Amamentação contribui com o desenvolvimento da fala e mastigação. Entenda

Gravidez e maternidade Saúde
24 de Agosto, 2023
Amamentação contribui com o desenvolvimento da fala e mastigação. Entenda

Com benefícios amplamente comprovados pela ciência, não restam dúvidas que a amamentação é a melhor opção, tanto para a saúde do bebê, quanto da mãe. Mas além disso, você sabia que o aleitamento também contribui para o despertar da fala nos bebês?

Conforme o Dr. Gilberto Ferlin, otorrinolaringologista e foniatra do Hospital Paulista, essa interação entre mãe e filho é pré-requisito importantíssimo para garantir a chamada “eclosão da fala” no devido tempo. Isso porque o ato de mamar favorece o desenvolvimento das musculaturas da boca, face e mandíbula, além de estimular o crescimento ósseo dessas estruturas do corpo. Saiba mais a seguir.

Veja também: Como preparar os seios para amamentar

Amamentação contribui com o desenvolvimento da fala e mastigação

O aleitamento proporciona o desenvolvimento adequado, tanto muscular como osteo dentário, além da coordenação decorrente da maturação neurológica típica, explica o médico. Esse é o período em que se estabelecem as primeiras interações entre o bebê e o nosso meio, iniciando o que virá a ser a cognição dessa criança.

Por outro lado, a fala também é um dos fatores beneficiados pela amamentação, já que o processo de sugar o leite exige a coordenação entre a língua, os lábios e os músculos da mandíbula. Esses movimentos complexos ajudam a fortalecer os músculos orais, que desempenham um papel fundamental na produção dos sons da fala.

O desenvolvimento e o fortalecimento desses músculos desde cedo podem ter um impacto positivo na articulação das palavras mais tarde. Dessa forma, Dr. Ferlin reforça a importância de manter esse elo nos primeiros 24 meses de vida, a exemplo do que preconiza a OMS.

“Após os seis meses de vida, o recomendável é que a amamentação seja mantida de forma mista. Ou seja, com a introdução de outros alimentos, se possível, até o segundo aniversário da criança ou após. Além da eclosão da fala no devido tempo, já há estudos que apontam que essa interação também contribui para o desenvolvimento das habilidades linguísticas e inteligência não-verbal ao longo da infância”, destaca o médico.

Outros benefícios da amamentação

Considerado o melhor alimento do mundo, o leite materno é o único capaz de sustentar o bebê até os seis meses de vida. Mas além disso, uma pesquisa divulgada no periódico The Lancet mostrou que a amamentação está associada à diminuição da probabilidade de sobrepeso e/ou obesidade em crianças, e diabetes tipo 2.

A imunidade também é beneficiada. Por ser repleto de anticorpos fundamentais para a saúde e para a resistência do bebê, o leite ajuda na composição de uma microbiota intestinal equilibrada. O que, no futuro, protegerá a criança de possíveis doenças na vida adulta, incluindo a asma.

Por fim, a amamentação também estimula o vínculo entre a mãe e o bebê, além de contribuir com a perda de peso da mulher no pós-parto.

Nem sempre é possível 

Contudo, é certo que nem todas as mães têm condições de oferecer, ou mesmo de manter, o período para além das primeiras semanas de vida dos bebês para ter acesso aos benefícios da amamentação. Para esses casos, o recomendado é seguir com acompanhamento especializado para nutrição e orientações profissionais para a mãe, buscando minimizar os prejuízos ao desenvolvimento infantil.

“A mamadeira, embora estimule a sucção da criança e garanta o aporte nutricional satisfatório, não é capaz de prover as interações necessárias para o desenvolvimento da linguagem. As características físicas da mamadeira permitem um padrão de sucção diferente da mama feminina”, explica o especialista.

“Um exemplo disso é a forma como as mães alteram a forma de falar com seus bebês durante a amamentação e os cuidados cotidianos. Com isso, é possível o desenvolvimento das potencialidades infantis, como cognição e afeto, indispensáveis para, no devido tempo, a criança falar”, finaliza.

Fonte: Dr. Gilberto Ferlin, otorrinolaringologista e foniatra do Hospital Paulista.

 

Sobre o autor

Redação
Todos os textos assinados pela nossa equipe editorial, nutricional e educadores físicos.

Leia também:

montagem com as fotos de Wagner
Saúde

Ele já fez mais de 100 doações de sangue e plaquetas: “dar um pouco da minha saúde para quem precisa”

Conheça a história de Wagner Hirata, que tem as doações de sangue e plaquetas como um de seus propósitos de vida

neuralgia do trigêmeo
Saúde

Neuralgia do trigêmeo: doença que provoca uma das piores dores do mundo

Sintomas de doença são dores muito fortes e rápidas em apenas um lado do rosto, causando sensação de choque ou de um golpe muito forte

Reynaldo Gianecchini
Saúde

Reynaldo Gianecchini revela diagnóstico de doença autoimune

A síndrome de Guillain Barré causa fraqueza e dificuldades para mover os braços e as pernas