Alunos com transtornos psicológicos não se adaptaram às aulas on-line

Bem-estar Equilíbrio
07 de Março, 2022
Alunos com transtornos psicológicos não se adaptaram às aulas on-line

Alunos com transtornos psicológicos aderiram menos às aulas on-line. Isso ocorreu durante o período de isolamento social, enquanto estabelecimentos de educação estavam fechados. Ou seja, mesmo tendo acesso à internet, esses alunos deixaram de participar do ensino a distância. Por outro lado, entre aqueles que aderiram à modalidade, não houve registro de impacto direto na saúde mental.

Esses são os principais achados de um estudo realizado por pesquisadores brasileiros. A pesquisa também comparou os efeitos de sintomas mentais dos mesmos jovens antes e durante a pandemia. Entre esses sintomas estão, por exemplo, hiperatividade e problemas de relacionamento com colegas ou de comportamento. O trabalho foi publicado na plataforma PsyArXiv Preprints , da Society for the Improvement of Psychological Science, e aguarda o processo de revisão por pares.

“Como a saúde mental dos estudantes é um fator de impacto na educação, buscamos entender a influência disso nas aulas on-line. Concluímos que os problemas prévios aumentaram a desigualdade de acesso ao sistema a distância, mas o sistema de aulas on-line em si não teve impacto nos sintomas”, explica a neurocientista Patrícia Pinheiro Bado, do Hospital de Clínicas de Porto Alegre. O estabelecimento é ligado à Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

A pesquisa teve apoio da FAPESP e englobou uma amostra de 672 alunos com transtornos psicológicos entre 16 e 24 anos com acesso à internet. Desses, 511 se matricularam nas aulas on-line e 161 (31,5%) não se inscreveram na educação a distância enquanto as instituições estavam fechadas.

Saúde mental + EAD

Os alunos com transtornos psicológicos foram avaliados antes e durante a pandemia por meio do Questionário de Forças e Dificuldades (SDQ na sigla em inglês). O método rastreia problemas de saúde mental em quatro subescalas: problemas de hiperatividade, emocionais, de conduta e de relacionamento. A análise dos dados foi realizada com o auxílio de modelos de regressão múltipla. Por isso, também foi ajustada para não ter influência de eventos escolares negativos anteriores. Alguns exemplos são: suspensões e repetências, número de dias sem aulas presenciais, nível socioeconômico, sexo e idade.

Os cientistas queriam investigar dois pontos principais: se problemas de saúde mental anteriores à pandemia estavam associados ao acesso à aprendizagem on-line e se aqueles que aderiram ao ensino a distância teriam menos problemas de saúde mental durante o isolamento.

A conclusão foi que apresentar sintoma prévio de transtorno mental aumenta a chance de o jovem não acessar as aulas on-line. Essa comparação entre os dois momentos foi possível porque os participantes fazem parte do Estudo Brasileiro de Coorte de Alto Risco para Transtornos Psiquiátricos na Infância (BHRC). É uma grande pesquisa de base comunitária que acompanha 2.511 crianças e jovens desde 2010.

Leia também: Distúrbios de aprendizagem mais comuns entre as crianças

Alunos com transtornos psicológicos: análise por sexo

Os pesquisadores não encontraram, durante a avaliação dos resultados, uma associação entre estar em aula on-line e desenvolver sintomas mentais. Um ponto que os cientistas chegaram a detectar na análise transversal, mas que foi totalmente explicado pelos registros de sintomas antes da pandemia, foi o fato de estudantes que acessaram aulas a distância terem menos problemas de desatenção/hiperatividade se comparados aos participantes que não acessaram as aulas.

Já a análise por sexo teve impacto na adesão a essas aulas: meninas apresentaram 2,3 vezes mais chance de estarem matriculadas no ensino a distância se comparadas aos meninos.

“Durante a pandemia, os fatores que influenciaram a saúde mental dos alunos foram o fato de já ter problemas prévios, dificuldades financeiras enfrentadas pela família e também o sexo: meninas registraram mais problemas de saúde mental do que meninos”, afirma Bado à Agência FAPESP.

Os cientistas destacam, no entanto, que não foi possível comparar a saúde mental dos alunos que estavam no ensino remoto com aqueles em aulas presenciais. Afinal, quase todos os participantes da amostra não podiam comparecer à instituição de educação em decorrência das medidas de isolamento social. Dos alunos com transtornos psicológicos, apenas quatro tiveram aulas presenciais em algum momento durante o período de pandemia. Com isso, ainda não foi possível medir o impacto do fechamento das escolas.

Alunos com transtornos psicológicos: possíveis intervenções

Para o pesquisador Mauricio Scopel Hoffmann, professor adjunto do Departamento de Neuropsiquiatria da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) e coautor do artigo, o trabalho contribui na formulação de projetos que busquem identificar alunos com transtornos psicológicos.

“Esses resultados conversam com nosso estudo anterior, que mostrou o impacto de transtornos externalizantes [como agressividade, déficit de atenção e hiperatividade] na evolução escolar das crianças, especialmente meninas. Detectar antecipadamente esses alunos em risco pode permitir contornar essa situação de desigualdade educacional”, completa Hoffmann.

Os resultados também apareceram em outro artigo publicado no fim do ano passado na revista Epidemiology and Psychiatric Sciences. O grupo de cientistas já havia mostrado o impacto negativo de transtornos mentais, principalmente os externalizantes, na educação. A estimativa é que entre 5% e 10% das repetências e distorções idade-série (indivíduos fora da série adequada para a idade) não ocorreriam se os problemas de saúde mental fossem prevenidos ou tratados (leia mais em: agencia.fapesp.br/37419).

Soluções para o abandono escolar on-line

O pesquisador reforça que detectar os jovens com risco de abandono escolar e priorizar políticas públicas com tratamentos adequados poderia evitar a evasão e até mesmo engajá-los no ensino a distância. “A pior situação é deixá-los fora do sistema educacional. Podem não voltar a estudar e, no futuro, ficarem em subempregos, com renda baixa, perpetuando a desigualdade.”

Os alunos com transtornos psicológicos vêm chamando a atenção nas redes sociais e também em departamentos públicos. Por isso, cuidar da questão de saúde mental se torna cada vez mais necessário, como explica Bado. “Cada vez mais vemos que a saúde mental é um fator muito importante para ingresso e permanência dos alunos em instituições de ensino. Por isso, as políticas educacionais não podem ser pensadas de forma isolada de outros fatores, mas em um conjunto com questões de saúde”. Contudo, a pesquisadora conta que um próximo passo será analisar o impacto de aprendizado dos jovens que participaram das aulas on-line durante a pandemia.

Por fim, outro levantamento divulgado pela organização Todos pela Educação, apontou que quase 41% das crianças brasileiras entre 6 e 7 anos não sabiam ler ou escrever no ano passado. Entretanto, em dois anos, o número saltou de 1,429 milhão (25% das crianças na faixa etária), em 2019, para 2,367 milhões (40,8%) em 2021.

Fonte: Luciana Constantino | Agência FAPESP

Sobre o autor

Redação
Todos os textos assinados pela nossa equipe editorial, nutricional e educadores físicos.

Leia também:

Por quanto tempo tomar glutamina
Alimentação Bem-estar Saúde

Por quanto tempo devo tomar glutamina?

Veja recomendações importantes sobre o consumo prolongado

mulher correndo ao ar livre em uma ponte em cima de um rio
Bem-estar Movimento

Quando aumentar a distância na corrida?

Sente que os treinos estão ficando cada vez mais fáceis de completar? Talvez seja a hora de aumentar a distância na corrida. Entenda

Alimentação e hipertensão
Alimentação Bem-estar Saúde

Alimentação e hipertensão: o que priorizar e o que evitar?

O ideal é utilizar temperos naturais, como ervas e especiarias. Veja outras dicas