Conheça a dieta escandinava, apelidada de “a mais fácil do mundo”

22 de junho, 2021

Uma dieta simples e fácil de adotar é o sonho de consumo de muita gente. Pois é exatamente isso o que a dieta escandinava promete. Apesar de não ser tão famosa aqui no Brasil, ela propõe um jeito diferente de medir as suas refeições — em vez da tradicional contagem de calorias. Ficou curioso? Confira, então, tudo sobre ela a seguir:

Como surgiu a dieta escandinava

Alguns registros falam que a dieta mais fácil do mundo, como ficou conhecida, surgiu em 2004, após a publicação do New Nordic Kitchen Manifesto (Manifesto da Cozinha Nórdica, em tradução livre), assinado por um grupo de renomados chefs de países nórdicos, como a Dinamarca, Noruega e Finlândia. Não à toa: por lá, os níveis de obesidade estão entre os mais baixos do mundo.

Contudo, foi somente com o lançamento do livro The Scandi Sense Diet, escrito pela nutricionista e diretora de uma empresa de biotecnologia Suzy Wengel, que a dieta escandinava ganhou destaque. A própria autora afirma que perdeu mais de 36 quilos em 9 meses de método.

Como funciona a dieta mais simples do mundo

Para adotar a estratégia, você precisa de algo essencial: a sua mão! Isso porque as porções são mensuradas em “punhados”, ou “mãozadas”, como você preferir chamar. Na dieta escandinava, você pode fazer três refeições diárias, mas deve sempre prestar atenção para incluir:

  • Dois punhados de vegetais;
  • Um punhado de proteínas;
  • Um punhado de carboidratos;
  • De duas a três colheres de gorduras ou laticínios.

O total, então, são no máximo quatro punhados de comida, mas quais alimentos escolher fica a seu critério. O que significa que você consegue adaptar essa alimentação caso seja vegetariano, vegano, ou possua alguma intolerância.

Leia também: Dieta nórdica: Conheça uma forma saudável de emagrecer

Vantagens da dieta escandinava

A estratégia possui algumas vantagens quando comparada a outras dietas. A maior delas é não utilizar a contagem de calorias (ou pontos) para determinar o que uma pessoa pode comer no dia.

Desse modo, prioriza-se a qualidade do cardápio em detrimento da quantidade: uma fatia de bolo, por exemplo, pode até ter o mesmo valor calórico de um prato cheio de frutas, vegetais e peixe. Mas, com certeza, é muito mais pobre nutricionalmente falando.

Além disso, esse plano alimentar permite álcool e guloseimas, desde que de forma equilibrada. O que é muito importante para a manutenção do peso a longo prazo, visto que dietas muito restritivas tendem a ser mais difíceis de serem mantidas.

Por fim, a dieta escandinava é extremamente flexível. O que significa que se você não está com muita fome no café da manhã, pode economizar um dos seus punhados de carboidratos para utilizá-lo no almoço.

Desvantagens da dieta escandinava

Contudo, especialistas já encontraram algumas inconsistências no método. Por exemplo, não há distinção entre os macronutrientes, o que significa que tanto o abacate quanto a margarina são considerados gorduras na dieta — mas todos sabemos que os dois alimentos impactam a nossa saúde de formas bem diferentes.

Sem contar que apesar de parecer simples, a execução do plano pode ser complicada para os iniciantes. Isso porque certos ingredientes, como o feijão e a farinha de amêndoas, contêm mais de um macronutriente (proteína e carboidrato no primeiro caso, e proteína e gordura no segundo). E aí, podem surgir dúvidas sobre onde incluí-los

Como saber se ela é a certa para você

Se você está à procura de uma dieta fácil, não lida bem com restrições e se preocupa em ingerir o máximo de nutrientes necessários ao organismo, a escandinava pode ser uma boa opção.

Entretanto, é sempre bom lembrar que qualquer mudança na alimentação precisa de acompanhamento profissional. Portanto, consulte seu médico antes para saber se a estratégia é a mais adequada.