Antidepressivo é ineficaz para tratar agitação da demência

9 de novembro, 2021

O antidepressivo mirtazapina, prescrito para tratar a agitação em pessoas com demência, não melhora o sintoma e estaria associado a uma maior mortalidade. É o que diz um estudo conduzido pela Universidade de Plymouth, no Reino Unido, publicado na revista científica The Lancet.

Dessa forma, o ensaio clínico envolveu 204 pessoas com provável ou possível doença de Alzheimer, a causa mais comum de demência. Além de agitação sem resposta ao tratamento não medicamentoso. Para determinar a eficácia do medicamento, os participantes foram divididos, de forma randomizada, em dois grupos:

  • Metade recebeu a mirtazapina;
  • A outra metade, uma substância placebo, para servir como comparativo.

Ao observarem os sinais de agitação nos participantes, os pesquisadores perceberam que, nas primeiras 12 semanas, houve uma redução do sintoma. Contudo, o efeito não poderia ser atribuído ao remédio. Isso porque segundo eles, a diminuição também foi constatada no grupo controle. 

De acordo com os pesquisadores, os resultados indicam que a medicação não é clinicamente eficaz, em comparação com o placebo, para o tratamento da agitação em pessoas com demência. “Esse achado implica na necessidade de mudar a prática atual de prescrição de mirtazapina e, possivelmente, de outros antidepressivos sedativos”, explicam.

Possível impacto na mortalidade

Os resultados revelaram também uma diferença nos eventos adversos entre os grupos. Sete mortes foram registradas no grupo que tomou o medicamento, contra apenas uma no comparativo. No entanto, os pesquisadores não confirmam uma associação direta entre os óbitos e o antidepressivo.

“É preocupante que, apesar de o número total de eventos adversos não ter divergido entre os grupos, a mortalidade foi diferente (….). Embora não saibamos se as mortes foram relacionadas à mirtazapina, na ausência de benefícios clínicos atribuíveis [ao medicamento], esses danos potenciais significam que a mirtazapina não pode ser recomendada para o tratamento da agitação na demência”, reiteram.

Leia também: Demência: Malhar pode reduzir o risco de desenvolvê-la

Como tratar a agitação?

Sintomas comuns nas pessoas com demência, a agitação e a ansiedade surgem pela dificuldade de o paciente assimilar novas informações. Sendo assim, uma mudança de residência ou na rotina, além de interações medicamentosas, podem favorecer o quadro, segundo dados da Associação norte-americana do Alzheimer.

A primeira linha de tratamento, em geral, são terapias que não envolvem medicamentos, mas mudanças no comportamento. A instituição norte-americana sugere, a quem estiver próximo de alguém em um momento de agitação ou ansiedade, para adotar as seguintes atitudes:

  • Escute a frustração dele/dela;
  • Use frases calmas e positivas, como “tudo está sob controle” e “você está seguro”;
  • Envolva a pessoa em atividades, como arte e música, para que a atenção mude de foco;
  • Mude o ambiente e tente limitar os estímulos ao redor;
  • Leve a pessoa para uma caminhada ou passeio de carro;
  • Diminua o ritmo e perceba o seu tom de voz;
  • Não faça movimentos bruscos;
  • Procure um médico para confirmar se o sintoma não está associado ao uso de uma medicação ou se há causas físicas.

Mas nem todos os pacientes se beneficiam dessas ações. Portanto, um tratamento medicamentoso pode ser necessário. De acordo com os pesquisadores do estudo, as evidências atuais não são claras com relação a efetividade e segurança dos antipsicóticos e, agora, do antidepressivo mirtazapina.

(Fonte: Agência Einstein)