Como escolher o colchão ideal para uma boa noite de sono

29 de outubro, 2021

Quando o assunto é dormir bem, saber como escolher o colchão mais adequado é fundamental. Afinal de contas, um item inapropriado pode causar dores, desconfortos e até processos alérgicos. Mas em meio a tantas opções que o mercado oferece, como saber qual modelo é o ideal para você? A seguir, confira as orientações de especialistas para acertar na escolha.

Como escolher o colchão

Atente-se à postura

“O ideal é dormir de lado ou de barriga para cima. Assim, quem olha a pessoa deitada, precisa observar que a coluna está reta, então o colchão não pode ser nem muito mole, nem muito duro”, certifica Alexandre Fogaça Cristante, presidente da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia Regional SP (SBOT-SP).

O médico explica que se o colchão for muito duro, ele não irá se adequar às reentrâncias do corpo. Por outro lado, se for muito mole, irá afundar na região da bacia, de maior peso. Ou seja, o problema nas duas situações é a danificação da coluna, por isso o meio-termo é o mais indicado. 

Leia também: Benefícios de dormir com um travesseiro entre as pernas

Material importa?

Contando que a coluna esteja reta, tanto faz se o colchão for de mola ou espuma. “Não existem evidências científicas robustas quanto à superioridade de um material em relação a outro. Mas, o importante é que o colchão seja confortável, que mantenha um bom controle de temperatura e que se adeque às características anatômicas de cada pessoa”, argumenta Caio Bonadio, psiquiatra da Vigilantes do Sono.

Como escolher o colchão: Por dentro da densidade

Outro termo técnico que se aplica aos colchões é a densidade. Representada por um número, essa característica indica quanto de matéria-prima foi utilizada para cada metro cúbico do colchão. Isso significa que quanto maior a densidade, mais peso o acessório irá suportar sem deformar. 

Para cada pessoa, portanto, caberá uma densidade mais adequada, a depender do peso e da estatura do indivíduo. Os fabricantes normalmente disponibilizam uma tabela onde é possível verificar essas informações, para identificar a densidade e o modelo mais apropriado para cada consumidor.

Como escolher o colchão para casais

Para saber como escolher colchão para casal, as mesmas regras devem ser adotadas, mas levando em conta os dois indivíduos. “Normalmente se usa a média de peso e altura do casal”, coloca Alexandre.

Hora de trocar

Irregularidades e falta de rigidez ou flexibilidade para manter a coluna reta são indícios de que o colchão deve ser trocado, alerta o ortopedista. Caio completa que sinais como acordar com dor no corpo, não se sentir confortável ao dormir (mesmo tentando várias posições diferentes) ou apresentar processos alérgicos reforçam que é o momento da troca. 

“Um colchão inadequado pode ser um interruptor do sono externo, ou seja, um estímulo externo que fragmenta o sono da pessoa”, avisa o psiquiatra. Nesse contexto, adverte Caio, o indivíduo pode colher as consequências de uma noite mal dormida, como prejuízos de memória e concentração, alterações de humor, sonolência diurna e até agravamento de condições pré existentes, como dor crônica e comorbidades como ansiedade, depressão e doenças cardiovasculares. 

Só para dormir!

Sabendo como escolher colchão, a vontade pode ser passar o dia na cama! Vale lembrar, contudo, que a indicação é ficar no colchão só para dormir. “Assim, o sono é um processo ativo produzido pelo nosso cérebro. Porém, o cérebro tem que entender qual é a hora que ele deve começar a produzir o sono”, explica Caio. Por fim, de acordo com o psiquiatra, devemos oferecer referências para que o órgão saiba identificar quando estamos mais e menos ativos, assim como associar a cama ao sono. Mas, se dedicamos outras atividades ao ambiente de dormir, o cérebro irá relacioná-lo à vigília, e consequentemente o corpo não irá relaxar para o merecido descanso.

Fontes: Alexandre Fogaça Cristante (CRM-SP 90.738), presidente da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia Regional SP (SBOT-SP), e Caio Bonadio (CRM-SP 157.283), psiquiatra da Vigilantes do Sono.

Sobre o autor

Redação
Redação
Todos os textos assinados pela nossa equipe editorial, nutricional e educadores físicos.