Surto de varíola dos macacos: o que se sabe até o momento?

2 de junho, 2022

Enquanto o mundo ainda não superou a pandemia de Covid-19, outro vírus que existe há décadas na África começou a se espalhar de forma preocupante por vários países. Desde que um paciente foi diagnosticado com a varíola dos macacos no Reino Unido no dia 13 de maio, já são pelo menos 600 casos confirmados em 26 países, segundo dados compilados pelo site Our World in Data até o dia 31 de maio. Há ainda uma centena de casos suspeitos ao redor do mundo – três deles no Brasil, que ainda não tem nenhum caso confirmado. “A velocidade e a magnitude da propagação estão chamando a atenção”, diz a infectologista Paula Tuma, gerente de controle de infecções do Hospital Israelita Albert Einstein. Apesar de ser endêmica na África, os cientistas ainda não sabem como e por que o surto de varíola dos macacos se espalhou para outros continentes agora.

Em surtos anteriores, especialistas associaram a doença a pacientes com história de viagens para regiões atingidas. Mas não parece ser o caso atual. Por outro lado, também não se pode dizer que a doença já estava circulando nesses países, pois ela tem lesões difíceis de passar despercebidas. Pesquisadores estão investigando duas festas, uma na Bélgica e outra na Espanha, que poderiam estar relacionadas ao início do surto. Mas por enquanto são só suposições.

Parecida com varíola humana

A varíola dos macacos é uma zoonose, ou seja, uma doença transmitida por animais como macacos ou roedores. Ela deve seu nome após macacos de um laboratório dinamarquês apresentarem lesões parecidas às da varíola humana, em 1958. O primeiro caso em uma pessoa tem registro em 1970, na República Democrática do Congo, onde atualmente é endêmica. Para se ter uma ideia, só neste ano já são mais de 1.200 casos nesse país. Na África, ela também é comum em países como Camarões, Nigéria e República Centro-Africana, entre outros.

A doença é causada por um vírus similar ao da varíola humana, que provocou grandes epidemias no passado, mas que foi erradicado com a vacinação. No caso dos macacos, há dois tipos de vírus: enquanto o da África Ocidental, que está por trás do atual surto, causa infecções mais leves, o da Bacia do Congo é mais letal.

O principal meio de transmissão é através do contato direto com as lesões na pele, mas ela também é transmitida por gotículas e pelo contato com roupas de cama, por exemplo. No atual surto, houve ocorrência importante em homens que têm relações sexuais com homens, embora não tenha ocorrido exclusivamente nesse grupo.

O problema é que ela tem uma incubação muito longa, de até 21 dias, o que torna difícil isolar o paciente. E pode durar esse mesmo tempo para a cicatrização completa das feridas, quando a pessoa deixa de ser contagiosa.

Leia também: Vacina da varíola dos macacos está em desenvolvimento pela Moderna

Surto de varíola dos macacos: Sintomas

Para piorar, os sintomas iniciais são muito inespecíficos, como febre e vermelhidão na pele. As lesões bolhosas surgem depois, primeiro no rosto e depois se espalham pelo corpo, formando uma crosta que depois cai. A doença pode ser autolimitada, ou seja, se resolver sozinha, mas também pode apresentar complicações como infecções secundárias.

“O surgimento de uma doença infecciosa sempre preocupa e é preciso pensar em como contê-la”, diz Paula. Neste caso, a melhor forma seria a vacina, já que o imunizante contra a varíola humana parece funcionar contra a dos macacos também. Mas ela não está disponível em grande escala. Uma estratégia seria fazer bloqueios, imunizando os contatos próximos e profissionais da saúde, por exemplo. Mas os cientistas não apostam que ela vá se disseminar como a Covid. “Não acredito que ela se torne uma pandemia como a da Covid pelas características da transmissão”, finaliza Paula.

Fonte: Agência Einstein