Dismorfia corporal: o que é, sintomas e como tratar

Bem-estar Equilíbrio
12 de Julho, 2023
Dismorfia corporal: o que é, sintomas e como tratar

Para algumas pessoas, se olhar no espelho pode ser uma tarefa difícil. Isso porque além da insatisfação com o próprio corpo, elas tendem a se preocupar exageradamente com a aparência. Mas essa rejeição está relacionada a algo mais grave: dismorfia corporal.

No Brasil, a condição afeta cerca de 2% da população, cerca de 4,1 milhões só no Brasil. Considerando somente as mulheres, o percentual sobe para 2,5%. Além disso, a percepção de defeitos físicos tende a aparecer mais entre 18 e 30 anos, mas também pode permanecer em alta na terceira idade. Saiba mais a seguir! 

O que é dismorfia corporal?

Também conhecido como transtorno dismórfico corporal, o transtorno mental é caracterizado pela preocupação obsessiva com o próprio corpo. Dessa maneira, quem sofre com este distúrbio tem a percepção de um defeito imaginário no próprio corpo, o que faz com que acredite que todos percebem essa anomalia.

Por isso, surge um comportamento de vergonha da própria imagem, desconforto na presença de outras pessoas e, muitas vezes, a busca por soluções como cirurgias. 

Sintomas da dismorfia corporal

Os sintomas podem variar entre cada pessoa. Mas os sinais mais comuns da dismorfia corporal incluem:

  • Preocupação exagerada com a aparência;
  • Busca constante de alternativas para solucionar os “defeitos” de aparência;
  • Trocar de roupa frequentemente para cobrir as “imperfeições”;
  • Insatisfação em relação a procedimentos anteriores;
  • Comparação constante com outras pessoas;
  • Evitar eventos e interações sociais;
  • Sentimento de angústia;
  • Ansiedade e depressão;
  • Comportamento suicida.

Possíveis causas

A dismorfia corporal é complexa e pode envolver uma série de fatores que vão desde questões genéticas, neuroquímicas e até ambientais. A seguir, confira as principais causas:

1 – Experiências traumáticas: traumas como abuso físico, emocional ou sexual, bullying ou até mesmo críticas constantes em relação à aparência, podem contribuir para o desenvolvimento do transtorno.

2 – Insegurança e baixa autoestima: pessoas com esse quadro tendem a criar uma imagem distorcida de si mesmo.

3 – Questões genéticas: alguns genes podem aumentar os riscos de se ter dismorfia corporal. Além disso, um histórico familiar de transtornos, depressão e ansiedade também aumentam as chances de desenvolver o transtorno em algum momento da vida. 

4 – Problemas na produção de serotonina: o neurotransmissor conhecido como hormônio do bem-estar pode estar em desequilíbrio e aumentar as chances de transtornos corporais, além de depressão e ansiedade. 

Leia também: Como a saúde bucal influencia na saúde emocional

Como identificar?

Na maioria das vezes, o diagnóstico para a dismorfia pode demorar para acontecer, justamente pelo sentimento de vergonha e constrangimento que as pessoas sentem ao revelar seus sintomas. Contudo, um psicólogo ou psiquiatra são profissionais aptos para identificar a condição através dos sintomas e queixas do paciente e encaminhá-lo para o devido tratamento. 

Portanto, ao se identificar com os sintomas listados acima, as pessoas devem procurar atendimento psicológico para serem avaliadas.

Tratamento para dismorfia corporal

A boa notícia é que existe tratamento para o transtorno, confira a seguir! 

Terapia Cognitivo-Comportamental (TCC)

A terapia é a alternativa mais comum em casos de dismorfia corporal. Em conjunto com o terapeuta, o paciente poderá identificar padrões de comportamento negativos e também pode modificar pensamentos distorcidos em relação à sua aparência. Dessa forma, o paciente será guiado para aumentar a sua autoestima e autoaceitação. 

Medicamentos

Antidepressivos e ansiolíticos também podem fazer parte do tratamento e são úteis para atenuar os sintomas relacionados à dismorfia. Contudo, vale ressaltar que essa alternativa pode variar de caso para caso, sendo que a avaliação de um médico psiquiatra é essencial para a decisão do tratamento medicamentoso, como também a devida prescrição. 

Onde buscar ajuda?

Além de clínicas de psicologia, o paciente também pode buscar atendimento de emergência para lidar com as complicações da dismorfia nos seguintes locais:

  • CAPS – Centros de Atenção Psicossocial;
  • UBS – Unidades básicas de Saúde;
  • Samu – telefone 192;
  • Hospitais;
  • Centro de Valorização da Vida – telefone 188.

 

Sobre o autor

Redação
Todos os textos assinados pela nossa equipe editorial, nutricional e educadores físicos.

Leia também:

Chás pré e pós-treino
Alimentação Bem-estar

Chás pré e pós-treino: veja as melhores opções

O chá é a segunda bebida mais consumida mundialmente, depois da água, sendo o Brasil um dos maiores consumidores. De acordo com um balanço da Euromonitor

Lapsos de memória
Bem-estar Equilíbrio Saúde

Lapsos de memória: 8 principais fatores e como evitá-los

Rotina sobrecarregada, estresse e noites maldormidas são algumas das causas

Quando mudar a rotina de skincare
Beleza Bem-estar

Rotina de skincare: quando mudar os produtos? Dermatologista explica

Segundo a dermatologista, apesar da percepção, a pele continua se beneficiando da rotina