Vídeos do TikTok ativam áreas relacionadas à sensação de prazer

4 de maio, 2022

Você gasta bastante tempo do seu dia navegando no TikTok? O conteúdo do aplicativo é diverso e agrada a diferentes públicos. Na plataforma, coreografias com músicas do momento, receitas e tutorias de maquiagem e moda são encontrados aos montes. A temática varia de usuário para usuário, já que o algoritmo identifica qual segmento é de seu interesse e, assim, entrega um conteúdo condizente com o estilo de cada internauta. É comum ver pessoas fazendo uso do aplicativo durante o horário de lazer. Os conteúdos audiovisuais funcionam como um meio de distração e divertimento. Uma pesquisa recente descobriu por que os vídeos do TikTok conseguem prender tanto a atenção dos usuários.

Em setembro de 2021, a plataforma divulgou que havia alcançado a marca de 1 bilhão de usuários ativos por mês. O número espantoso não foi conquistado pela empresa à toa. Na verdade, um estudo realizado por pesquisadores da Universidade Zhejiang, da China, descobriu que a plataforma ativa áreas do cérebro ligadas à sensação de prazer e recompensa.

O estudo envolveu um grupo de 30 alunos da universidades, os quais tinham entre 19 e 30 anos. Todos os participantes faziam parte da comunidade do TikTok. Primeiramente, 46% deles afirmaram assistir todos os dias a mais de uma hora de vídeos do aplicativo. Além disso, mais de 90% deles respondeu que preferia os vídeos personalizados aos genéricos. Isto é, conteúdos detectados pelos algoritmos agradam mais os internautas do que aqueles que são entregues sem levar em consideração a atividade e as preferências do usuário.

Resultados

Os participantes assistiram aos dois tipos de vídeos — personalizados e genéricos. Por fim, os resultados revelaram que ambos ativam o SN (substância negra). Tal porção é responsável pela produção de dopamina no cérebro, neurotransmissor que influencia as emoções, inclusive a sensação de prazer. 

Os vídeos personalizados, entretanto, ativam mais áreas ainda, por exemplo, a ATV (Área Tegmentar Ventral). O agrupamento é responsável por abrigar os corpos neuronais dopaminérgicos e tem como uma das funções projetar tais neurônios para as demais estruturas do sistema de recompensa e prazer. Além disso, os vídeos indicados pelos algoritmos também influenciam positivamente subregiões do RDM (Rede de Modo Padrão).

Vício em vídeos do TikTok

Apesar de causar sensações positivas no corpo, passar tempo demais na plataforma pode colaborar para o desenvolvimento do vício. Tal situação é complicada, já que nada em excesso faz bem para a saúde.

O vício em vídeos do TikTok pode atrapalhar a produtividade e o rendimento do usuário em outras atividades. Além disso, passar muito tempo nas redes contribui para uma diminuição do foco atencional (ou seja, em uma tarefa só_, e influencia a aparição de sintomas ligados à ansiedade e à culpa. 

Existem alguns hábitos que podem ser adotados em prol de um uso mais consciente das redes sociais. Muitos dispositivos móveis já contam com a opção de saber o tempo investido em cada um dos aplicativos. De vez em quando, é interessante checar e conferir se você não está passando muitas horas do seu dia nessas plataformas. 

Caso você realmente perceba que o uso não está adequado, busque incorporar algumas dessas práticas na sua rotina:

  • Busque outros meios de ativar as áreas ligadas à sensação de prazer, como sair com amigos, ler um livro, cozinhar, brincar com um animal de estimação ou praticar algum exercício físico;
  • Faça uma lista com atividades que você gosta de fazer e busque investir pelo menos 10 minutos do seu dia em alguma delas (longe do celular, é claro);
  • Por fim, pratique respiração ou meditação;

Leia também: GutTok: saúde intestinal ganha espaço no TikTok