Ajudar o próximo faz bem: estudo mostra benefícios do gesto à saúde

Bem-estar Equilíbrio
15 de Maio, 2023
Ajudar o próximo faz bem: estudo mostra benefícios do gesto à saúde

A pandemia de COVID-19 afetou gravemente a todos. Sobretudo os idosos que, por serem mais vulneráveis à infecção, enfrentaram restrições severas de contato para conter a propagação da doença. Mas, neste cenário, quem se lembra do valor que deu quando viu alguém ajudar o próximo diante no caos instalado no mundo? Pequenos gestos, como fazer compras no mercado para evitar a saída de idosos, fizeram toda a diferença.

Com o objetivo de avaliar o impacto dos atos de bondade à saúde, o Einstein realizou uma pesquisa e descobriu que fazer o bem só faz bem.

Veja também: Afinal, como fortalecer a mente para corridas de longa distância?

Como a pesquisa investigou os efeitos de ajudar o próximo?

A pesquisa foi realizada com voluntários, colaboradores e residentes do Residencial Israelita Albert Einstein (RIAE), criado para cuidar dos idosos. Como base, o estudo usou um projeto de pré-teste e pós-teste dentro do mesmo grupo para identificar se haveria uma diferença.

A primeira rodada de coleta de dados ocorreu antes do retorno das atividades lideradas por voluntários; já e a segunda rodada, logo após um mês de retorno. Ao todo participaram das duas etapas 79 pessoas, sendo 29 residentes, 27 voluntários e 23 colaboradores do RIAE.

“Nosso objetivo foi evidenciar de forma científica se realmente ajudar o próximo faz bem e conseguimos”, afirma Carla Patrícia Grossi, coordenadora assistencial do Residencial.

Fazer o bem impactou na autoestima e na qualidade de vida

Como resultado, o estudo indicou melhorias após o retorno de um mês em diferentes aspectos da qualidade de vida para os três grupos. Voluntários apontaram melhorias nas relações pessoais (30%); residentes na saúde geral com a volta das atividades (52%); e colaboradores na qualidade de vida (35%).

Além disso, o levantamento contou com a coleta de depoimentos de integrantes dos três grupos. Por exemplo, entre os voluntários, frases como: “Eu me sinto útil. Acho que tudo isso move o meu dia. O trabalho presencial me faz sentir útil. Minha autoestima física e emocional disparou. Ajudar os outros me ajuda muito.”

Já entre os colaboradores: “Foi importante porque as rotinas diárias estão voltando ao normal. Percebemos uma menor demanda dos idosos em relação ao atendimento médico. A alegria dos idosos é evidente”.

Por fim, entre os idosos residentes: “Passei a interagir mais com as pessoas e melhorei meu bem-estar físico. Conhecer pessoas foi importante. Logo após o retorno, passamos a fazer pizza aos sábados para reunir e contar histórias.”

Atualmente, o RIAE tem 114 idosos com idades entre 63 e 105 anos, e conta com uma equipe multidisciplinar de 269 profissionais.

“Estamos falando de um lugar acolhedor, com moradores com muitas histórias e uma força de vida muito grande. Ter uma restrição de contato foi difícil para eles e todos nós, mas resgatar o que tínhamos nos mostrou a grandeza que é viver, trocar e a ajudar o outro”, finaliza Telma Sobolh, presidente do Voluntariado Einstein.

O grupo conduz atividades culturais, de entretenimento e acolhimento, oferecendo opções de lazer e proporcionando um cotidiano saudável aos que ali residem.

Sobre o autor

Redação
Todos os textos assinados pela nossa equipe editorial, nutricional e educadores físicos.

Leia também:

poke é saudável
Alimentação Bem-estar

Poke é saudável? Veja dicas na hora de consumir

Veja dicas de alimentos que não vão interferir no seu objetivo, seja emagrecer ou ganhar massa magra

mulher se consultando com um médico
Bem-estar Saúde

Preparação para a bariátrica vai além dos exames e envolve mudanças de vida

Antes de entrar no centro cirúrgico, o candidato à cirurgia bariátrica percorre um caminho de preparação que promete mais do que a perda de peso: uma

tempo em frente às telas
Alimentação Bem-estar Equilíbrio Saúde

Maior tempo em frente às telas está associado à piora da dieta de adolescentes

Pesquisa brasileira avaliou dados de 1,2 mil adolescentes e constatou que a maioria gasta mais de 2 horas de tempo em frente as telas