Quem consome mais grãos integrais costuma ter menor circunferência abdominal

23 de julho, 2021

Você já deve ter ouvido falar nos benefícios dos grãos integrais, não é mesmo? Agora, mais um estudo reforçou que eles são grandes aliados da nossa saúde. De acordo com um artigo publicado no Science Daily, ingerir esses alimentos pode contribuir para a manutenção da circunferência abdominal (ligada ao risco de doenças crônicas). Além disso, a pressão sanguínea e a glicemia (nível de açúcar no sangue) também saem ganhando. Saiba mais:

Como funcionou a pesquisa

Usando dados do levantamento Framingham Heart Study Offspring Cohort, que começou na década de 1970, os pesquisadores avaliaram o consumo de grãos integrais de 3100 participantes durante 18 anos.

Em seguida, a equipe comparou três fatores de risco para o desenvolvimento de doenças crônicas e até de morte prematura: circunferência abdominal, pressão arterial e glicemia. Como resultado, descobriu-se que as pessoas que ingeriram mais grãos integrais durante a vida tinham, em média 1,3 centímetro a menos de cintura do que aquelas que não possuíam o costume de incluir o alimento no cardápio.

Além disso, pessoas que priorizaram os grãos tinham a pressão arterial e a glicemia menores.

Leia também: O que são grãos ancestrais?

Benefícios dos grãos integrais

De acordo com a nutricionista Dayse Paravidino, os grãos integrais são aqueles que não passaram por todas as etapas de refinamento. Portanto, concentram mais fibras e outros nutrientes importantes para o corpo humano.

“Dentre os principais benefícios dos grãos integrais, podemos destacar a manutenção da saúde digestiva. Além disso, o reforço na imunidade, o aumento da saciedade e a função antioxidante”, explica a profissional.

O ideal é garantir de 10 a 15 g de fibras e a cada mil calorias que você consome. Embora alguns artigos científicos defendam números maiores. “Entretanto, o mais importante a ser destacado é que a indicação deverá depender das necessidades individuais dos pacientes.”

Leia também: Grãos germinados são mais saudáveis?