Pitiríase: tipos, causas, tratamento e perguntas frequentes

26 de julho, 2022

A pitiríase é uma doença de pele que causa manchas de cores variadas, dependendo do tipo. A princípio, as marcas da pitiríase não são doloridas nem incômodas. Contudo, algumas pessoas com a condição podem sentir coceira e, em raras situações, a lesão se agrava e inflama.

Veja também: O que acontece com a pele quando você está estressado

Tipos de pitiríase

Existem três classificações para a enfermidade, que variam de acordo com a coloração das manchas e as causas. São elas:

Versicolor

Normalmente causada pelo fungo Malassezia furfur, que faz parte da pele humana. Quando o micro-organismo se prolifera, ocorre um desequilíbrio na produção de melanina, que torna-se deficiente em algumas partes do corpo. Como resultado, surgem lesões de cor amarela e acastanhada, mas que parecem brancas por causa da incidência da luz e do contraste com a pele.

Alba

De origem idiopática — ou seja, desconhecida — as manchas da pitiríase alba são brancas, ressecam e descamam. Apesar de não haver uma causa específica, a suspeita é de que alergias e ressecamento da pele favoreçam o quadro. No entanto, não existem estudos que comprovem essa teoria.

Rósea de Gilbert

Também sem uma razão específica, essa variação se destaca entre as demais por ser incômoda. Às vezes, a pessoa pode ter febre, falta de apetite e indisposição durante as crises, em que surgem grandes manchas vermelhas que coçam e inflamam; Ao redor das maiores, aparecem lesões menores e espalhadas pelo corpo. A aparência da lesão é semelhante à psoríase, em formato de placa. Diferentemente das outras, a rósea de Gilbert não costuma ser recorrente e se manifesta em determinadas épocas do ano, sobretudo na primavera e no outono. São pouquíssimos os casos de pessoas que sofrem com a condição por repetidas vezes.

Fatores de risco

Pessoas jovens e de pele morena são mais suscetíveis à pitiríase rósea, além de mulheres gestantes. Histórico de alergias e doenças dermatológicas também podem contribuir para as crises da enfermidade.

Diagnóstico da pitiríase

É feito no próprio consultório. Em geral, o médico analisa as manchas, há quanto tempo elas existem e determina o diagnóstico. Contudo, o profissional pode pedir alguns exames laboratoriais e biópsia para considerar outras doenças com sintomas parecidos.

Tratamento

Depende do tipo de pitiríase. Por exemplo, se for a versicolor, será necessário aplicar pomada antifúngica; para a rósea, que é mais aguda, o médico pode indicar pomadas com corticoides, que ajudam a reduzir a inflamação e a coceira. Por fim, para a alba, o uso de cremes emolientes é uma alternativa, pois as manchas tendem a ressecar e descamar. Algumas pessoas podem precisar de antialérgico, pois se coçam muito e precisam desse alívio para a recuperação da pele. Casos extremos, porém raros, não respondem ao tratamento e exigem outras opções, como as terapias de exposição a raios UVB. Durante os cuidados, é importante evitar a exposição ao sol para evitar as manchas da pele ou irritar as lesões.

Perguntas frequentes

Quais são as partes do corpo afetadas pela pitiríase?

Embora apareça em qualquer área do corpo, a pitiríase se concentra mais na parte frontal do tronco — peitoral e barriga, além de pernas e braços.

A pitiríase tem cura?

Se for devidamente tratada, a condição pode desaparecer completamente e sem deixar sinais na pele. No entanto, a pitiríase rósea pode deixar algumas manchas se a lesão foi profunda, mas que pode ser reversível com medicamentos apropriados.

Qual médico devo procurar?

O dermatologista é o especialista mais apto a diagnosticar e recomendar o tratamento da pitiríase, seja ela qual for.

Referências: Mayo Clinic; NHS UK; e American Academy of Dermatology Association.