Crononutrição: Qual alimento funciona melhor em cada horário do dia

23 de setembro, 2019

Sabia que o relógio biológico pode influenciar na sua alimentação? A crononutrição é a área do conhecimento que une nutrição e cronobiologia, e estuda qual é o melhor horário para cada tipo de refeição.

Existe o momento do sono, da fome e aquela horinha que tudo desacelera. Isso acontece porque o corpo funciona em ritmos diferentes de manhã, de tarde e de noite. E a liberação de hormônios é fundamental para mover todas estas mudanças.

A crononutrição não é uma dieta e não há indicação de privação de alimento. A ideia é apenas chegar a um equilíbrio entre o que é ingerido e em qual período do dia. Ou seja, a quantidade deve ser adequada e o momento certo para aquela absorção.

O método alimentar foi desenvolvido pelo nutricionista francês Dr. Alain Delabos, em colaboração com o professor Jean-Robert Rapin, e pode ser praticado por qualquer pessoa. 

Para conquistar um resultado mais preciso são feitos alguns exames, como o perfil nutrigenético e o painel metabólico, e o acompanhamento de um nutricionista.

De manhã

Cada metabolismo e cada relógio biológico funciona de maneira única, o que torna necessário um plano alimentar personalizado. É preciso definir horários regulares para as refeições. Um grande erro é pular o café da manhã, já que é fundamental para o corpo entender que o dia começou e os genes de digestão estão mais ativos. 

O jejum neste período ainda aumenta o cortisol (hormônio que controla o stress), o acúmulo de gordura, reduz a tolerância à glicose e prejudica a qualidade do sono. 

Nas primeiras horas do dia, os níveis de leptina – hormônio que regula o apetite – estão baixos e a mudança altera o paladar das comidas doces. O ideal é consumir carboidratos, fibras, proteínas e triptofano, como aveia, chia ou amêndoas.

Leia também: Dieta flexível: O que é e como fazer

Durante o dia

Ingerir um maior teor calórico pela manhã ajuda a reduzir o consumo ao longo do dia, mas as refeições precisam ter diversidade de nutrientes. 

O período tem uma metabolização melhor de gorduras e carboidrato, e o sistema digestivo funciona muito bem. Também há uma concentração maior de serotonina e uma queda considerável nos níveis de cortisol. 

Noite

Além de evitar excessos no período noturno, principalmente carboidratos, é importante que as refeições sejam feitas até às 20 horas para garantir o funcionamento do metabolismo.

Para a crononutrição, alimentos de baixo índice glicêmico (legumes, iogurte, abacaxi e maçã) e ingredientes que são fonte de melatonina (trigo, pistache ou aveia) são os mais indicados para as horas que antecedem o sono. 

Também é preciso evitar o consumo de café e o uso de celular na cama, já que a luz branca atrapalha o descanso noturno. 

Sobre o autor

Redação
Redação
Todos os textos assinados pela nossa equipe editorial, nutricional e educadores físicos.