Por que ganhamos barriga ao envelhecer?

2 de janeiro, 2020

Sua barriga está aumentando com o passar do tempo? Pode não ser impressão. Quanto mais se avança em direção aos 50 anos de idade, mais o corpo começa a ganhar centímetros extras na cintura, mesmo que a balança não esteja realmente se movendo. 

As causas que fazem que uma pessoa acumule gordura abdominal à medida que envelhece são diversas. Porém, não é preciso simplesmente aceitar o aumento da gordura da barriga como consequência do envelhecimento. 

Conheça os principais motivos desse acúmulo e saiba como ajustar o estilo de vida para combatê-la.

Declínio do metabolismo

Adultos mais velhos são mais propensos a terem obesidade do que adultos mais jovens. Os homens tendem a adicionar 3,4% ao seu peso corporal a cada 10 anos entre as idades de 22 e 45, enquanto as mulheres normalmente vêem um ganho de 5% a cada década. Não parece muito, mas esse é o efeito de apenas 150 calorias extras por dia. Com isso, esse desequilíbrio de energia lento, mas consistente – consumir mais calorias do que você queima – é o principal fator por trás do ganho de peso e gordura da barriga.

Também, não apenas a maioria das pessoas tende a diminuir sua atividade física à medida que envelhece, mas o metabolismo igualmente diminui, o que significa que queimamos menos calorias no geral.

Além disso, a quantidade de massa muscular diminui à medida que se envelhece, especialmente em quem não treina. Então, o resultado é uma composição corporal mais gorda, mesmo que a balança não se mova. Essa perda de músculo também reduz a taxa metabólica, pois seu corpo requer mais calorias para manter a massa magra do que a gordura. Portanto, é possível estar comendo da mesma forma que com 30 anos, mas se não está queimando tantas calorias, o excedente aparece como gordura da barriga.

Más escolhas alimentares

O metabolismo do seu eu mais jovem pode ter processado más escolhas alimentares mais rapidamente do que agora. Mas, com a idade, coisas como carne processada, cerveja e frituras tendem a afetar sua cintura de maneira diferente.

Carboidratos refinados, especialmente, são uma das principais causas de gordura acumulada, obesidade e outros problemas de saúde. Estes são alimentos à base de grãos que extraem o farelo e o germe durante o processamento, para que não haja nenhuma fibra real ou outro valor nutricional intacto. Pão branco, macarrão e arroz, além de batatas fritas, doces, bebidas açucaradas e álcool são todos exemplos. Esses alimentos causam picos acentuados de açúcar no sangue e podem aumentar os níveis de triglicerídeos, que por sua vez pode levar a mais gordura localizada na cintura.

Leia também: Gordura visceral: O que é e como perder

Oscilação hormonal

Mulheres na pré-menopausa – graças ao estrogênio – geralmente armazenam mais gordura nos quadris, coxas e nádegas para apoiar a gravidez e a amamentação. Mas à medida que a menopausa se aproxima, os níveis de estrogênio diminuem e a gordura se redistribui na barriga. As alterações hormonais que começam mesmo antes da menopausa contribuem significativamente para o aumento da obesidade abdominal.

Da mesma forma, níveis mais baixos de testosterona – resultado do envelhecimento em homens – estão ligados ao aumento da gordura corporal, especialmente da gordura do abdômen. Porém, os homens tendem a perder a barriga mais rapidamente que as mulheres. Porque sua massa muscular magra é maior.

Leia também: Treinar com o estômago vazio queima o dobro de gordura

Como combater a gordura da barriga

Combine treino aeróbico com musculação

Para combater a gordura corporal e, por consequência, abdominal, e o excesso de peso, recomenda-se que os idosos recebam de 150 a 300 minutos de atividade de intensidade moderada toda semana. Além disso, treine com força todos os seus principais grupos musculares pelo menos duas vezes por semana. O treinamento de força ajuda a compensar a perda natural de massa muscular. 

Quanto ao exercício, não precisa ser intenso nem longo. Até uma caminhada pelo bairro todos os dias se soma. Da mesma maneira, exercícios de resistência são ótimos para preservar a massa muscular, o que ajuda a manter o metabolismo o mais alto possível com a idade.

Alimente-se bem

Uma dieta equilibrada para apoiar um abdômen mais sequinho inclui proteínas magras, grãos integrais, vegetais, frutas e pouco ou nenhum carboidrato refinado ou açúcares adicionados. Da mesma forma, observe também o tamanho das porções, pois muita comida pode causar ganho de peso se você consumir mais do que queima.

Leia também: Comeu demais? Tente essa pose de yoga

Reduza as calorias

Embora as escolhas alimentares sejam certamente importantes, é necessário queimar mais calorias do que se consome para perder peso. Um quilo de gordura armazenada contém aproximadamente 3.500 calorias. Portanto, criar um déficit diário de 500 calorias ajuda a perder cerca de um quilo de gordura semanalmente.

Faça sua avaliação de peso, descubra seu peso ideal e aprenda a emagrecer com a Low Carb. Clique para saber mais

Sobre o autor

Redação
Todos os textos assinados pela nossa equipe editorial, nutricional e educadores físicos.