Dia dos avós: qual o papel dos avós na educação das crianças?

26 de julho, 2022

Você sabia que todo ano, em 26 de julho, é comemorado o dia dos avós? A data surgiu em Portugal, no dia de Santa Ana e São Joaquim, que, segundo a tradição da igreja católica, são os avós de Jesus Cristo. 

O objetivo desta data é homenagear o avô e a avó, que são considerados os mais sábios por conta das vivências e conhecimentos. Além disso, esse dia relembra a importância da família e o valor que isso tem na formação de todos nós. 

Importância dos avós no desenvolvimento das crianças

Para Rejane Sbrissa, psicóloga cognitiva, os avós são extremamente importantes no desenvolvimento psíquico das crianças. “Eles são como segundos pais, só que mais vividos. É um vinculo de amor sincero e incondicional na vida dos netos, que se sentem amparados emocionalmente”, explica.

De acordo com a especialista, os avós são fundamentais para aliviar a rotina intensa dos pais, que, nos dias atuais, são mais ausentes por conta do trabalho.  

Leia também: Programas de culinária estimulam alimentação saudável em crianças

“A criança recebe mais estímulos em relação à alimentação saudável, brincadeiras instrutivas, passeios diferentes, entre muitas outras coisas. Os avós são importantes na compreensão da estrutura familiar, pois eles ajudam as crianças a entenderem sobre a história da família. E os ensinamentos práticos, como cozinhar, costurar e escrever, por exemplo, somam valores a vida da criança”, ressalta Rejane.

Além disso, quem não ama chegar na casa dos avós e saborear tantas comidas deliciosas, feitas especialmente por eles, não é mesmo? “Isso e muito mais ficarão gravados na memória dos netos para sempre!”, diz a psicóloga.

Dia dos avós: educação das crianças

Uma boa educação pelos avós inclui deixar claro os papéis de cada um na família. Segundo Rejane, é importante ressaltar que os avós podem ser participativos na educação e criação dos netos, mas sempre respeitando as decisões e opiniões dos pais.

Inclusive, muitas crianças, na ausência dos pais, são criadas pelos avós. “Apesar da falta dos pais, elas sentem um amor maior e com mais reconhecimento pelo esforço dos avós. O que aumenta a proximidade e a convivência”, explica Rejane.

Como lidar com a ausência?

Para os que cresceram sem um avô ou uma avó, por motivos de falecimento ou distanciamento físico, não é nada fácil lidar com a ausência. Isso porque a maioria das crianças crescem vendo a convivência dos amigos com os avós.

Por isso, é importante que os pais tentem incluí-los de alguma forma na vida das crianças. “Seja contando histórias sobre eles, dizendo como eles são ou eram, contando sobre os aprendizados que tiveram com os avós ou mostrando fotos constantemente”, finaliza a psicóloga.

Fonte: Rejane Sbrissa, psicóloga cognitiva.

Sobre o autor

Julia Moraes
Jornalista e repórter da Vitat. Especialista em fitness, saúde mental e emocional.