta no hipocampo.

O hipocampo é uma área do cérebro que gera novos neurônios em um processo chamado neurogênese. Assim, o estudo ligou a neurogênese no hipocampo ao humor e à cognição de uma pessoa.

Experiências estressantes reduzem a neurogênese no hipocampo, enquanto os antidepressivos parecem promover esse processo.

Fatores que podem afetar negativamente a neurogênese em adultos incluem:

  • Envelhecimento;
  • Dietas ricas em gordura;
  • Álcool;
  • Opioides.

Alimentos e hábitos saudáveis ​​parecem promover a neurogênese. Esses incluem:

  • Dietas que incluem ácidos graxos poliinsaturados, curcumina e polifenois;
  • Alimentação que atenda às necessidades calóricas sem que uma pessoa coma demais ou menos;
  • Exercício físico.

Então, qual a melhor dieta para a saúde mental?

Entre os planos de alimentação comuns, a dieta mediterrânea tem a evidência mais forte de que apoia a capacidade de reduzir os sintomas da depressão e outros problemas relacionados à saúde mental. Além disso, é também uma metodologia que os especialistas recomendam rotineiramente para a saúde e o bem-estar em geral.

Portanto, os compostos da dieta mediterrânea que têm relação com taxas mais baixas de depressão incluem:

  • Ácidos gordurosos de ômega-3;
  • Metilfolato;
  • S-adenosilmetionina.

Alimentos da dieta mediterrânea

A dieta mediterrânea tem como base um consumo muito maior de alimentos naturais. Principalmente os de origem vegetal, como azeite, soja, ovos e leite. Assim, a metodologia faz com que o consumo de produtos processados seja menor. Portanto, nada de alimentos prontos, pois eles costumam ter altos índices de açúcar refinado, gorduras saturadas e trans, além de aditivos artificiais.

Na dieta mediterrânea você pode comer:

  • Muitas frutas e legumes;
  • Grãos integrais;
  • Batatas;
  • Cereais;
  • Feijões e leguminosas;
  • Oleaginosas e sementes;
  • Azeite;
  • Quantidades de baixa a moderada de produtos lácteos, peixes e aves;
  • Ovos até quatro vezes por semana;
  • Quantidades baixas a moderadas de vinho.

Leia também: Dieta das Zonas Azuis: O que comer para viver mais

Sobre o autor

Redação
Redação
Todos os textos assinados pela nossa equipe editorial, nutricional e educadores físicos.