4 lições sobre aceitação corporal que aprendemos com Camila Cabello

Bem-estar Equilíbrio
14 de Outubro, 2022
4 lições sobre aceitação corporal que aprendemos com Camila Cabello

Fotos e vídeos da Camila Cabello de biquíni na praia e correndo ao ar livre circularam nas redes sociais no ano passado. O resultado? Uma sequência de comentários depreciativos sobre o corpo e a aparência da cantora. De acordo com uma pesquisa da Dove, realizada com portuguesas, o principal insulto que as mulheres recebem tem a ver com seus pesos. O body shaming nasce, então, desse lugar de julgamento, em que a existência de um corpo fora do padrão incomoda muita gente a ponto de gerar uma produção de comentários negativos sobre a forma física alheia. Desde a série de críticas que recebeu (e ainda recebe), Camila Cabello fomenta discussões sobre aceitação corporal e amor próprio – e, assim, ela deixa uma série de lições que, sobretudo, nós, mulheres, devemos aprender.

Olhar para o corpo por um outro ângulo

Você já deve ter ouvido falar que o seu corpo é o seu templo, certo? Mas ele é mais do que isso. O seu corpo é a sua casa, é o seu transporte, é a sua vitrine e deve ser o seu conforto. A cultura da magreza, muitas vezes, faz com que se perca de vista o real motivo de cultivar hábitos bons, por exemplo comer saudável e se exercitar com frequência. 

A estética pode fazer parte do seu objetivo, mas quando ela vem acima da saúde, é momento de refletir. Por isso, não podemos nos esquecer que é por meio do corpo que conseguimos nos deslocar, dançar, escrever, abraçar e sorrir. Lembre-se: ele é mais do que um manequim de cintura fina, músculos definidos e abdômen trincado.

“Estar em guerra com seu próprio corpo é tão antiquado… Eu sou grata por esse corpo que me permite fazer o que eu quero e o que eu preciso. Somos mulheres reais, com curvas, celulite, estrias e gordura. E nós temos que lidar com isso, bebê”, é o que diz Camila.

Nem tudo que se vê é real

As redes sociais se tornaram o cenário ideal para a pressão estética florescer. Comparações injustas resultam em uma enorme insatisfação corporal, que, em muitos casos, termina em uma busca infactível por um determinado corpo. 

A cantora latina escreveu em um post no Instagram sobre essa onda de corpos irreais na internet e como eles podem se tornar uma armadilha. “As pessoas estão usando retoques nas fotos, editando imagens, e achando que isso é a realidade. Todo mundo está acostumado com isso e de repente essa é a regra. Não. Isso é falso. Nós temos uma visão completamente irreal dos corpos de mulheres. Meninas, celulite é normal. Gordura é normal. É lindo e natural. Não vou aceitar essas besteiras hoje. Hoje não. E eu espero que vocês também não”.

No processo de aceitação corporal, sempre vai existir alguém para comentar

Infelizmente, ainda é muito cultural o hábito de fazer comentários sobre os corpos alheios. Por isso, é bastante provável que sempre exista alguém dizendo o que você deve ou não fazer, ou que você está magra demais ou, quem sabe, gorda demais. 

Mesmo depois de ter sido alvo de body shaming nas redes sociais e de ter se empoderado em relação ao próprio corpo, Camila segue tendo que lidar com as opiniões de terceiros, mas hoje, enxerga a beleza na diversidade. Afinal, entende que nunca conseguirá agradar a todos.

“Na minha família, há mulheres com todos os tipos de corpos. Às vezes me dizem que preciso comer mais, que estou muito magra, aí [a visão americana] dizem que não estou magra. Diferentes culturas veem a mulher de maneiras diferentes”, disse em entrevista. “Seria triste se todos nós fôssemos iguais, não seria divertido. São diferentes corpos, todos têm sua beleza”, completou.

Silenciar para se permitir ser

Recentemente, a cantora confessou que evita ler comentários nas redes sociais, não só sobre o seu corpo, mas do seu trabalho como artista também. Na época que começaram a circular as suas imagens de biquini na praia, Camila admitiu o quanto os comentários a machucaram. 

“Usei biquínis pequenos e não me importei com a minha aparência. Então vi fotos online e comentários e fiquei tão chateada. Eu lembrei de como isso impactou minha autoestima e como eu estava pensando de acordo com a cultura e não os meus pensamentos”, desabafou.

Aceitação corporal

Camila Cabello pode, hoje, ser considerada uma inspiração para muitas mulheres que buscam aceitação corporal. Todas essas lições que ela transmite sendo uma figura pública ajudam a nortear esse processo. Entretanto, crenças enraizadas e traumas não vão embora do dia para a noite. Não podemos esquecer que antes de estar nesse lugar de amor próprio e empoderamento, Camila também duvidou de si. Paciência e acolhimento são essenciais para que essas mudanças internas aconteçam. Além disso, em alguns casos, o acompanhamento psicológico pode ser crucial. 

A aceitação corporal é um propósito diário e constante, mas que não deve ser visto como mais uma meta a ser cumprida custe o que custar. Ela exige tempo e cuidado. Não é linear, mas vale a pena.

Vamos juntas?

Leia também: Cultura da magreza: as lutas de quem convive com um transtorno alimentar

Leia também:

Por quanto tempo tomar glutamina
Alimentação Bem-estar Saúde

Por quanto tempo devo tomar glutamina?

Veja recomendações importantes sobre o consumo prolongado

mulher correndo ao ar livre em uma ponte em cima de um rio
Bem-estar Movimento

Quando aumentar a distância na corrida?

Sente que os treinos estão ficando cada vez mais fáceis de completar? Talvez seja a hora de aumentar a distância na corrida. Entenda

Alimentação e hipertensão
Alimentação Bem-estar Saúde

Alimentação e hipertensão: o que priorizar e o que evitar?

O ideal é utilizar temperos naturais, como ervas e especiarias. Veja outras dicas