Intoxicação ou alergia alimentar? Saiba como diferenciar as condições

Alimentação Saúde
12 de Janeiro, 2023
Intoxicação ou alergia alimentar? Saiba como diferenciar as condições

Dor de estômago e diarreia são sintomas comuns em casos de intoxicação e de alergia alimentar. Além disso, geralmente as duas condições podem acontecer após a ingestão de um alimento novo ou consumido em um lugar diferente. Com isso, podem surgir dúvidas – é intoxicação ou alergia alimentar? Especialistas reforçam a importância de diferenciar as condições para tratar adequadamente. Continue lendo e entenda.

Leia também: Alergias alimentares na infância: como (e quando) introduzir certos ingredientes?

Intoxicação ou alergia alimentar? Entenda as diferenças 

Apesar de apresentarem sintomas parecidos, a intoxicação e a alergia alimentar são coisas diferentes. A principal diferença entre as duas condições está na resposta do organismo ao alimento ingerido. Enquanto a intoxicação está ligada à ingestão de água ou alimentos contaminados por bactérias, a alergia é uma reação do sistema imunológico a um alimento em específico, gerando sintomas mais generalizados.

A seguir, confira mais informações sobre as condições e como elas devem ser tratadas.

Intoxicação alimentar 

De acordo com a médica alergista e imunologista Brianna Nicoletti, formada pela Universidade de São Paulo (USP) a intoxicação alimentar “é uma doença causada pela ingestão de água ou alimentos contaminados por bactérias (Salmonella, Shigella, E. coli, Staphilococus, Clostridium), vírus (Rotavírus), ou por suas respectivas toxinas, parasitas, por fungos ou toxinas.

A contaminação ocorre durante a manipulação, preparo, conservação e/ou o armazenamento da água ou dos alimentos”. Assim, a forma com que são servidos e expostos deixam esses alimentos facilmente contamináveis; sem a refrigeração necessária, como em buffets; manipulação e armazenamento de forma inadequada esses são os principais fatores para intoxicação alimentar.

Os primeiros sintomas podem surgir poucas horas após a ingestão de algo contaminado, variando de acordo com o micro-organismo causador. “O intervalo, no geral, vai de duas a 72 horas para o início dos sintomas”, explica a médica. Porém, os sintomas têm semelhança: náuseas, vômitos, diarreia, febre, dor abdominal, cólicas e mal-estar. “Nos quadros mais graves, ocorrem queda da pressão arterial, desidratação e perda de peso”, enumera.

Tratamento

O primeiro passo, ao sentir um dos sintomas, é fazer repouso e ingerir muito líquido (principalmente água, água de coco e isotônicos, e evitar bebidas gaseificadas com excesso de sódio. “Quando há risco de desidratação (com vômitos e diarreia), há medicamentos para controlar as náuseas e é necessário procurar ajuda médica para repor líquidos e sais por via endovenosa”, indica Brianna.

A boa notícia é que a maioria das intoxicações são leves e duram poucos dias. “As infecções bacterianas com colites e desidratação podem durar mais tempo. E, eventualmente, poderá ser necessário tratamento mais prolongado com antibiótico”, indica a médica. Daí a importância de consultar um médico para avaliar a gravidade e a necessidade do uso de medicamento.

Alergia alimentar

Trata-se de uma condição em que o indivíduo tem uma reação alérgica a algum componente de um determinado alimento, bebida ou aditivo alimentar que foi consumido. 

É fundamental deixar claro que a alergia pode surgir devido a qualquer substância. O motivo varia de acordo com a pessoa ou o histórico familiar dela. Geralmente, o grupo de alimentos que mais trazem desconto para um paciente são: frutos do mar, amendoim e castanhas, leite de vaca e sementes comestíveis.

Dessa forma, os sintomas mais comuns são reações na pele, ou seja, cutâneas, problemas gastrointestinais, respiratórias e cardiovasculares.

Tratamento

Por fim, a forma de tratamento dependerá da alergia que foi identificada no paciente. No entanto, em grande parte dos casos, a indicação é eliminar o alimento causador do problema. Além disso, o uso de cromolina via oral e corticoides para enteropatia eosinofílica também são ótimas alternativas.

 Fonte: Dra Brianna Nicoletti, alergista e imunologista pela Universidade de São Paulo (USP).

Sobre o autor

Redação
Todos os textos assinados pela nossa equipe editorial, nutricional e educadores físicos.

Leia também:

foto de folhas de citronela em uma bandeja de bambu
Bem-estar Casa Saúde

Planta citronela espanta mosquito da dengue?

A planta possui um óleo essencial desagradável para alguns insetos. Contudo, a citronela não deve ser a única estratégia para espantar o mosquito da dengue

ovo ajuda no ganho de massa
Alimentação Bem-estar

Aumentar o consumo de ovos ajuda no ganho de massa muscular?

Um adulto deve ingerir cerca de 1 a 3 ovos por dia, mas recomendação pode mudar dependendo individuais

Cinco habitos
Bem-estar Equilíbrio Saúde

Cinco hábitos indispensáveis para a saúde

Para iniciar uma mudança de comportamento, confira cinco atitudes simples para incorporar no dia a dia que trazem benefícios no futuro