Covid grave aumenta risco de doença mental depois de alta

Saúde
01 de Junho, 2022
Covid grave aumenta risco de doença mental depois de alta

Pacientes que tiveram Covid-19 moderada ou grave apresentam alta prevalência de transtornos psiquiátricos como ansiedade, depressão e estresse pós-traumático, além de perdas cognitivas relacionadas a memória e atenção, meses depois da alta hospitalar. Isso é o que mostra um estudo conduzido pelo Hospital das Clínicas da Universidade de São Paulo, publicado no periódico General Hospital Psychiatry.

O artigo apresenta resultados preliminares do acompanhamento de 425 pacientes que foram avaliados entre seis e nove meses após a internação. Todos foram pacientes internados no Hospital das Clínicas da USP entre os meses de março e setembro de 2020. Aqueles que precisaram de tratamento na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) foram considerados graves e os demais, moderados. Para o estudo, foram submetidos a entrevista psiquiátrica e testes cognitivos.

Assim, os achados apontam uma prevalência de transtorno mental comum de 32,2% neste grupo de pacientes pós-covid. Um percentual maior do que o observado na população geral brasileira (21,1%).

Consequências covid grave

A ação direta do vírus no Sistema Nervoso Central, além da própria inflamação e das alterações de coagulação causadas pela doença, estaria por trás desses danos a longo prazo – a famosa covid longa. “Muito possivelmente o vírus provoca uma afecção direta no Sistema Nervoso Central”, diz Rodolfo Furlan Damiano, psiquiatra do Hospital Israelita Albert Einstein e um dos autores da pesquisa.

Isso porque, apesar de que o próprio estresse pode predispor os pacientes de Covid-19 a transtornos psiquiátricos, não houve correlação entre estes casos e fatores estressantes como a perda de um parente próximo ou prejuízos financeiros, nem com a gravidade ou tempo de internação.

Por ser uma doença nova, ainda não se sabe o alcance e a duração dos prejuízos relacionados à covid grave. “Nas questões psiquiátricas, como depressão e ansiedade, temos observado uma boa resposta com os medicamentos usuais”, observa Damiano. Em relação à fadiga e aos sintomas cognitivos, como perda de memória, pouco se sabe ainda. Mas os médicos já têm algumas pistas: “Há os pacientes que se recuperam totalmente. Mas naqueles que já têm doenças degenerativas, como o Alzheimer, a Covid pode acelerar sua progressão”, observa. Os resultados do estudo ressaltam, sobretudo, a importância da vacinação, para reduzir os danos causados pela doença. “Sabe-se que o impacto da Covid é muito menor nos casos leves”, complementa Damiano.

Leia mais: Entenda por que o Brasil corre risco de ter uma quarta onda da Covid-19

Aumento global da depressão no mundo

O impacto da Covid-19 na saúde mental é um fenômeno mundial. Só no primeiro ano da pandemia houve um aumento global de 25% nos casos de depressão e ansiedade, de acordo com um relatório recente da Organização Mundial da Saúde (OMS). Além da doença em si, condições como o isolamento social, perdas financeiras, medo e luto estão por trás desse crescimento.

Acima de tudo, esse cenário traz o desafio de diagnosticar e tratar esses pacientes. “Um grande estudo recente, publicado na revista Lancet, mostra que, em países de baixa renda, apenas 27% dos pacientes portadores de depressão têm acesso a serviços de saúde mental. Por outro lado, apenas 6% desses pacientes têm acesso ao tratamento farmacológico e psicoterápico adequado, por exemplo”, diz o psiquiatra Luiz Zoldan, também do Hospital Israelita Albert Einstein. “Além disso, são problemas de saúde que envolvem estigma e preconceito da sociedade em geral. Com isso, a própria pessoa pode demorar a reconhecer que precisa de ajuda”, continua ele.

Tanto é assim que esse artigo recém-publicado no renomado periódico Lancet chama a atenção para a necessidade urgente, especialmente em tempos de Covid-19, de saber lidar com o que eles consideram uma das principais causas de sofrimento evitável. E, assim, como essas doenças impactam todos os aspectos da vida da pessoa, o quanto antes houver o diagnóstico e tratamento, melhor.

Fonte: Agência Einstein

Leia também:

Por quanto tempo devo tomar vitamina C
Alimentação Bem-estar Saúde

Por quanto tempo devo tomar vitamina C?

Aliada a imunidade e a beleza, a vitamina C está ligada a uma série de benefícios para a saúde. Veja recomendações sobre o consumo prolongado

montagem com as fotos de Wagner
Saúde

Ele já fez mais de 100 doações de sangue e plaquetas: “dar um pouco da minha saúde para quem precisa”

Conheça a história de Wagner Hirata, que tem as doações de sangue e plaquetas como um de seus propósitos de vida

neuralgia do trigêmeo
Saúde

Neuralgia do trigêmeo: doença que provoca uma das piores dores do mundo

Sintomas de doença são dores muito fortes e rápidas em apenas um lado do rosto, causando sensação de choque ou de um golpe muito forte