Fitato (ácido fítico): O que é e quais os riscos para a saúde

Alimentação Bem-estar
30 de Outubro, 2020
Fitato (ácido fítico): O que é e quais os riscos para a saúde

O fitato, também chamado de ácido fítico, é um composto antinutricional, ou seja, que tem a capacidade de impedir ou ao menos dificultar a absorção de nutrientes no organismo. A princípio, ele está presente em determinados tipos de alimentos, especialmente grãos e leguminosas. Nas plantas, esse composto é essencial para o amadurecimento das sementes.

Em geral, ele não deve causar alarde, porém, em pessoas que sofrem de problemas de desnutrição, ele pode agravar o quadro e impactar negativamente a saúde. Por isso, é importante entender quais os riscos que esse composto possivelmente impõe sobre a saúde.

Possíveis riscos do fitato para a saúde

Quadro de anemia

Antinutrientes dificultam a absorção de outros nutrientes, como é o caso do fitato (antinutriente) e do ferro, o nutriente cuja absorção é prejudicada. Por isso, ingerir o fitato excessivamente por acarretar em um quadro de anemia (deficiência de ferro no sangue).

Ainda, é importante alertar que a anemia pode ser especialmente prejudicial durante a infância. Um estudo realizado na Universidade Federal de Pelotas (UFPel) analisou os impactos da falta de ferro em crianças com menos de 6 anos.

Metabolismo desacelerado

Outro nutriente cuja absorção é prejudicada pelo fitato é o zinco. Em resumo, o zinco é essencial para o metabolismo de carboidratos, proteínas, lipídeos e ácidos nucleicos. Dessa forma, é muito importante para uma boa cicatrização, para a imunidade e mais. Sendo assim, a deficiência de zinco em decorrência da grande ingestão de fitato pode ser prejudicial de diversas formas.

Saúde dos ossos prejudicada

Ainda, a absorção de cálcio também é afetada, porém, em menor escala. No entanto, a importância do cálcio é enorme e sua deficiência poderia implicar em problemas nos ossos, como a osteoporose, nos dentes, na pele, nos dentes e nas unhas.

Então, como evitar a ingestão de fitato?

Os alimentos ricos em fitato são principalmente os grãos, os legumes e as leguminosas, como o feijão e o grão-de-bico. Portanto, para melhorar o valor nutricional deles e reduzir a presença da substância, há duas técnicas que podem ser usadas:

  • Desfosforilação – consiste na remoção de grupos fostato da estrutura química dos fitatos e acontece naturalmente durante a estocagem, remolho, fermentação, processamento e cocção dos cereais e leguminosas;
  • Remolho (ou lavagem) – essa é uma técnica simples e fácil de ser feita em casa antes do preparo dos alimentos: basta hidratar os grãos e sementes até que eles alcancem seu peso máximo, para que haja a redução de componentes solúveis em água, como é o caso do fitato. Não se esqueça: essa água deve ser descartada e o cozimento precisa ser feito em água limpa. Além de eliminar esses antinutrientes, fazer o remolho das leguminosas as torna mais macias, o que facilita o seu cozimento e a mastigação. Além disso, seu sabor é realçado.

Leia mais: Remolho das leguminosas: O que é e como fazer

Sobre o autor

Nathália Lopes
Estagiária de Jornalismo

Leia também:

Lapsos de memória
Bem-estar Equilíbrio Saúde

Lapsos de memória: 8 principais fatores e como evitá-los

Rotina sobrecarregada, estresse e noites maldormidas são algumas das causas

Quando mudar a rotina de skincare
Beleza Bem-estar

Rotina de skincare: quando mudar os produtos? Dermatologista explica

Segundo a dermatologista, apesar da percepção, a pele continua se beneficiando da rotina

aveia com limão
Alimentação Bem-estar

Dieta Oatzempic: suco de aveia com limão realmente emagrece?

Shake não oferece riscos, mas não cumpre efeitos milagrosos na perda de peso