Jogos eletrônicos: Quando a diversão se torna uma doença

19 de novembro, 2021

Os jogos eletrônicos estão cada vez mais em alta, visto que diversas pessoas trabalham com isso. Mas apesar de parecer algo utilizado para distrair a mente, jogar games também virou uma doença.

A OMS (Organização Mundial da Saúde) já classifica a dependência em jogos eletrônicos como um transtorno. Inclusive, alguns países já têm clínicas privadas para tratar o distúrbio, como é o caso do Reino Unido. 

Leia também: Jogar videogames pode ser bom para a saúde mental

Causas

As razões para os games causarem dependência são inúmeras. Eles mantêm os usuários ligados ou conectados a jogos desafiadores com vários níveis de dificuldade, mas sempre com recompensas atraentes, conforme as etapas são vencidas.

“Tenho recebido muitas crianças e adolescentes em consultório com dependência de jogos. Crianças preenchendo critério para vício em eletrônicos, é alarmante. Há também a questão dos jogos violentos sendo usados por crianças e mesmo por adolescentes que ainda não tem uma estrutura emocional bem sedimentada. Há os jogos ansiogênicos, que nem sempre são violentos, mas que causam ansiedade e desconforto”, comentou Dra. Priscila Dossi, Médica psiquiatra, especialista em psiquiatria infantil e da adolescência pela Unicamp.

Dessa maneira, a especialista explica que o indivíduo passa a adquirir um alto grau de tolerância em frente às telas, passando cada vez mais tempo jogando. O tempo diante dos games aumentou ainda mais desde quando começou a pandemia – principalmente entre crianças e jovens.

E por se tratar de dependência, a abstinência também está presente. Quadros de ansiedade, insônia, irritabilidade e até tremores pelo corpo podem surgir quando o indivíduo é impedido de jogar.

“Precisamos levar em consideração também o conteúdo altamente violento de muitos jogos que são expostos às crianças e adolescentes sem nenhuma supervisão dos pais, supervisão essa, que muitas vezes é negligenciada para evitar atritos com os filhos”, ressalta a especialista.

Outro motivo que faz dos games algo viciante é que, segundo pesquisas, o jogador é bombardeado com altos níveis de dopamina. Esse neurotransmissor é responsável pela sensação de prazer, onde uma parte do cérebro, é motivada por recompensa. 

Portanto, quanto mais tempo o indivíduo passa jogando, mais dopamina é liberada no cérebro, causando mais dependência em experimentar aqueles estímulos a fim de aumentar a sensação de prazer. Um círculo vicioso é criado.

Sintomas do vício em jogos eletrônicos

É importante que os pais estejam atentos aos sinais. Portanto, veja abaixo:

  • Priorizar os jogos em relação a todo o resto;
  • Perder o controle sobre o impulso de jogar;
  • Descuido com a aparência e com a higiene pessoal;
  • Insônia e sono desregulado;
  • Problemas com a alimentação;
  • Abandonar os familiares e amigos.

Tratamento para o vício em jogos eletrônicos

“Como tratamento temos a psicoterapia cognitivo-comportamental como a opção mais utilizada em vício em jogos online. Assim, com o tratamento o paciente é levado a entender os aspectos de sua dependência, a partir daí, se cria condições para desenvolver maneiras de se relacionar socialmente, fora do ambiente dos jogos online”, completou a Dra. Priscila Dossi.

Fonte: Dra. Priscila Dossi, Médica psiquiatra, especialista em psiquiatria infantil e da adolescência pela Unicamp.

Sobre o autor

Julia Moraes
Julia Moraes
Repórter