Chocolate amargo: Aposte nessa versão na Páscoa

4 de março, 2020

Será que dá para manter a dieta e saborear as delícias de Páscoa? É possível com o chocolate amargo. Uma porção por dia pode não só faz bem para o coração, mas também melhora a função cerebral, alivia o estresse e diminui o risco de diabetes.

Isso porque a versão amarga é rica em antioxidantes e repleta de nutrientes, tornando-a um ingrediente positivo para a saúde. 

Também, o chocolate com mais de 70% de cacau contém fitonutrientes chamados flavonoides. Essas são substâncias químicas vegetais que atuam como antioxidantes e podem desempenhar um papel na prevenção do câncer, na saúde do coração e na perda de peso, observou um artigo publicado em dezembro de 2016 no Journal of Nutritional Science. 

Ainda, o cacau, fruta da qual o chocolate é derivado, contém um composto chamado teobromina, que pode ajudar a reduzir a inflamação e a baixar a pressão arterial.

Assim, a lógica é: quanto mais escuro o chocolate, mais antioxidantes contém. Portanto, barras com porcentagens mais baixas de cacau têm mais adição de açúcar e gorduras não saudáveis. 

Contudo, embora o chocolate escuro seja uma escolha melhor do que o ao leite, ele ainda é rico em calorias e gordura saturada. Por isso, para evitar o ganho de peso, é preciso moderação.

Chocolate amargo ajuda a prevenir doenças cardíacas e derrame

Um dos maiores benefícios que os pesquisadores divulgam é o papel que o chocolate amargo pode desempenhar na melhoria da saúde do coração. Uma meta-análise de oito estudos sobre a ligação entre consumo de chocolate e doenças cardiovasculares, publicada em julho de 2015 na revista Heart, descobriu que pessoas que ingeriam mais chocolate por dia tinham menor risco de doenças cardíacas e derrame.

Várias pesquisas observacionais também demonstraram que o alimento pode reduzir o risco de doença cardíaca. Por exemplo, um estudo anterior publicado na revista Clinical Nutrition descobriu que pessoas que ingeriam chocolate amargo mais de cinco vezes por semana reduziram em 57% o risco de problemas no coração.

Os pesquisadores levantaram a hipótese de que são os flavonoides que mantêm a saúde do coração, de acordo com um estudo publicado no The American Journal of Clinical Nutrition. Esses produtos químicos são utilizados na produção de óxido nítrico, que faz com que os vasos sanguíneos relaxem e, com isso, controlem a pressão arterial.

Leia também: Páscoa: Como fazer escolhas saudáveis

Melhora a cognição, o humor e previne perda de memória

Não, não é sua imaginação – estudos mostram que consumir altas concentrações de chocolate amargo pode beneficiar o cérebro. Isso porque o ingrediente estimula a atividade neural em áreas associadas a prazer e recompensa, o que diminui o estresse e melhora o humor.

De oito estudos sobre chocolate e humor, cinco mostraram melhorias no humor e três mostraram “evidências claras de aprimoramento cognitivo”, de acordo com uma revisão sistemática publicada na revista Nutrition Reviews. 

Outras pesquisas apresentadas na reunião de Biologia Experimental de 2018 descobriram que comer 48 gramas do alimento aumentava a neuroplasticidade no cérebro. Isso poderia ter efeitos positivos na memória, cognição e humor.

Leia também: Receita de ovo de Páscoa fit caseiro

Controla os níveis de açúcar no sangue e reduz o risco de diabetes

Comer chocolate todos os dias não parece a melhor maneira de prevenir a diabetes. Porém, estudos mostraram que quantidades saudáveis ​​podem realmente melhorar a maneira como o corpo metaboliza a glicose. A resistência à insulina causa glicose no sangue (açúcar) e é a marca registrada do diabetes tipo 2.

Já os flavonóides presentes no ingrediente são capazes de reduzir o estresse oxidativo, que os cientistas pensam ser a principal causa da resistência à insulina que, por sua vez, diminui o risco de doenças como diabetes.

Chocolate amargo é aliado do intestino e do emagrecimento

Colocar chocolate no cardápio parece ser a última maneira de perder peso. Contudo, pesquisas sugerem que ele pode desempenhar um papel no controle do apetite, o que, por sua vez, pode ajudar na perda de peso. O neurocientista americano Will Clower, PhD, escreveu um livro inteiro sobre o assunto chamado “Eat Chocolate, Lose Weight” (“Coma chocolate, Emagreça” – ainda inédito no Brasil) que descreve como comer um pouco de chocolate amargo antes ou depois das refeições desencadeia hormônios que sinalizam para o cérebro que você está satisfeito. Entretanto, ingerir mais do que a quantidade recomendada por dia pode comprometer o emagrecimento. 

Também, durante a digestão, o chocolate se comporta como um prebiótico, um tipo de fibra que estimula o crescimento de bactérias benéficas no intestino. Assim, quanto mais micróbios “bons”, melhor o corpo será capaz de absorver nutrientes e apoiar um metabolismo saudável.

Leia também: Como queimar as calorias da Páscoa

Sobre o autor

Redação
Redação
Todos os textos assinados pela nossa equipe editorial, nutricional e educadores físicos.