Novo nome da varíola dos macacos: OMS anunciará mudança

14 de junho, 2022

A Organização Mundial da Saúde (OMS) anunciou nesta terça-feira (14) que haverá um novo nome da varíola dos macacos. A decisão de alterar o termo surgiu para evitar discriminação e estigmas relacionados à doença, que é típica de regiões remotas do continente africano. “A OMS está trabalhando com especialistas de todo o mundo para mudar o nome monkeypox [nome em inglês para varíola dos macacos], suas variantes e a doença que causa. Faremos anúncios sobre os novos nomes o mais rápido possível”, comentou Tedros Adhanom Ghebreyesus, líder da OMS durante a coletiva. Um artigo publicado no Virological reforça a necessidade de uma nova nomenclatura, pois a atual aumenta a discriminação e repressão da população dos países da África. O texto possui a colaboração e endosso de 29 cientistas de 11 países distintos.

Veja também: Afinal, o aumento dos casos de Covid-19 podem desencadear uma nova onda?

Além disso, o novo nome da varíola dos macacos é importante para reforçar que o vírus atual possui mutações diferentes do nativo africano. Ao contrário da varíola dos macacos “antiga”, que é uma zoonose — ou seja, seres humanos contraem o vírus por meio do contato com animais doentes — a variante se prolifera com o contato entre pessoas. Ainda não se sabe qual o principal meio de contágio do vírus atual. Mas evidências indicam que a infecção pode ocorrer por meio de relações sexuais e exposição a fluidos de pessoas contaminadas.

Novidades além do novo nome da varíola dos macacos

Outra informação relevante compartilhada no evento on-line da Organização foi uma reunião do comitê de emergência no próximo 23 de junho. O evento será decisivo para tratar ou não a varíola dos macacos como emergência de saúde pública global, aplicada à pandemia do coronavírus. Apesar do aumento de casos e da circulação em novos países, a enfermidade ainda não é sinônimo de preocupação nem fez vítimas fatais. Atualmente, o Brasil contém três casos confirmados: dois em SP e um no RS, além de seis suspeitos em monitoramento pelo Ministério da Saúde e secretarias regionais.