Como secar o leite materno? Saiba qual é a maneira mais segura

No início de março, a atriz Maria Flor compartilhou em suas redes sociais a tática que usa para secar o leite materno. Mãe de Vicente, de pouco mais de um mês, a artista publicou uma foto com uma folha de repolho no seio direito. Na legenda, ela afirmou: “@heloisalessapartoecologico me indicou colocar repolho no peito para sugar o leite!! É incrível”. Afinal, como secar o leite materno de forma correta e segura?

De acordo com Cinthia Calsinki, enfermeira obstetra e consultora de amamentação, folhas de repolho podem ser utilizadas quando há o desejo de esvaziar a mama. “A folha do repolho é bem indicada. Ela, além de ser gelada na medida certa, tem substâncias anti-inflamatórias e antioxidantes”, explica.

Amamentação

Junto com a alegria do nascimento de um novo integrante para a família, a maternidade traz uma série de desafios para as mulheres que acabaram de dar luz. A amamentação, apesar de ainda ser muito romantizada, é um dos processos mais dolorosos do período. Os especialistas recomendam que o bebê receba apenas leite materno até os seis meses, e a amamentação continua até dois anos de idade. Algumas mamães, entretanto, sentem dores e muita dificuldade para amamentar. Em alguns casos, a produção do leite é escassa e é necessário o uso de fórmulas artificiais para nutrir o bebê.

Além disso, algumas mulheres ainda sofrem preconceito por amamentarem em público. Inclusive, algumas têm seus corpos sexualizados por isso. Em março de 2019, o Senado chegou a aprovar, em regime de urgência, um projeto para penalizar a violação do direito à amamentação.

No entanto, mesmo mulheres que conseguem amamentar seus bebês sem grandes problemas podem sofrer com alguns percalços. A especialista destaca que quando existe dor e vermelhidão na área, é necessário realizar medidas de conforto. “Vale ordenhar o mínimo possível para eliminar incômodos e fazer compressas geladas sobre a mama”, aponta.

Além disso, a folha de repolho também serve para acalmar a região. De acordo com Cinthia, é necessário lavar as folhas e congelá-las antes do uso. “Na hora de fazer a compressa, retire a parte que cobriria os mamilos [fazendo uma espécie de buraco na folha], pois pode haver contaminação por bactérias ou fungos”, salienta.

Por que secar o leite materno?

Os motivos pelos quais algumas mulheres buscam secar o leite materno são variados. Pode se tratar de um desejo, como a questão do desmame, ou uma necessidade, em casos de doenças. Veja quando não é indicado a amamentação e, por isso, há a tendência de secar o leite materno:

  •  Doença infecto-contagiosa (HIV com carga viral alta, hepatite B e C);
  • Necessidade de fazer um tratamento de saúde que seja incompatível com a amamentação (radioterapia, quimioterapia);
  • Bebês com distúrbios metabólicos como fenilcetonúria ou galactosemia, por exemplo.

No caso de mães que não se adaptaram à amamentação, o desmame também é uma saída. Apesar de ser uma escolha difícil, resta aos amigos e aos familiares apoiarem a decisão da mulher e buscarem uma forma de ajudar — para que o bebê siga sendo nutrido de forma adequada.

Leia também: Amamentação em tandem: o que é? é segura para o bebê?

Como secar o leite materno?

De forma natural, o leite materno demora cerca de 40 dias após a última estimulação para secar. O período pode ser um pouco desconfortável, já que há a possibilidade de acontecer o vazamento. Entretanto, a consultora de amamentação deixa claro que não é possível acelerar o processo da seca do leite. Na verdade, o caminho é não estimular mais a produção.

Paula Saad, mastologista responsável pelo departamento de marketing e comunicação Sociedade Brasileira de Mastologia (SBM), indica o que deve ser feito nesse momento: “Evite estímulos que aumentem a produção de leite, como a sucção por bombas, pelo próprio bebê ou por pressão manual. Compressas frias e compressão das mamas podem auxiliar nessa fase”.

“Enfaixar as mamas ou usar um top apertado também pode ajudar. O ideal é não estimular as mamas, mas quando ficam dolorosas e desconfortáveis, um ordenha de alívio é bem indicada”, completa Cinthia.

Paula pontua que existem casos de mulheres que não param a produção de leite naturalmente e, por isso, precisam recorrer ao uso de medicamentos. Para a prescrição de tais remédios, é necessário consultar um médico especialista.

Cuidados com as mamas

Nesse período, o cuidado com os seios fica redobrado. O local permanece mais exposto e sensível. Por isso, é preciso observar as mamas diariamente e conferir se não há a presença de locais avermelhados e doloridos. Caso a mulher perceba algum fator anormal nos seios, é necessário marcar uma consulta para verificar.

Fontes: Cinthia Calsinki, enfermeira obstetra e consultora de amamentação e Paula Saad, mastologista responsável pelo departamento de marketing e comunicação da Sociedade Brasileira de Mastologia (SBM).