Cirurgia para enxaqueca: Quando ela é indicada

26 de outubro, 2021

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), a dor de cabeça é um dos problemas de saúde mais impactantes do mundo. Além disso, segunda a Sociedade Brasileira de Cefaleia (SBCE), cerca de 140 milhões de brasileiros convivem com o problema. Desses, 30 milhões sofrem de enxaqueca, que muitas vezes impossibilita a realização atividades simples. Mas você sabia que existe cirurgia para enxaqueca?

Leia também: Distonia cerebral causa contrações involuntárias nos músculos: Como funciona o tratamento

Como funciona a cirurgia para enxaqueca

Com o objetivo de sanar os sintomas e melhorar a vida dos pacientes, tratamentos cirúrgicos para cefaleias vêm sendo cada vez mais adotados no nosso país e no mundo.

Para o neurocirurgião Eduardo Quaggio, as cirurgias são indicadas somente para pessoas que não apresentam melhora diante das abordagens convencionais. “Estima-se que os induvíduos submetidos à cirurgia, caso não se livrem completamente da dor, obtêm ao menos uma significativa melhora na intensidade e na frequência das crises.”

Quaggio explica que os procedimentos buscam reduzir a irritação de nervos e os pontos gatilhos de dor, corrigindo o tecido ao redor dessas estruturas e liberando possíveis compressões. Ou, então, simplesmente bloqueando e modulando os sinais de dor. “Os procedimentos mais comuns são dirigidos aos nervos e gânglios envolvidos nas cefaleias e dores faciais — nervo trigêmeo, nervos occipitais e frontais e gânglio esfenopalatino, por exemplo.“

O neurocirurgião ressalta que já existem varios tipos de cirurgias em prática no Brasil. Dessa forma, os procedimentos são realizados em ambiente hospitalar, sob anestesia geral ou local. As mais simples podem ser muito rápidas, com duração entre 20 minutos e uma hora.

“Tratam-se de técnicas que vêm sendo aprimoradas há décadas e, diferentemente do que muitos acreditam, na maioria das vezes são intervenções de baixa complexidade e não há contato com o cérebro. Portanto, não há risco de lesões neurológicas graves”, diz o médico.

Diante dos pontos apresentados, o neurocirurgião recomenda que ao vivenciar dores de cabeça recorrentes, o ideal é procurar atendimento médico especializado. “Neurologistas e neurocirurgiões são os profissionais mais capacitados para o diagnóstico e o tratamento das cefaleias.”

Fonte: Eduardo Quaggio, neurocirurgião.

Sobre o autor

Redação
Redação
Todos os textos assinados pela nossa equipe editorial, nutricional e educadores físicos.