“É impossível ser feliz sozinho”: cultivar relacionamentos está entre os segredos para viver mais

Bem-estar Equilíbrio Saúde
18 de Março, 2024
“É impossível ser feliz sozinho”: cultivar relacionamentos está entre os segredos para viver mais

Viver mais e melhor. Afinal, quem não quer? Mas alcançar a longevidade está longe de ser um acontecimento raro. De acordo com um estudo publicado no International Journal of Environmental Research and Public Health, a maneira como vivemos é responsável por 80% das nossas chances de alcançar a longevidade. Já o perfil genético entra na conta com apenas 20%.

Ou seja, boa parte das chances está em nossas mãos. A fórmula para viver mais não é complexa, mas pode envolver fatores não óbvios como cultivar relacionamentos.

“É impossível ser feliz sozinho”

Indo na direção contrária da longevidade, um estudo realizado pelo Instituto Gallup e a Meta — dona de WhatsApp, Facebook e Instagram –, revelou que quase ¼ das pessoas em todo o mundo se sentem sozinhas. A pesquisa, que consultou 142 países, revelou que 24% da população se declara muito ou razoavelmente sozinho.

O conceito de solidão é definido como um sentimento negativo e doloroso ou como a experiência emocional aversiva, individual e privada de que as relações sociais disponíveis são insuficientes para satisfazer as necessidades ou para proporcionar o grau de intimidade emocional desejada pelo indivíduo.

E para a ciência, a falta de conexões pode sim diminuir as chances de viver mais. Isso porque sentir-se sozinho e sem ter com quem contar pode ter um impacto negativo na qualidade de vida do indivíduo. A solidão pode levar ao isolamento social, aumentar o risco de problemas de saúde mental, como ansiedade e depressão, e até mesmo afetar a saúde física, expandindo o risco de doenças cardiovasculares, hipertensão, diabetes e infecções.

Além disso, a depressão (em consequência da solidão) pode levar à perda de autonomia e agravamento de comorbidades, especialmente na fase idosa. 

Leia também: 8 hábitos para uma vida longa e saudável, de acordo com a ciência

Solidão na terceira idade é ainda mais perigosa

Um estudo da ELSI Brasil (estudo longitudinal da saúde dos idosos brasileiros) publicado em 2023 revela que o sentimento de solidão intensa é mais frequente entre idosos de 80 anos ou mais, quando comparados aos idosos mais jovens.

Os resultados da análise também comprovaram que a solidão nessa fase está frequentemente ligada à perda de relações sociais resultante de condições e eventos adversos da vida, de ocorrência comum nessa faixa etária, tais como morte de cônjuge, parentes e amigos e problemas de saúde física e mental que limitam a mobilidade. 

Dessa forma, idosos teria mais dificuldade em alcançar de forma satisfatória suas expectativas em relação às suas relações interpessoais e em compensar o sentimento de solidão por apresentar mais limitações físicas e por vivenciar mais perdas sociais que os adultos mais jovens, dificultando seu engajamento em novas atividades e a construção de novas relações.

Veja também: Vida saudável e ativa na terceira idade: como conquistá-la?

Desafios para cultivar relacionamentos

“Viver em comunidade e manter laços familiares e de amizade desempenham um papel fundamental na longevidade. Mas a verdade é que pode ser difícil manter esses laços ao longo da vida devido a diversos fatores, como a correria do dia a dia, o trabalho e as prioridades pessoais e o egoísmo que cada vez mais tem se manifestado nas pessoas”, diz a psicóloga Rosângela Casseano.

Ela explica que os avanços tecnológicos também têm peso na conta da solidão, o que somado ao egoísmo, favorece uma vida mais fechada e restrita. Na prática, isso significa que as pessoas levam a dedicar mais tempo às suas próprias responsabilidades profissionais e pessoais, deixando pouco tempo e energia para investir em relacionamentos significativos.

A distância geográfica, a falta de tempo livre e as diferenças de interesses e estilos de vida também podem contribuir para o afastamento das pessoas.

Propósito, pertencimento e afeto

Ainda com todos os desafios para cultivar relacionamentos, faz parte da natureza humana o desejo de viver em comunidade e está entre os pilares da longevidade porque os relacionamentos sociais têm um impacto positivo na saúde física e mental. 

Ter uma rede de apoio social fortalecida pode reduzir o estresse, promover o bem-estar emocional e até mesmo aumentar a expectativa de vida. Assim, a conexão com os outros nos proporciona suporte emocional, senso de pertencimento e um propósito de vida.

Dicas para cultivar relacionamentos

A seguir, confira as dicas da psicóloga de como manter uma vida mais sociável, mesmo em cenários difíceis: 

  • Priorize: Reserve tempo regularmente para se conectar com sua família e amigos. Faça disso uma prioridade em sua vida. Mesmo com preguiça, dê essa chance para você e para os seus.
  • Mantenha o contato: Utilize a tecnologia para manter contato com pessoas queridas, mesmo à distância. Ligar, enviar mensagens ou fazer videochamadas podem ajudar a reduzir a sensação de distanciamento.
  • Participe de grupos ou atividades: Engaje-se em atividades ou grupos com interesses semelhantes aos seus. Isso pode facilitar a formação de novos relacionamentos e aumentar as oportunidades de interação social, como academias, grupos religiosos, atividade física ao ar livre, clubes entre outros.
  • Esteja aberto a novas amizades: Esteja disposto a conhecer novas pessoas e fazer novas amizades, independentemente da faixa etária. A diversidade de relacionamentos pode enriquecer sua vida social.
  • Seja um bom ouvinte: Demonstre interesse genuíno pelas outras pessoas e esteja presente nas conversas. Ouça atentamente e mostre empatia.
  • Organize encontros: Planeje encontros sociais como almoços, jantares ou atividades em grupo. Isso ajuda a fortalecer os laços e criar momentos de interação. Não espere ser convidado.
  • Busque apoio profissional: Se sentir dificuldades em estabelecer ou manter relacionamentos significativos, considere buscar apoio de um profissional, como um terapeuta, que pode ajudar a desenvolver habilidades sociais e lidar com as dificuldades pessoais.

Por fim, a faixa etária não deve ser um obstáculo para cultivar relacionamentos.

“Independentemente da idade, é possível estabelecer e fortalecer conexões significativas com família e amigos. A chave está em dedicar tempo e esforço para nutrir esses relacionamentos e encontrar maneiras de se envolver socialmente, de acordo com as capacidades e interesses de cada um”, finaliza a psicóloga.

Fonte:

  • Rosângela Casseano, Psicóloga, Terapeuta Cognitivo Comportamental, CEO da PsicoPass.

Referência:

Solidão e sua associação com indicadores sociodemográficos e de saúde em adultos e idosos brasileiros: ELSI-Brasil

Sobre o autor

Tayna Farias
Jornalista e repórter da Vitat. Especialista em gravidez e maternidade

Leia também:

dores nos glúteos e problemas na coluna
Saúde

Dores nos glúteos sinalizam problemas na coluna, diz especialista

Pesquisa aponta problemas na coluna como uma das principais causas de afastamento do trabalho

benefícios da banana
Alimentação Bem-estar Saúde

10 benefícios da banana que provavelmente você não conhece (mais receitas)

A banana é amiga do intestino, além de ser eficiente na prevenção de cãibras. Veja outros benefícios da fruta!

mulher fazendo o exercício peck deck na academia
Bem-estar Movimento

Peck deck (voador): o que é, para que serve e como fazer o exercício

Entenda quais músculos o peck deck aciona, como executar corretamente e quais exercícios podem substituí-lo nos dias mais cheios da academia