Hormônio do crescimento age no cérebro e estimula o apetite

24 de setembro, 2021

Pesquisa realizada com camundongos mostrou como o hormônio do crescimento (GH, do inglês growth hormone) age no cérebro e estimula o apetite. Além de suas funções já conhecidas. O GH regula a capacidade da grelina, molécula conhecida como hormônio da fome, de induzir o aumento na ingestão de alimentos.

Assim, o trabalho, conduzido no Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade de São Paulo (ICB-USP), revelou que a grelina atua na glândula hipófise. Ou seja, estimulando a liberação de GH. Esses dois hormônios têm receptores no hipotálamo, região na base do cérebro com várias funções, entre elas a regulação do apetite.

“O rótulo de estimulador da fome deve ser, no mínimo, compartilhado entre grelina e GH. Pois, sem o efeito de estimulação da secreção de GH, a grelina também perde a capacidade de estimular o apetite”, afirma o pesquisador do ICB-USP José Donato Junior, um dos orientadores do estudo.

A pesquisa recebeu o apoio da FAPESP por meio de duas Bolsas de Pós-Doutorado (16/20897-3 e 17/25281-3) e de um Projeto Temático (20/01318-8). Os resultados foram divulgados na revista científica Endocrinology.

“Nossas descobertas em como o hormônio do crescimento estimula o apetite podem ter implicações futuras em terapias para controle de peso corporal e regulação da ingestão alimentar”, diz o pesquisador à Agência FAPESP.

Além disso, Donato lembra que outro grupo de cientistas já havia mostrado, em 2019, que quanto maior a taxa de GH, mais o cérebro produz o peptídeo AgRP, potente estimulador de apetite.

O estudo foi realizado com indivíduos com acromegalia. Que é uma doença crônica provocada por uma disfunção da glândula hipófise, que passa a produzir o GH em excesso e provoca aumento anormal de extremidades do corpo, como mãos, pés e rosto.

Como o hormônio do crescimento estimula o apetite

Esse trabalho se baseou em parte nos resultados de outra pesquisa desenvolvida no ICB-USP. Que apontou a atuação do GH diretamente no cérebro para conservar energia quando se perde peso, além de sua função de desenvolvimento ósseo e aumento de estatura.

Para entender a atuação dos dois hormônios, os pesquisadores da USP geraram camundongos machos geneticamente modificados que não possuíam receptor para o GH – especificamente em neurônios.

Mas, embora esses camundongos tenham mostrado aumento normal do GH após injeção de grelina, eles não apresentaram a resposta de estímulo do apetite esperada.

Além disso, exibiram níveis hipotalâmicos reduzidos de neuropeptídeos que estimulam a fome, como o Y. Com isso, os resultados revelam que a ação do GH no cérebro dos camundongos é necessária para o efeito estimulador da grelina na ingestão de alimentos.

Assim, a grelina, o único hormônio ligado à sensação de fome, é produzido pelo estômago. Enquanto outros hormônios gerados no intestino ou no tecido adiposo costumam causar sensação de saciedade. Descoberta em 1999, a grelina também está relacionada ao estresse. Ou seja, ajudando a entender o motivo de a fome mudar quando o organismo está exposto a situações extremas.

Já o GH foi descoberto há mais tempo, sendo que estudos da década de 1950 mostraram pela primeira vez sua estrutura. Até hoje é apontado como o fator mais importante ligado ao crescimento corporal.

Por outro lado, a falta desse hormônio pode provocar nanismo, quando o corpo não se desenvolve como deveria. Ou seja, fazendo com que a pessoa tenha uma altura máxima abaixo da média da população da mesma idade e sexo. Podendo variar entre 1,40 e 1,45 metro. Já o excesso leva ao gigantismo (menos comum atualmente, pois tem tratamento aplicado desde os primeiros anos da criança) ou à acromegalia.

Futuro

Donato afirma que os próximos passos da pesquisa estão voltados a compreender melhor como o GH atua no cérebro.

“Ou seja, isso nos aproxima de propostas terapêuticas. Pois, estamos testando um medicamento usado em casos de acromegalia para bloquear a ação do hormônio estimulador da fome. O problema são os possíveis efeitos colaterais, por isso temos que entender os mecanismos celulares usados pelo GH para afetar os neurônios.”

Leia também: Porque você come demais – e como acabar com esse hábito

O grupo do ICB-USP também publicou uma revisão de estudos na revista Frontiers in Neuroendocrinology, que compila informações sobre como o hipotálamo (controlador da ingestão alimentar e do metabolismo) regula o exercício físico ou é regulado por ele. O trabalho apontou que a combinação de abordagens fisiológicas e moleculares ajuda a entender a fisiologia do exercício em pontos como estratégias de perda de peso, aderência ao treinamento e desempenho.

Fonte: Agência FAPESP

Sobre o autor

Redação
Redação
Todos os textos assinados pela nossa equipe editorial, nutricional e educadores físicos.