Gordura na barriga e fraqueza muscular sinalizam declínio físico em homens

Bem-estar Movimento
06 de Outubro, 2022
Gordura na barriga e fraqueza muscular sinalizam declínio físico em homens

Não se trata de uma questão estética: a presença da gordura na barriga e fraqueza muscular acelera o declínio físico nos idosos. Com isso, aumentam-se os riscos de problemas mais graves, por exemplo quedas e até morte. Embora seja esperado que, com o passar da idade, a pessoa perca força e ganhe peso, esses dois fatores juntos já são um sinal da dificuldade que se aproxima em executar tarefas diárias.

A conclusão é de um estudo feito por pesquisadores da Universidade Federal de São Carlos, no interior paulista, e University College London (Reino Unido), que avaliou dados de quase quatro mil sexagenários britânicos ao longo de oito anos. O artigo está disponível no “The American Journal of Clinical Nutrition”.  

Gordura na barriga e fraqueza muscular: resultados do estudo

Para chegar ao resultado, os voluntários passaram pelos testes do “Short Physical Performance Battery” (SPPB). Ele avalia o desempenho físico a partir de parâmetros como velocidade ao caminhar, sentar-se e levantar de uma cadeira e equilíbrio. Assim, nos homens, aqueles que tinham mais gordura no abdômen e menos força nos músculos tiveram uma piora mais rápida durante o período de acompanhamento.

“Já se sabe que esses são sinais precoces do declínio funcional, aumentando o risco de quedas, incapacidade funcional e até óbitos”, explica a fisioterapeuta Roberta Máximo, uma das autoras do estudo.

Ainda que a pessoa não note grandes dificuldades no dia a dia ao tomar banho, se alimentar ou cuidar da casa, por exemplo, essas falhas no desempenho físico já sinalizam um prejuízo funcional. Seria uma espécie de transição até a incapacidade total.

“O processo de declínio funcional é progressivo. Normalmente há um marco, como uma queda, mas quando isso ocorre, já havia perda funcional antes”, diz Tiago da Silva Alexandre, professor do Departamento de Gerontologia da UFSCar e orientador da pesquisa. Identificar esse declínio a tempo pode ser essencial para evitar a incapacidade nas atividades diárias no futuro. 

Sabe-se que o pico de massa óssea e muscular é atingido, sobretudo, aos 30 anos de idade. Depois, perto dos 40, começa um processo de perda. No caso da força muscular, por exemplo, chama-se dinapenia. Nessa fase, também aumenta o acúmulo de gordura, principalmente na região da cintura. O excesso de tecido adiposo na barriga aliado à perda de força muscular chama-se obesidade abdominal dinapênica.

“Embora sejam processos separados, um exacerba o outro”, diz Roberta.

“Sabe-se que essa gordura é metabolicamente ativa e secreta fatores inflamatórios que facilitam a perda de massa muscular”, explica a geriatra Thaís Ioshimoto, do Hospital Israelita Albert Einstein. 

Atividades aeróbicas e musculação 

A boa notícia é que é possível reverter esse processo – se não totalmente, pelo menos em parte. Os idosos devem praticar pelo menos 150 a 300 minutos de atividade aeróbica de intensidade moderada ou pelo menos 75-150 minutos de atividade aeróbica de intensidade vigorosa e se engajar no mínimo duas vezes na semana com os chamados exercícios resistidos, como a musculação.

Por fim, também é preciso fazer um acompanhamento de perto, com testes e exames como a densitometria, para avaliar a saúde e capacidade física. Quanto antes começar, melhor.

“O ideal é se cuidar e adotar um estilo de vida saudável bem antes do processo de envelhecimento”, lembra Thais. 

Leia mais: Musculação para idosos: saiba se prática é indicada na terceira idade

Fonte: Agência Einstein

Leia também:

poke é saudável
Alimentação Bem-estar

Poke é saudável? Veja dicas na hora de consumir

Veja dicas de alimentos que não vão interferir no seu objetivo, seja emagrecer ou ganhar massa magra

mulher se consultando com um médico
Bem-estar Saúde

Preparação para a bariátrica vai além dos exames e envolve mudanças de vida

Antes de entrar no centro cirúrgico, o candidato à cirurgia bariátrica percorre um caminho de preparação que promete mais do que a perda de peso: uma

tempo em frente às telas
Alimentação Bem-estar Equilíbrio Saúde

Maior tempo em frente às telas está associado à piora da dieta de adolescentes

Pesquisa brasileira avaliou dados de 1,2 mil adolescentes e constatou que a maioria gasta mais de 2 horas de tempo em frente as telas