FOGO: Conheça mais sobre o medo de sair de casa

3 de julho, 2020

O isolamento social por conta da pandemia trouxe à tona sentimentos de frustração, ansiedade e medo. Com o passar do tempo, a flexibilização da quarentena foi adotada por diversos países e os comércios começaram a reabrir. No entanto, isso gerou um bloqueio dentro das pessoas em sair de casa, mais conhecido como “FOGO”.

O FOGO (abreviação em inglês de fear of going out, ou seja, medo de sair de casa) é um termo usado para descrever o medo excessivo de sair para a rua, semelhante à Síndrome da Cabana. Especialmente durante a pandemia do COVID-19, esse sentimento assumiu um grande papel. Isso porque somos constantemente bombardeados com notícias sobre ficar dentro de casa o máximo possível para controlar a propagação da doença. 

Os sintomas incluem medo irracional, pensamentos obsessivos acerca da doença, somatização e não conseguir desempenhar tarefas do dia a dia.

Segundo a psicóloga Mariete Duarte, um fator que pode contribuir para o surgimento do FOGO é a personalidade introvertida e a depressão. Isso porque pessoas com essas condições ficam vulneráveis por já terem uma predisposição à desesperança e à catástrofe (imaginar e vivenciar o pior cenário).  

Até que ponto o medo pode ser saudável

O medo é um sentimento natural, serve como um termômetro quando nos sentimos ameaçados diante de uma situação desconhecida, como o novo coronavírus.

Assim, esse medo deixa de ser genuíno (um cuidado) e passa a ser excessivo quando a pessoa começa a ter sentimentos paranoicos persistentes. Como por exemplo, não sair de casa por achar que vai ser infectado e não compreender que a doença pode ser tratada ou prevenida. Consequentemente, quando o medo fica tão intenso, o indivíduo tem um pensamento concreto de morte eminente. Também, quem convive com o medo de sair geralmente carrega um sentimento de ansiedade ou estresse ao voltar ao ambiente de trabalho, usar transportes públicos e até mesmo ficar em filas. 

“Ter um pouco de medo é normal, mas quando ele nos impede e nos paralisa, isso impossibilita que ele exerça o seu papel essencial em nossas vidas no cotidiano, tomando uma grande proporção e virando patológico” explica a psicóloga.

Leia também: Atividades que ajudam a lidar com o estresse na quarentena

Tratamento

Quando esse medo afeta sua rotina diária negativamente, é essencial buscar ajuda profissional. Assim como outras condições, para o FOGO também existe tratamento. Contudo, apenas profissionais da saúde poderão avaliar se é necessário a psicoterapia ou o uso de medicamentos. 

Além disso, veja algumas dicas da especialista para evitar com esse medo específico:

  • Mantenha pensamentos saudáveis.
  • Tenha uma rotina diária mesmo sem sair de casa.
  • Crie um horário para cada tarefa.
  • Cuide da alimentação.
  • Pratique atividade física frequentemente.
  • Evite ver notícias que abordam apenas as mortes.
  • Mantenha o contato social pela internet, para ficar mais próximo de pessoas queridas, mesmo que à distância.

Fonte: Mariete Duarte, psicóloga da Clínica Maia.

Sobre o autor

Julia Moraes
Julia Moraes
Jornalista e repórter da Vitat. Especialista em fitness, saúde mental e emocional.