Síndrome da gaiola: O medo de voltar à escola

Bem-estar Equilíbrio
26 de Setembro, 2023
Síndrome da gaiola: O medo de voltar à escola

No Brasil, uma estatística sombria tem pairado sobre a saúde mental da população: somos líderes mundiais em prevalência de transtornos de ansiedade. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), 26,8% dos brasileiros receberam diagnóstico médico de ansiedade. A inquietante realidade se aprofunda quando se observa a faixa etária dos 18 aos 24 anos. Isso porque eles respondem por 31,6% das pessoas com esse transtorno, estabelecendo-se como a faixa etária mais afetada no país. Essa inquietação mental pode levar ao fenômeno “Síndrome da Gaiola”.

O termo é uma alusão aos pássaros que continuam em cativeiro. Isto é, crianças e adolescentes que não querem ter contato com o mundo exterior e apoiam-se nas modalidades virtuais. Entenda.

Leia mais: Ansiedade em crianças: conheça os sinais e como lidar

O que é a síndrome da gaiola?

A síndrome da gaiola é uma condição em que indivíduos, sufocados por ansiedades e pressões sociais, não querem sair de casa ou de seus quartos. Ou seja, relutantes em se aventurar no mundo exterior.

“O nome destaca a sensação de prisão e isolamento que caracteriza essa condição. Assim, enfatiza a importância de reconhecê-la e buscar ajuda para superar o ciclo de ansiedade, depressão e isolamento que pode resultar dela. O fenômeno ganhou proporções após a pandemia. Isso porque os jovens passaram a se sentirem mais seguros em casa”, comenta Juliana Frigerio, Diretora Acadêmica da WorldEd School, rede global de ensino americana.

Como lidar?

Estimular as crianças a interagirem com outras pessoas e com a natureza é fundamental para a saúde mental. Atua, ainda, no tratamento da síndrome. “Promover a conexão com os outros e com a natureza é uma das chaves para enfrentar a Síndrome da Gaiola. Além disso, para combater os altos índices de ansiedade. O Brasil pode liderar não apenas em prevalência, mas também na busca por soluções que fortaleçam a saúde mental de sua população. Assim, proporciona um ambiente favorável para o desenvolvimento emocional e social de seus cidadãos. É hora de quebrar as barreiras e criar laços para um futuro mentalmente mais saudável”, finaliza Frigerio.

Esse fator pode se tornar preocupante para os pais, pois a escola não proporciona apenas benefícios acadêmicos para os alunos. No entanto, é fundamental, já que contribui para a criação de valores, regras, politização, independência e habilidade de lidar com conflitos.

Sobre o autor

Julia Moraes
Jornalista e repórter da Vitat. Especialista em fitness, saúde mental e emocional.

Leia também:

foto de uma mesa arrumada para a ceia de natal
Alimentação Bem-estar Saúde

Festas de fim de ano e diabetes: como aproveitar com saúde

Dicas de quem convive com a condição para comemorar sem deixar a saúde e os cuidados de lado

3 receitas com bacalhau
Alimentação Bem-estar

3 receitas com bacalhau para as festas de final do ano

Versão com brócolis, batata e espinafre são alguns dos ingredientes. Veja como fazer!