Câncer no quadril: conheça os sintomas, causas, tratamento e mais

Saúde
31 de Outubro, 2022
Câncer no quadril: conheça os sintomas, causas, tratamento e mais

Recentemente, a morte da jornalista Suzana Naspolini mobilizou a internet, que lamentou a perda precoce da profissional. Aos 50 anos, Naspolini foi vítima de um câncer no quadril, especificamente no osso da bacia, do tipo metastático. Além disso, as células malignas atingiram o fígado e a medula óssea, o que dificultou o tratamento da repórter.

Anteriormente, ela havia enfrentado outros tipos de câncer — o de mama foi o mais recente e, talvez, a principal causa dos tumores metastáticos no quadril e em outras áreas.

“Essa situação ocorre com frequência nos tumores de mama e de próstata. Ou seja, quem possui histórico dessas doenças pode voltar a ter o câncer em outras áreas, sobretudo nos ossos. A princípio, o sarcoma de Erwing é o mais comum nesses casos. Como resultado, prejudica o sangue e provoca outros problemas, como a anemia”, explica Veridiana Camargo Melsarc, oncologista da BP – A Beneficência Portuguesa de São Paulo.

Veja também: Radioterapia contra tumores pode preservar tecido saudável dos órgãos

Quais são os tipos de câncer no quadril?

De acordo com Veridiana, existem dois tipos: o primário “que se desenvolve primeiro em uma determinada região; e os secundários, que têm origem em outro local, mas que são fruto da disseminação das células malignas para outras partes do corpo. Este último tipo é justamente o que acometeu Naspolini e causou sua morte.

Subtipos de tumor no quadril 

Sob as classificações primária e secundária, existem os subtipos de câncer no quadril e em outros ossos do corpo. Confira os principais:

Osteossarcoma: segundo o Instituto Nacional de Câncer (INCA), é o tumor ósseo mais comum entre crianças e adolescentes do sexo masculino. Quando o osteossarcoma é metastático ou secundário, o paciente possui câncer de pulmão primário, que se espalha para os ossos — sobretudo o das pernas (fêmur, tíbia e região proximal de úmero, por exemplo).

Condrossarcoma: Veridiana afirma que esse tipo de câncer geralmente afeta pacientes mais idosos. A princípio, costuma se desenvolver em cartilagens, mas pode se instalar em qualquer osso do corpo, como no da pelve (quadril). Além disso, 90% dos casos de condrossarcoma são do tipo primário.

Sarcoma de Ewing: outro tumor que prejudica pacientes mais jovens, com média entre 10 e 25 anos. Também pode atingir qualquer osso do corpo, com incidência maior na diáfise, que corresponde à parte maior dos ossos longos. O sarcoma de Ewing tem como principal característica o tamanho, ocupando grandes extensões da área afetada. Por fim, pode ser tanto primário como secundário. Todavia, o tipo metastático é mais recorrente.

Tumor de células gigantes: ao contrário dos demais, o tumor de células gigantes pode ser benigno e sem riscos de circular para outras partes do corpo. Portanto, ele não é considerado um câncer, mas é capaz de causar complicações no indivíduo se for muito grande. Na maior parte dos diagnósticos se aloja na extremidade dos ossos, incluindo os do quadril.

Sintomas do câncer no quadril

Dependem bastante do subtipo. Contudo, Veridiana explica que os sintomas gerais envolvem “dificuldade para andar, sentar-se, dor nas áreas acometidas e, em alguns pacientes, compressão na coluna que aumenta a restrição da mobilidade”.

Diagnóstico do câncer no quadril

Requer exames de imagem associados à análise dos sintomas e do histórico do paciente. Em conjunto, essas informações ajudam a fechar o diagnóstico, tipo e subtipo do câncer no quadril ou em outros ossos. Dentre os exames, incluem ressonância magnética, raio-X e tomografia computadorizada.

Os testes laboratoriais também são importantes para identificar quadros de anemia. De acordo com a especialista, a condição ocorre com frequência em tumores metastáticos nos ossos, pois as células malignas acessam a corrente sanguínea e comprometem o sangue.

Tratamento

Varia conforme o diagnóstico (localização, tipo, subtipo, tamanho…). “Se for metastático, como o de Suzana, o prognóstico é ruim, pois o câncer invadiu a medula óssea. Dessa forma, precisa realizar transfusões de sangue frequentes, quimioterapia, administrar medicamentos para estimular as células de defesa da medula. Inclusive, pode se fazer radioterapia para controlar ou reduzir o tamanho do tumor”, aponta Veridiana.

Entretanto, a cirurgia pode ser um recurso complexo em diagnósticos de metástase no osso. “Pode acontecer de a radioterapia não ser suficiente para conter o tumor. Nesse sentido, a cirurgia é uma opção, mas há riscos. Afinal, há mais chances de sangramentos e hemorragias, por exemplo”, alerta.

Afinal, quais as chances de cura?

Infelizmente, tumores metastáticos nos ossos, como os de Suzana, possuem poucas expectativas de cura. O motivo é que a maioria deles cai na corrente sanguínea e, assim, torna-se um desafio combater a multiplicação das células malignas.

Então, o cuidado se destina ao controle da doença com as terapias citadas acima. Com os tratamentos corretos, é possível frear o desenvolvimento da enfermidade, controlar os sintomas e prolongar o tempo de vida do paciente.

Descubra seu peso ideal. É grátis! Saiba se seu peso atual e sua meta de peso são saudáveis com Tecnonutri.
cm Ex. 163 kg Ex. 78,6

Sobre o autor

Amanda Preto
Jornalista especializada em saúde, bem-estar, movimento e professora de yoga há 10 anos.

Leia também:

mulher se consultando com um médico
Bem-estar Saúde

Preparação para a bariátrica vai além dos exames e envolve mudanças de vida

Antes de entrar no centro cirúrgico, o candidato à cirurgia bariátrica percorre um caminho de preparação que promete mais do que a perda de peso: uma

tempo em frente às telas
Alimentação Bem-estar Equilíbrio Saúde

Maior tempo em frente às telas está associado à piora da dieta de adolescentes

Pesquisa brasileira avaliou dados de 1,2 mil adolescentes e constatou que a maioria gasta mais de 2 horas de tempo em frente as telas

corredor abaixado segurando a perna aparentemente com dor
Bem-estar Movimento Saúde

Será que eu estou com canelite? Médico destaca principais sinais

A condição é uma das principais preocupações entre os corredores. Ortopedista explica como identificar os sintomas característicos da canelite