ENEM: Dicas de estudo para jovens com TDAH

12 de maio, 2022

As inscrições para o ENEM (Exame Nacional do Ensino Médio) já iniciaram e, conforme a data da prova se aproxima, as pessoas precisam lidar com a ansiedade

Manter a concentração neste período é uma tarefa difícil para todos, principalmente para jovens com TDAH. O transtorno do déficit de atenção com hiperatividade é caracterizado por um padrão persistente de desatenção e/ou hiperatividade-impulsividade. Assim, interfere no funcionamento e no desenvolvimento da pessoa.

Leia mais em: TDAH: Transtorno do déficit de atenção com hiperatividade

Para ajudar a criar uma rotina de estudos para o ENEM, a neuropsicóloga Bárbara Calmeto, diretora do Autonomia Instituto, sugere cinco estratégias:

ENEM: crie uma rotina de estudo

Ter uma rotina é muito importante para organizar o tempo. Portanto, crie um cronograma de estudos e cumpra todos os dias no mesmo horário, pela mesma quantidade de horas e no mesmo local.

Uma boa dica é observar os horários em que está mais atento e disponível. Intercale as horas de estudo com pausas para descanso. Você também pode optar por fazer um lanche ou conversar com amigos, como estratégia para eliminar o tédio.

Leia também: 90% das crianças com TDAH manifestam algum sinal do transtorno na idade adulta

ENEM: evite distrações

O ideal é escolher locais com poucas distrações, como por exemplo, janelas e portas. Dê preferências a ambientes iluminados, tranquilos e sem ruídos ou falatórios. 

Além disso, prefira estudar em momentos onde a casa esteja o mais silenciosa possível. No momento do estudo, celulares, televisão, computadores, etc, devem ser desligados. Os dispositivos eletrônicos desviam a atenção do estudante e atrapalham a concentração. Lembre-se que uma mosca pode tirar a concentração, então tente controlar os distratores que estão ao seu alcance.

Inclua atividades concretas e dinâmicas

Ficar muito tempo parado pode ser uma tortura para quem tem TDAH. Por isso, uma boa forma de superar obstáculos durante o aprendizado é incluir processos dinâmicos na rotina. Escreva ou desenhe para deixar mais visual, abuse de recursos como gráficos, imagens, listas, cores diferentes (marca textos), vídeos educativos, atividades práticas etc. Com essas estratégias, será possível associar o conteúdo teórico com a experiência prática vivenciada.

Nos intervalos, faça atividades motoras e físicas, artísticas ou livres, incluindo:

  • Revezar os estudos com outras atividades que envolvam a manipulação de materiais;
  • Usar técnicas de memorização associadas a gestos;
  • Gravar vídeos “dando aula” sobre alguns assuntos como se estivesse ensinando pra si mesmo.

Metas diárias

Ter disciplina é crucial para definir objetivos e encontrar uma forma de lembrar deles a todo momento. Vale fazer anotações nos cadernos com post-its ou instalar aplicativos no celular para cada horário de estudo. Dessa forma, o importante é manter esta prática diariamente, refletindo sobre o que precisa ser feito.

Assim, a prática permanente funciona como um estímulo extra para o cérebro e permite que as tarefas e os compromissos fiquem frescos na mente.

Leia também: Novo aplicativo de celular pode ajudar a identificar TDAH e Alzheimer

Autoconfiança

É fundamental que o estudante acredite no seu potencial e busque ajuda terapêutica, quando necessário. Afinal, o déficit de atenção não limita suas habilidades e capacidades.

Desse modo, para melhorar a autoconfiança, uma ótima estratégia de fazer exercícios e atividades que estimulem a concentração, como jogo da memória, tabuleiro, quebra-cabeça ou cartas, da forma como preferir. O importante é acreditar no próprio potencial de manter foco e atenção com o objetivo de vencer os obstáculos tanto nos jogos quanto na vida acadêmica.

Fonte: Bárbara Calmeto, neuropsicóloga e diretora do Autonomia Instituto.

Sobre o autor

Julia Moraes
Julia Moraes
Jornalista e repórter da Vitat. Especialista em fitness, saúde mental e emocional.