Dieta da serpente: Entenda o polêmico método

27 de setembro, 2019

Quem deseja emagrecer está sempre em busca de novos caminhos, e a dieta da serpente é uma das metodologias recém-divulgadas que prometem derrubar os ponteiros da balança em pouco tempo. 

Tal plano, também chamado de dieta da cobra, promove jejuns prolongados, interrompidos por uma refeição única. Como a maioria das dietas da moda, promete resultados rápidos e drásticos.

A dieta serpente promove-se não como uma dieta restritiva, mas como um estilo de vida centrado no jejum prolongado.

Fundada na crença de que os humanos historicamente sofreram períodos de fome, ela argumenta que o corpo humano pode se sustentar em apenas uma refeição, algumas vezes por semana.

Foi inventada pelo americano Cole Robinson, que se autodenomina treinador de jejum, mas não possui qualificação ou formação em medicina, biologia, nutrição ou qualquer área da saúde.

A metodologia envolve um jejum inicial de, no mínimo,  48 horas – suplementado com Snake Juice (suco de cobra), uma bebida eletrolítica. Após esse período, há uma janela de alimentação de 1-2 horas antes do início do próximo jejum.

Cole Robinson afirma que, uma vez atingido o objetivo, é possível continuar entrando e saindo de jejuns, sobrevivendo a uma refeição a cada 24-48 horas.

Como seguir a dieta da serpente

Embora possa superficialmente se assemelhar ao jejum intermitente, a dieta da serpente é muito mais extrema.

Seu criador definiu várias regras para a dieta em seu site e canal no YouTube. O plano depende muito do suco de cobra, que pode ser comprado na página oficial ou feito em casa. Os ingredientes são:

  • 8 xícaras (2 litros) de água
  • 1/2 colher de chá (2 g) de sal rosa do Himalaia
  • 1 colher de chá (5 g) de cloreto de potássio sem sal
  • 1/2 colher de chá (2 g) de sais de Epsom

As diretrizes de dosagem não existem para a versão caseira, mas está limitada a três pacotes de mistura de eletrólitos em pó por dia para o produto comercial.

O plano também indica a ingestão de, no máximo, 3,5 mil calorias por semana.

Para se ter uma ideia, a pirâmide alimentar brasileira recomenda, em média, o consumo de 2 mil calorias por dia, o que significa que as pessoas que fazem a dieta da cobra correm o risco de privação calórica grave.

Leia também: Jejum Intermitente: O que é, como fazer e quais os benefícios

Quando atingido o objetivo de peso, a dieta recomenda 8,5 mil calorias por semana (distribuídas em 5 refeições semanais) para mulheres e 20 mil calorias por semana (em um total de 3 dias de alimentação) para homens.

Durante toda a dieta, você deve medir a cetose com uma tira de urina. A cetose é um estado metabólico que resulta da fome, do jejum prolongado ou de uma dieta baixa em carboidratos e rica em gorduras. 

Durante a cetose, seu corpo queima gordura para obter energia em vez de glicose (açúcar no sangue).

A dieta é dividida em três fases.

Fase 1

A fase 1 é o jejum inicial para os recém-chegados à dieta. Nesta fase, a intenção é alcançar e manter a cetose.

O jejum inicial deve durar pelo menos 48 horas e é complementado com quantidades não especificadas de vinagre de maçã e suco de cobra.

Então, você poderá comer em uma janela de 1-2 horas – embora a variedade seja considerada sem importância e não haja diretrizes sobre o que comer ou evitar – antes de pular em um jejum mais longo de 72 horas, seguido por uma segunda janela de alimentação. O objetivo aqui é “desintoxicar o fígado”. 

Fase 2

Durante a segunda fase, você percorre longos jejuns de 48 a 96 horas, divididos por refeições únicas. Você deve jejuar até não poder mais – o que pode representar vários riscos à saúde.

Você deve permanecer nessa fase até atingir o peso desejado.

Fase 3

A última fase é o momento da manutenção e envolve ciclos rápidos de 24 a 48 horas, intercalados por refeições únicas. Você é instruído a ouvir os sinais naturais de fome do seu corpo durante esta fase.

Leia também: Fitness x Wellness: Você sabe a diferença?

Dieta da serpente emagrece?

Jejuar e restringir calorias levam à perda de peso, porque o corpo é forçado a gastar os estoques de energia. Normalmente, o corpo queima gordura e massa muscular magra para manter os principais órgãos nutridos e sobreviver.

Como a dieta cobra não repõe as perdas com alimentos, ela resulta em um rápido e perigoso emagrecimento. 

Em jejum, você geralmente perde cerca de 900 gramas por dia durante a primeira semana e depois 300 gramas por dia na terceira semana. 

Porém, pesquisas mostram que seguir uma dieta saudável e equilibrada e praticar bastante atividade física são os determinantes mais importantes para a saúde.

Por se basear principalmente na fome prolongada, a dieta da serpente faz pouco para promover uma alimentação saudável ou para conter comportamentos prejudiciais que podem ter levado a um ganho de peso indesejado.

Além disso, o corpo precisa de ingestão regular de alimentos para atender às necessidades de nutrientes e energia.

Nutrientes essenciais, como vitaminas, proteínas e gorduras, devem vir dos alimentos, pois o corpo não pode produzi-los. Assim, o jejum de longo prazo pode pôr em risco a saúde e aumentar o risco de uma série de doenças.

Desvantagens

A dieta da cobra está associada a inúmeras desvantagens.

Promove uma relação prejudicial com a comida

A metodologia promove uma relação prejudicial com a imagem corporal e alimentar.

Seus vídeos endossam o jejum “até você sentir a morte” – o que pode ser extremamente perigoso, especialmente para pessoas com distúrbios alimentares ou condições que afetam o controle do açúcar no sangue, como resistência à insulina ou diabetes.

Muito restritiva

O corpo precisa de diversos tipos de nutrientes para sobreviver, mesmo que você seja sedentário.

Mas, essa dieta desvaloriza a variedade alimentar e fornece poucas diretrizes nutricionais. 

Em seus vídeos no YouTube, o criador promove jejuns secos ocasionais, que restringem completamente alimentos e líquidos, incluindo água. Não está claro em que momento ou por quanto tempo esse método deve ser usado.

Como exige comer muito pouco e irregularmente, aumenta o risco de desidratação e inanição. 

Insustentável

Como muitas dietas restritivas, a dieta da cobra é insustentável.

Em vez de incentivar mudanças no estilo de vida saudável, exige uma restrição alimentar prolongada que não é apoiada por pesquisas científicas.

Por fim, o corpo não pode sobreviver com uma dieta construída em torno da fome.

Perigosa

A dieta da serpente não é apoiada por evidências e é incrivelmente insegura.

Embora Robinson afirme que o suco de cobra atenda a todas as necessidades de micronutrientes, cada pacote de 5 gramas fornece apenas 27% e 29% dos valores diários (DVs) para sódio e potássio, respectivamente.

Notavelmente, o corpo precisa de cerca de 30 vitaminas e minerais diferentes dos alimentos. 

O jejum de longo prazo pode levar a desequilíbrios eletrolíticos e deficiências nutricionais.

Sobre o autor

Redação
Todos os textos assinados pela nossa equipe editorial, nutricional e educadores físicos.